quinta-feira, 3 de novembro de 2016

   = QUANDO AMANHECER =

Quando amanhecer...
Buscarei todos os sonhos que se esparramaram em meu leito.
Abrirei a janela, deixando que o sol venha ser-me companheiro.
Sem camisa, sentirei a brisa fresca do dia amanhecido.
Soltarei cada sonho tatuado com o meu nome ao vento
quem sabe eles venham a lhe encontrar, fazendo feliz este coração
calejado, que se arrasta por entre versos,  lua e estrelas
suspirando saudade,
solfejando a romântica canção
que num dia, eu pleno em amor, dediquei a você.

Quando amanhecer...
Talvez lhe envie flores...
Quem sabe, de ti, ganharei muitos beijos?
O amor não se perde ao tempo
Não se evapora como o vento
Não foge
Nem tão pouco pedi licença para fazer do corpo o seu abrigo.

Quando amanhecer...
A procura de ti, estenderei os meus olhos ao longínquo  caminho.
Buscarei em cada flor o teu sorriso.
Umedecerei os meus lábios com a língua
Que fora ressequidos pela longa espera dos teus beijos.
Na vida, uma certeza eu tenho...
Nunca estarei só
Sempre e sempre, estarei aqui, alimentando de sonhos
a esperar por teus beijos.

Antônio Tavares.

(Tonho )