quarta-feira, 26 de agosto de 2015

= JANTAR DOS MEUS SONHOS -

Vem jantar comigo?
Este jantar eu mesmo prepararei.
A mesa, apenas o trivial
é tudo que sei fazer.

Com requinte porei a mesa.
Toalha branca
Dois pratos e talheres
Um castiçal 
Duas cadeiras
Duas taças
uma com vinho de boa safra
a minha taça, com refrigerante 
abstenho-me da bebida alcoólica.
Ao fundo, música suave...
Após o jantar, iremos para a sala
Conversaremos, ouviremos músicas
Cantarei para você ao dedilhar do meu violão
as poucas músicas que, mais ao menos, aprendi a cantar.
Ao final buscarei seus lábios num longo beijo.
Será uma mistura de sonhos e desejos
De olhos de intenso brilho.
A meia luz, ao som de uma música em baixo volume
Lábios que se traduzam, frenéticos, estalaram em som molhado
Corpos inquietos contorcendo em prazer
Do sofá ao chão.
Palavras palavrinhas e palavrões
Numa mistura de insana delícia.
Que seria do amor, sem os olhos nos olhos
palavras nascidas e jorrada lá do fundo de nossas almas?

Depois desta insana e deliciosa paixão
De volta à razão
Amor, escrito e descrito, na sala, quarto, cama e corpos.
Suavemente sentirei o seu deitar em meu peito
Lábios e dedos deslizando pelo corpo suado
Com certeza ouvirá, do meu corpo e do coração, a chamada do amor.
Pense... Terá coragem de correr este risco?

Tonho Tavares. 

= VIDAS E SONHO =

 Cubra-me com o teu amor.
Vista-me com a seda leve dos teus sonhos.
Minhas vestias não são pesadas
Mas, careço da suavidade de novos tecidos.

Vale a vida, aquilo que sinto-me valer.
Com o teu sorriso, ela se faz encantada
Um presente de Deus, com linda lua e de estrelas ornamentada.
É como o sopro fresco da brisa mansa
Tocando o meu corpo nu e suado
Indescritível sentimento!

Contigo irei aos campos floridos
Que por mim, ainda são desconhecidos
De mãos dadas sentiremos nossos corpos em delírio
Passeando por entre nuvens
Bem onde os enamorados fazem as suas moradas.

Quando se ama ou toma consciência deste amor
A vida se torna em um belo poema
Onde podemos caminhar pelos mais lindos versos
Passeando pelas estrelas, beijarmos a luz do luar
Numa estrofe sem final. 

O amor é forte e solido
 indestrutível quando se é cultivado
Pode ser frágil, quebradiço quando não se faz nada para hidratá-lo.    
Amor para ser forte, tem que vir do sul e do norte
Só de um lado, não sobrevive a sua sorte.

Venha, acorde, vista-me com a seda leve dos teus sonhos
Meu corpo e minha alma carecem da leveza dos teus sonhos
Pegue-me ou deixe que eu a pegue pelas mãos
E no perfume suave do amor 
Seguiremos felizes pela imensidão da vida

Tonho Tavares. 

terça-feira, 25 de agosto de 2015

  = VIVER O AMOR =

Quando nasce o amor
O céu se faz em cores
A majestosa lua lança seu sorriso em prata
As flores dantes esquecidas invadem a alma
Tornando-se mensageiras.

Nos terrenos do coração antes áridos
Agora tal e qual olhos d’agua
Minam neste solo os sonhos.
Grande e frondosas arvores de quimeras
Abrem-se em flores.

Duvidas, inseguranças e ciúmes
Brincam com a alma apaixonada
É o quiproquó colocando em xeque
O amor. 

O tempo é passado
Beijos, abraços, frases decoradas e criadas
Fortalecem o sentimento
É a vitória dos enamorados.

Amar é tão bom, tão suave
Que faz do mundo o paraíso
E tão pouco é preciso
É só a Ele se entregar. 

Amar é sentir o coração bater em um mesmo compasso
É doar-se com ardor, a todos os beijos e abraços
É dormir com o gosto indescritível dos beijos
Acordar com desejos
Caminhar juntos por uma trilha sem final.

Quem ama, amacia a alma
Adoça os dias
Tem saudade antes das despedidas
Ouve com planura os desígnios da vida.

Com é fácil amar!
Difícil é esquecer.
Quando amamos e somos amados
Passam os anos, passam as idades, 
Permanecemos para sempre
Como eternos enamorados. 

