domingo, 24 de abril de 2016

                            = Minhas quimeras =
         Hoje me surpreendi em devaneios...
Até aí, nada de extraordinário para quem vive em sonhos.
     Dei asas à minha imaginação...
Subindo a rua, pude ver do outro lado, uma senhora que varria sua calçada, sorrindo, disse-me em alta voz: _“Bom dia meu amigo!”
Atravessei a rua e lhe dei um beijo carinhoso na fronte.
Segui o meu caminho...
       Não muito distante, uma senhorinha, de lindos cabelos grisalhos, cuidava de seu jardim. A água, tal qual névoa, formava ao sol, as cores do arco-íris. Um bom dia eu a desejei! Gratificante fora a minha surpresa! Ela sorrindo, acenou com as mãos, chamando-me para perto, abraçou-me, ofertando-me uma linda rosa que povoava o seu jardim. Entrei no mais profundo de minha alma, arrepiei-me com tanto amor-irmão. Continuando a caminhada, um carro muito bonito, destes que só é visto com pessoas afortunadas, parou ao meu lado, um jovem desembarcou, elogiou a flor que vaidoso eu exibia. A ele, contei a origem dela; aquele elegante homem, disse-me: “Amigo, não tenho uma flor para lhe oferecer. Flores são colhidas por pessoas especiais, mas, no entanto, tenho dois braços que por Deus foram-me concedidos. Com eles posso dar-lhe o que de melhor habita em mim, o carinho através do abraço; abraçamo-nos, sentimos com um só coração, coisas de nosso Pai Celeste. Cheguei à padaria: ali, parecia uma grande festa de confraternização, todos riam, se abraçavam, abençoando-se mutuamente. Foi lindo!
Voltando, encontrei com uma jovem senhora que empurrava sua carrocinha de recicláveis. Não perdi tempo! Fui ao seu encontro; um pequeno rádio a pilha, tocava uma bela canção.  Peguei-a pelos braços e disse-lhe: “Concede-me esta dança, minha jovem senhora?” “É claro, meu jovem senhor!” Dançamos pela rua aos olhos brilhosos dos transeuntes. Em pouco tempo, todos se ajuntaram a nós, transformando as ruas e, posteriormente, toda a cidade, num grande salão de baile.
          Voltando para casa, pude perceber que tudo continuava como dantes, isto, eu não podia mudar... A senhora continuava varrendo a sua calçada, a senhorinha, regando suas plantas, o jovem abastado, com seu lindo carrão, a padaria com seus fregueses, a jovem senhora continuava com sua carrocinha de recicláveis. Aprendi que tudo é composição do mundo... parece imutável, mas, os sonhos de levar a felicidade! Dependem de mim, de você e de nós todos.
        Podemos encontrar a plenitude da vida quando absorvemos o amor... Só assim, nos doaremos por inteiro.

Tonho Tavares.