sexta-feira, 10 de junho de 2016

      = VOCÊ O AMOR E EU =

De repente...
O mundo vazio ficou.
Em todas as direções eu olhava
E só, eu estava.
O estranho som
Confundia-me.
A lua e as estrelas brilhavam como nunca...
Brilho frio.
O sol veio ao seu tempo
Brilho intenso
Sem calor
Sem frio
Sem vento.

As flores de formatos lindos, apáticas,
Sem perfumes
Sem graça
Sem cores.

Meu coração estava fértil
E baldio.
O corpo sem suor, sem cheiro.
Tempos difíceis
Sem dor
Sem cócegas
Sem amor.

De repente, uma explosão...
Acordaram a alma e o meu coração.
Quanto brilho, quantas cores, quanto perfume.
Você, vestida de branco, toda molhada,
Roupa no corpo colada
Revelava a beleza de uma nudez coberta.

Ajoelhei-me na relva, minhas mãos para o alto,
Agradecia ao Senhor!
Você chegou devagarzinho
Consciente, sabedora do que fazer.
Tomou-me pelas mãos, levantou-me.
Abraçou o meu corpo trêmulo.
Beijos, carinhos e abraços.
O mundo retomou toda sua exuberância
Perdida.
As pessoas encheram o planeta.
Mas, em nosso mundo lindo,
Ficamos você, o amor e eu.
 
Tonho Tavares
       = QUERO VOCÊ =

Vou penetrar em seu mundo
não clandestino
Pois do amor, nada se explica.

Serei a sua saudade
Sem tempo, nem idade.
Nas eternas noites de amor
com suaviloquência
levar-te-ei ao fascínio.

Se me queres de verdade
liberte-me de meus sonhos
O amor não sobrevive apenas em devaneios
necessita de calor, de beijos,
de afagos, de tesão e desejos

Libertarei a tua alma
dos grilhões do seu querer
Como anjo serei o seu guarda
ou quem sabe
meio que profano
que a conduzirá
as mais lindas fantasias.

Tonho Tavares
Boa noite a todos!

    = SE TU QUISERES =

Se tu queres o meu beijo
Faço o teu desejo.
Se tu queres o meu carinho
Buscarei a ti
Para o meu ninho.
Se tu queres o meu amor
O meu coração eu lhe dou.

Dar-te ei como um acaso
O vinco da felicidade.
No arrebol da tarde caída
Seremos luz
Seremos vida.

Pintarei os teus olhos
Com o brilho intenso das estrelas.
Nada mais permanecerá imovel.
Nossa vida
Tal e qual uma locomotiva
Buscará de arrasto
Toda a beleza dos sonhos.

Serei o palco
Onde desfilaram
Com graça
Todos os teus desejos.

Quando a noite fizer muda
Talvez virgem
Talvez pura
Recitarei para ti
Os meus poemas de amor.
Se os teus lábios
De emoção se orvalhar
Atracaremos num longo beijo.

Se tu
Neste lampejo
Realmente me quiseres
Eterno será o nosso amor.

Tonho Tavares

sexta-feira, 3 de junho de 2016

    = SENHORA DO MEU SONHO =

 Minha bela e jovem senhora
Que em minh’alma
Displicentemente vagueia
Não sabes quão forte e belo
É o amor
Que o meu peito incendia.

Vejo-te em algoz anelo
Nas noites, trouxeste-me o abandono do sono
Busco em te as quimeras
Incauto
A candura do amor revela.

Quisera eu ser o teu senhor
Quando és de mim
A senhora.
Sigo no ardume do desejo
Teus lábios pujantes
Peço-lhes
Dê-me um beijo.

Antônio Jose Tavares. (Tonho)
     =LINDO AMANHECER =

Imagino o seu despertar...
Você espreguiçando graciosamente
em lençóis de cetim.
Eu já levantado, ao lado,
Um eterno namorado.
Barba feita
Banho tomado.
Coração batendo forte,
querendo pelos olhos sair.
Na cama você sentada.
Olhar fixo
Convidado-me as carias derradeiras.