O amor...
Como é bom descrever
E como é difícil encontrar. 

Tonho Tavares.
     = SONHO E FASCÍNIO -

O amor fascina...
Invade o corpo com tal leveza
Que sentimo-nos libertos ao vento..
Irmana com todos os bons sentimentos.
Destila felicidade
fazendo do outro a prioridade. 
Sou eu novamente a divagar.

Vivo, rio, canto
Contemplo a lua e as estrelas
Busco a vida, o mundo
e tudo que o amor me revela.

O amor para ser puro, tem que ser singelo
Supera as lágrimas.
Pintando no rosto a esperança 
que o sorriso emoldura. 

Sou feliz pelo amor que minha alma cativa.
Amo a tudo e a todos.
Quem sabe num dia vindouro
 ainda serei priorizado?
Há de chegar este dia 
que eu seja por este amor contemplado.

Amor tem que ser vida
e vida plena só a conhece 
aquele que se é amado.  

Tonho Tavares. 
= SONHAR E AMAR =

Amor não é conceito...
É aquilo que, com ou sem permissão, agarra dentro do peito
Fazendo-nos rir ou chorar...
Será bênção ou maldição?
Quiçá nos punir,
Ou talvez a nossa vida enfeitar?
O que eu sei é que é impossível não amar.
  
Minha falta de conceito...
 não sei se é certo ou um defeito
O lema é amar, amar e amar.
Dias a fora, com beijos fáceis, 
Com abraços arrochados
Com ou sem motivo
Nas chamadas do amor.

Recitar versos na simplicidade da alma
Ouvir com o coração cheio de bondade
As lamúrias, os desejos, os anseios
Os sonhos recentes ou do passado
Realizar... se puder!
O que vale é: Juntos sempre sonhar.

Sentir os nossos corpos em chamas
Os corações descompassados
Os olhos com intensos brilhos
Na explosão do puro ao profano
Na cama
Ou em qualquer lugar
Viver a intensidade do momento
No frenesi do amor.

Não se podem desperdiçar fragmentos pela vida
Não deixar que dissabores virem feridas
Que inflamam
Doem
E o amor derrama...
E o vazio consuma partes de nossas vidas. 

Não sei se sou um poeta ou um louco
Deste amor eu sou inculto
O que me resta é sonhar. 

Tonho Tavares 
  
= SAUDADE =

Vá, ó saudade!
Faça de mim o seu desafeto!
Permita que o meu coração em paz se aquiete.

Vá!
Leve os seus pertences!
São deles que vêm o meu tormento.

Retire a tristeza;
a dor que minha alma dilacera;
recolha as minhas lágrimas,
que, por sua culpa, foram derramadas.

Vá!  Vá!  Vá!
Mas, por favor, não deixe este vazio que corrói o peito
na dor do abandono.
Não recolhas os beijos que, no silêncio,
tornaram-se eternos.
Deixe que eu reviva as noites de amor,
quando nossos corpos se completavam,
transportando-nos a um plano encantado.

Perdoe-me, saudade!
Não posso me separar de ti.
Você é um caminho andado!
Em vários portos atracados
numa odisseia
de amor.

Saudade é viver o sonho...
do passado,
do presente
e do tempo que ainda não chegou.

Por favor, fique comigo, saudade!
Nossas vidas são um entrelace.
Sofro por você, ó companheira!
Sofrimento maior é nunca ter razão para sentir saudade. 


Tonho Tavares.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015


  = Quero poesias =

Quero poesias
Que gotejem pelos poros,
Que falem de mim,
De ti,
E de tantos e tantos por aí.

Poesias por todo o corpo!
Que partem dos olhos,
Entranham na carne
Roubando a alma.

Versos que cultivam flores,
Que resgatam as estrelas,
A lua,
Adormecidas, no fundo do lago.

Poesias, 
Que reencontrem a magia
Dos abraços, beijos e carícias,
De quem se foi pra nunca mais voltar.
Surpreendendo
Volta, jurando nunca mais
Partir e para sempre me amar.

Tonho Tavares. 

= A ROSA E O POETA =

Uma linda rosa ruborizada
Timidamente perguntou ao poeta:

“_Por que chora, poeta...
Pois, se vives sempre em sonhos?
És como um arauto,
Proclamando o amor.

Por que choras?
Seu recado foi entregue por mim, a sua Dulcinéia.
Para ela, foste altaneiro,
Cantastes em galanteio as mais lindas canções.
Recitastes trovas e poemas que deslumbraram meio mundo.
Vivestes todos os amores,
do mais puro e eterno ao mais profano.

