quarta-feira, 23 de setembro de 2015


= LEIA-ME =

Sou parte de um livro
De folhas pequenas
Compreendido
Não entendido
Inacabado.
.
No desuso da capa
O eterno romantismo
Lido em páginas truncadas
Cheirando a pó da prateleira

Venha...
Desfolhe-me...
Descubra que o meu coração
Ainda que embotado da desesperança de um dia 
É pulsante, jorra um grande e lindo sentimento.

Leia-me em qualquer parte
Na rua, na beira do riacho, 
No enluarar da noite nascida
Na madrugada perdida
No aconchego da alcova.

Leia-me por vezes
Por quanto seus olhos encontrarem os meu escrito
Se em branco as páginas estiverem
Complete-as com carinho, com seu ser,
Com suas escritas, quem sabe aquelas que se fizeram esquecidas!

Sou parte do livro 
A espera da sua inteira.

 Tonho.