Vou chegando de mansinho
Como predador
que busca a presa.
Suas alça meio que caída
Seios parcialmente a amostra.
É tudo que queremos
É tudo que importa.

Beijo seus olhos
Seu rosto
Sua testa
Seu queixo
Deslizo meus lábios que
sobre você fazem rastros.
Você não resiste, ataca-me como fera,
Morde suavemente minha boca,
Entrelaça em meu pescoço
Eu sexo
Eu nós,
numa loucura só.

Compromisso, trabalho, pra quê...
O importante na vida...
É ter você.

Tonho Tavares
      = VENHA AMOR =

     Amanheça comigo...
Ouça do mais profundo de minh'alma
o sussurro do amor nunca adormecido.
Meus lábios insanos, molhados
trêmulos de paixão
pelo teu corpo farão rastros
que os teus beijos acordarão.

Eu, um todo ser em deslumbramento
sedento, aguçado, suspiro, transpiro
cheiro a cio.

       Amanheça comigo...
E descubra neste ser
os mais profundos galanteios.
Para que não me tomes por devasso
servirei a ti
ainda na cama
o café.
Sobre todo o teu leito
flores espalharei.
Colherei o teu primeiro sorriso.
Se permitir-me
roubarei o teu último beijo do ontem guardado.
Teu copo terá o perfume de mulher amada.
A cada momento, nos amaremos como únicos
até o esvair-se do dia.
Quando negro manto da noite
exibir as tuas estrelas
darei a ti as minhas mãos
que de tão tuas
não me permite domina-las.
Elas se envolverão em teu corpo
ficaremos tão leves
como nuvens ao vento.
Com a suavidade do sonho
os teus lábios beijarei.
Dançaremos, Straus, Gardel, boleros de Ravel.
Quem sabe, neste gostoso sem tempo
a ti recitarei um poema lindo
ao som de "Carinhoso".
       
     Amanheça comigo...
E seremos nós um todo
na mais pura instancia do amor.

Tonho Tavares.
       = FLORES ESPERANÇA =

Ah! Se estas flores pudessem
dizer-te aos ouvidos...
A ternura que as enviei em silêncio
Dos meus lábios que padecem sem seus beijos
Do meu peito que a sua alma pede.

Um buquê... Uma linda missiva...
Sem palavras
Sem letras
Sem traços
Sem bilhetes
Que seu coração
poderá ler em perfume
nas entrelinhas das cores.

Se acaso deslumbrar a rosa vermelha
Se houver gostas de orvalho
Inspirando a poesia,
saiba menina,
São lágrimas de esperança
de quem se fez criança
e sonha tê-la
pelo menos por um dia.

Tonho Tavares
Boa noite a todos!