Por que choras, poeta?
Se trouxestes do céu, as estrelas, a lua,
As nuvens, o sol com toda sua exuberância?

Então me dizes... Oh, Poeta!
Choras o pouco que perdestes?
Choras por palavras,
Que a mim não me cabe entendê-las?

Diz-me poeta...
Saudade, distância, despedidas,
Renúncias, amores não correspondidos,
Até mesmo a felicidade, o reencontro,
Ela... Quem sabe todos os seus dissabores serão “Ela”?
Ou seria tudo isso sinônimo de lágrimas?

Sabe poeta...
De ti, nunca me afastarei.
Serei partes das suas rimas.
O presente da chegada e da despedida.
Dar-me-ei por inteira, como inspiração matinal. 

Não mais serei orvalhada pelo sereno
Que refresca as madrugadas,
Mas, acolherei as tuas lágrimas.
São elas péssimas, salgadas,
não trazem o frescor.
Certamente, trarão o brilho inspirador 
Para os mais belos poemas.”

Respondeu o poeta:
“_Minha linda e querida Rosa, 
Meu choro são sorrisos em lágrimas
Na busca incessante do conhecimento da alma.
O choro do poeta traduz
 encanto, posta sorrisos e esperanças,
distribui e lança pelos ares, partículas coloridas de amor. 
Serei sempre
um milenar vivente
Que às vezes, mesmo inconsciente,
Renasço em cada rabisco.”

Tonho Tavares
       
  = Lições de Vida =.

          Eu sou uma pessoa que adora conversar. Não importa com quem, o fato é que, não consigo ficar calado. Interessante é que, às vezes, ouço narrativas que nunca esqueço. 
           Há cerca de onze anos atrás, eu estava na prefeitura de Divinópolis aguardando atendimento. Recordo-me bem da época, pois eu havia, naqueles dias, perdido o meu saudoso pai. Naquele momento, eu estava pensativo, quando veio uma senhora aparentando uns sessenta e cinco anos, de cor negra e sentou-se a meu lado. 
         Não demoramos a animar uma boa prosa. Falamos de assuntos diversos e me fascinei com o tamanho conhecimento daquela senhora. Depois de muito conversar, ela me narrou um caso de sua vida que me deixou encantado. 
          Disse-me que há muitos anos atrás, trabalhava de lavadeira para uma senhora de elevado poder aquisitivo e portadora de um preconceito, maior que seus bens multiplicados por mil. O seu marido, também negro, trabalhava na empresa do marido da dita cuja. Ela disse-me que, quando começou a trabalhar para esta senhora, não sabia do pavor que ela sentia por negros. 
          Certa manhã, ela estava com muita sede e veio até a cozinha. Pediu então à outra serviçal (branca) que a desse um pouco de água, quando ela entrou apenas no recinto. A patroa, vendo a lavadeira em sua cozinha, fez questão de mostrar o seu descontentamento. 
          Pouco tempo depois, veio a mesma serviçal, levando o recado da patroa: “Se você pretende continuar trabalhando aqui, não entre na casa. Peça à empregada que ela leva o que precisar.” 
           O preconceito daquela senhora chegava a doer. Precisando muito do serviço, ela continuava a trabalhar condignamente. Alguns anos depois, estava ela a lavar a roupa, quando a filha da patroa chegou aos gritos, dizendo que sua mãe estava morrendo e que precisava de ajuda.  
           A outra empregada não estava no momento e sobrou para nossa querida lavadeira. Sem saber o que fazer, ela dizia para a menina que não poderia entrar na casa, que sua mãe havia proibido, mas ela insistia, dizendo que a mãe estava com uma enorme hemorragia e estava desmaiada no chão de seu quarto. 
          Aquela boa senhora, obedecendo à patroa, correu nos vizinhos em busca de ajuda e não tardou muito a levá-la para o hospital.
          Seu estado de fraqueza era muito grande, estava morrendo. Ela precisava de sangue, e com urgência. Naquela época a dificuldade era encontrar sangue compatível. Foram feitos exames em todos os funcionários da empresa, mas ninguém tinha o sangue que servisse a ela. Foi até que, um dos peões (nome dado aos trabalhadores braçais da época), o único compatível, justamente o marido da lavadeira, se prontificou a doar. 
          O coração dela estava muito enfraquecido e não conseguia bombear o sangue. Os médicos ligaram (não seu direito o nome dado a este procedimento, mas era uma mangueirinha que ligava) a veia dele à dela diretamente e foi realizada a transfusão. O coração dele bombeava em auxílio ao dela. 
          Com certeza, isso salvou a vida daquela senhora. Ao voltar a si e, tomando consciência dos fatos, as lágrimas molharam o seu rosto. Bom, o tempo passou... Se servi de lição? É claro que sim! Eu particularmente, não tomo isso como um castigo, mas como uma bênção. 
            Ao término da conversa, não senti nenhuma mágoa naquela boa mulher. Não ficaram feridas, apenas cicatrizes. 
                               
