terça-feira, 31 de maio de 2016

  = UM POUCO DO AGORA =

Se me curvo em meus versos
reverencio-me ao amor
que exala, entala
escorre pela pele
no peito faz doer.

Amarga é a saudade!
viajo no mais profundo dos sentimentos
no lábaro, a flamula verde da esperança
não sou eu mais um jovem encantado nas primícias do amor platônico
Sou carne, alma, sentimento
sou sexo, sou carinho
Bebo da beleza ardida das tardes de solidão
Sou apenas saudade.

Tonho Tavares