              = MILAGRE (OU NÃO) DO MENINO DEUS =  

   Manhã de dezembro! Para ser exato, dia vinte e quatro. Foi aí que tudo aconteceu.
        Neusinha, uma senhorita de quarenta e seis anos, acabava de esvaziar sua segunda garrafa de vodka do dia.
        Apesar da sua embriaguez, ela chora, não queria mais beber. Há tempos estava neste projeto de mudança de vida, mas sem sucesso.
        Sua velha mãe, no quarto, chorava ao ver a sua filha amada se definhando. No rosto o inchaço, que é algo peculiar aos alcoólatras inveterados. Mais uma noite a mãe teve que ajudá-la a se trocar para ir para cama, onde apagaria. Mas, naquela noite, ela não conseguiu dormir nem apagar. Pensava mil maneiras de se livrar daquele terrível pesadelo. Levantou-se bem cedinho, pegou papel e lápis, apesar do estado lastimável em que se encontrava, começou a rabiscar algumas palavras. Sua letra quase ilegível enchia a folha do seu bloco.
         _Bom dia, minha filha! Disse a mãe com certa tristeza.
         _Bom dia, mamãe! A sua benção!
         _ Filha, o que tanto você escreve neste papel?
         _Sabe mamãe, estou escrevendo uma carta para o menino Deus! É chegado o natal e quem sabe Ele possa me atender!
         _Filha, o que você está pedindo a Ele?
         _Quero realizar um sonho mamãe, estou pedindo para que Ele me ajude a parar de beber.
         _Que bom, minha filha! Você sabe que eu não sei escrever, mas escreva embaixo o meu bilhetinho para Ele. Pode fazer isso?
         _Claro, mamãe! Diga o que quer que eu escreva.
         Aquela boa senhora, com os olhos cheios de lágrimas, começou a ditar o seu pedido. Resumindo ela dizia: “Se o Senhor ajudar a minha filha eu poderei morrer em paz”.
         _Filha, assine e deixe que eu coloque a meu polegar aí junto à sua assinatura.
         E assim ficaram as duas transbordantes de felicidade.
          _Filha, como enviaremos esta carta?
          _Mãe, eu já pensei em tudo, vou subir lá no morro da torre de rádio, amarrarei a carta num balão e soltarei ao vento, com certeza ela irá até as mãos do Senhor.
         _Então filha, eu irei com você.
         E assim mãe e filha saíram numa caminhada árdua, mas que acreditavam seria o milagre que mudaria suas vidas. Chegaram com muita dificuldade ao topo. Neusinha embora muito mais jovem, não se agüentava de pé. Sua mãe pegou o balão, amarrou a carta nele, deu a mão a sua querida filha e fizeram a oração do Pai Nosso. Juntas, com os olhos embotados de lágrimas e esperança, soltaram o balão.
        Como por milagre, ele subiu verticalmente e com tanta rapidez, que se perdeu no azul do céu.
      As duas, cheias de esperança, voltaram felizes para casa. Neusinha, ao chegar, pegou todas as garrafas da prateleira e outras que estavam escondidas esvaziando-as dentro da pia. Mesmo com aquela obsessão forte e aquela compulsão toda, ela estava decidida a não mais fazer uso da bebida. Sentaram-se na sala, colocaram música e ficaram ali por horas, coisa que não acontecia há tempos.
        Alguém bateu a porta, Neusinha foi abrir e era um jovem senhor, cabelos grisalhos, voz forte, um rosto franco que trazia em seu sorriso a luz do amor.
         _Posso lhe ajudar? perguntou Neusinha.
         _Talvez. _Disse o homem. _Estou procurando Neusinha, ela mora aqui?
         _Sim, meu senhor, sou eu! Em que posso lhe ajudar?
         _É que estou muito engasgado com alguns problemas que aconteceram comigo, estou precisando desabafar. Pode ouvir-me?
         _Mas é claro! Entre, por favor! Como o senhor se chama?
         _Eu me chamo... Sou um alcoólico, estou paralisado há mais de vinte anos, mas queria contar para você um pouquinho da minha história, pode ser?
         _ Esteja à vontade! Mamãe, prepare um cafezinho para nós. O papo vai ser longo. Ele deve ser o enviado de Deus que veio dar resposta à nossa carta.
         O bom homem se identificou como um membro de “Alcoólicos Anônimos”. Contou toda a sua trajetória no alcoolismo e ouviu de Neusinha o seu desabafo. Riram muito de casos pitorescos e choraram as coisas tristes. Foi aí que tudo começou.
        Não sei a que nome dar a isto: milagre, determinação, coincidência, solidariedade, conscientização, amor... Acho que nada disso importa, o importante é que Neusinha hoje, está há dezenove anos sem beber. Sua mãe partiu como partem todas as mães que têm na consciência o sabor de um dever cumprido.
               Caros amigos, este é um caso verídico! São estes e tantos outros que assistimos e vêm nos mostrar que o milagre existe para aqueles que o buscam.
Feliz Natal a todos!

a hitória é rela, acontecido na cidade de Itaúna.

*Neusinha é um nome fictício.

Tonho Tavares