Tonho Tavares

terça-feira, 18 de agosto de 2015


= Quero Você =

Venha amor...
Com os dedos, contorne
os meus lábios.
Minha boca pede
Seus beijos.
Meu corpo clama...
Chama...
Desejo!
Cheiro do cio.

A lua e as estrelas,
Nos espiam.
Corpos despidos.
Revestimo-nos
Com o manto encantado.

Pele aquecida,
Molhada desliza.
Corpos frenéticos,
Perdidos em delírios.
Na cama, no tapete
Na relva, no carro,
Na banheira,
Que importa! 
Olhos em chamas
Suspiros e gozo.

Tonho Tavares

= Encontro encantado =

Uma estrela
pousou em minha mão.


Brilhou enlouquecida,
Pulou no chão e
Correu pelas ruas
Fazendo rastros.

Rastros de pérolas iluminadas,
Galhos e arbustos...
Tudo que fora por ela tocada,
Brilhava com o pó reluzente
Formando um caminho encantado.

Foi um desce e sobe,
Curva à direita, à esquerda.
Contornava o rio,
Atravessava a ponte e
Embrenhou-se pela mata.
Subiu a serra e
Na gruta fez parada.

Eu, cansado, intrigado,
Pelo caminho me enveredei.
Ao chegar ao topo,
Luzes de mil estrelas,
Raios de luar!

Não era um mundo diferente,
Apenas um lugar.

Sentei-me ao pé de uma árvore
Claridade
Penetrava 
Por entre as folhas
Como flechas iluminadas.

Eu, débil, a mercê do encantado,
Olhei para alto e
Nada vi.
Esperei uma linda rainha
De colar de pérolas,
Brincos cintilantes e
Pulseiras de diamantes.

 As luzes,
Tal e qual um holofote
A gruta iluminou...
Meu coração disparou!
Você veio para meu lado,
Ignorando todo o brilho e glamour.
Vestia um vestido simples,
Leve e um tiara de flores silvestres.
Estava linda, muito linda!
Minh‘alma enamorou-se.
As luzes se foram.
Apenas a lua,
As estrelas,
Bem lá no alto
Para nós sorriam.
O brilho foi embora
Que importa?

Estávamos nós, as sós, abraços e beijos,
Tudo completo, 
Pela luzes do amor.

Tonho Tavares


=VOCÊ O AMOR E EU =.

De repente...
O mundo vazio ficou.
Em todas as direções eu olhava
E só, eu estava.
O estranho som do silêncio
Confundia-me.
A lua e as estrelas brilhavam como nunca...
Brilho frio.
O sol veio ao seu tempo
Brilho intenso
Sem calor
Sem frio
Sem vento.

As flores de formato lindo, apáticas,
Sem perfumes
Sem graça
Sem cor.

Meu coração estava fértil
E baldio.
O corpo sem suor, sem cheiro.
Tempos difíceis
 Sem dor
Sem cócegas
Sem amor.

De repente, uma explosão...
Acordaram a alma e o meu coração.
Quanto brilho, quantas cores, quanto perfume.
Você, vestida de branco, toda molhada,
Roupa no corpo colada
Revelava a beleza de uma nudez coberta.

Ajoelhei-me na relva, minhas mãos para o alto,
Agradecia ao Senhor!
Você chegou devagarzinho
Consciente, sabedora do que fazer.
Tomou-me pelas mãos, levantou-me. 
Abraçou o meu corpo trêmulo.
Beijos, carinhos e abraços.
O mundo retomou toda sua exuberância
Perdida.
As pessoas encheram o planeta.
Mas, em nosso mundo lindo,
Ficamos você, o amor e eu.
  
Tonho Tavares

= Vejo o Amor =

Muito lindo, eu vejo o amor!
Com candelabro de estrelas, ele se veste.
Adorna-se,
De luar, de flores,
De cascatas,
De sorrisos e músicas.
Do silêncio que pede beijos.
De corpos que se abrigam.

Amor que as mãos entrelaçam,
 que sussurra canções,
Que se desvaira em prazer.

Não é uma utopia.
São abraços, beijos suaves,
num gostoso ritual nas despedias.
Beijos cálidos que enfeitam a chegada.
Palavras ditas, que colorem um arco-íris.

Quando eu abro os olhos
E deparo-me apenas com o muro
Volto a fechá-los e escalo,
Busco de volta o meu abrigo.

TONHO TAVARES

= Vida e Amor =


Nasceu como o arroio.
Água pura, límpida,
quase potável.

Vieram as primeiras chuvas.
Leito estreito
não suportou.
Esparramou pela várzea e
não mais se juntou,
Sujou.

Desaguou no rio, chocou contra as pedras,
Gritou, revoltou... No tombar da cachoeira,
Ardeu em ondas.
No rebojo
Todo o lixo ele buscou.
 
Caiu no mar de águas azuis
Lavou e não melhorou.
Tornou-se um cruzador.
Lutou, torpedeou e
Na batalha foi a pique.

Gemeu sozinho, abandonado chorou.
Suas lágrimas alimentaram as estrelas
Dois pares dela mergulharam em seu encalce,
E o resgatou.
Mostrou a luz do amor
Ele, parado, inativo, em silêncio
Escutou-as.

De amor, as estrelas,
Em doses homeopáticas,
De gota em gota
Sua alma curou.

Retirou as sobras...
Torpedos que matam,
Metralhadoras,
Desamor,
Revolta,
Frustrações,
E principalmente o orgulho...
Não só lavou,
aperfeiçoou.

A lua, que do alto tudo assistia,
Jogou seus raios de magia
E as amigas celestes
No barco amarrou,
Içou.

Simples, belos, com mastros de constelação
Iluminando a noite.
Tornou-se num lindo veleiro
Num mar calmo de noite poesia
Navegou pelos oito mares,
Sendo um deles, o mar da vida.
Não mais aportou
Em todos os cais que passava.
Se nada tivesse a doar,
Deixava ali, encantamento, esperança,
Saudade e amor.


Tonho Tavares

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

= SUAVE BRISA =

A refrescante brisa
sopra o meu corpo suado.
São murmúrios do silêncio
de um amor chegado.

Suas delicadas mãos
Escorrem pelo meu corpo
Roubado minh’alma.
É a candura do amor!


Faz-me o seu amor eterno.
Flutuaremos em nau de vento
E buscaremos o tesouro
que o tempo nos reservou.

Serei o eu
dos teus versos.
A ti,
farei poesia

Iremos
Visitar as estrelas
Em noites enluaradas.
Eu e você, um só ser,
Navegando no mar
do encantado.
É o sentimento por toda a vida
Já esperado.

Tonho Tavares
   =Meu Sonho=

Quero ser o teu verso!
O teu universo é muito para mim.
Quero ser o teu sorriso,
tuas manhãs das quatro estações.
Das noites, quero ser o perfume
que espalha pelo teu copo
E alimenta a tua alma.
Sei que sou pretensioso,
mas é tão gostoso,
viver à espera
desta bela ilusão.
Só, 
Sou feliz, mas não me basto.
Tonho Tavares
 
  = Dia de amor =

Desperta o dia.
Os pássaros cantam para suas amadas.
A manhã vem raiada.
No jardim uma gota de orvalho
rola preguiçosamente pela longa folha do capim.

Borboletas, beija-flores e abelhas
Trabalham felizes,
retirando o néctar e semeando o pólen.
Cravos, dálias, lírios e rosas
Dançam felizes ao sabor do vento
 Aquele belo momento que é por Deus abençoado.

Eu, da minha janela, maravilhado, a tudo assisto.
Em meio a tanta beleza, ali está você,
De cócoras numa animada coversa com as plantas.
Meu sorriso de felicidade busca o teu olhar.
Lindos olhos, lindas flores,
Olhos e flores, lindas cores.
Vou até o jardim.
Pego-te pela mão e delicadamente a levanto.
Beijamo-nos deliciosamente.
Dançamos ao som dos nossos olhares,
ao ritmo intenso do amor magia.
As flores dançam abraçadas ao vento.
O dia se faz festa.

Tonho Tavares

= Seus Olhos =

Eu quero estes olhos
Que despem meu corpo,
Que penetram minh’alma
e os sentimentos revelam.

Olhos que percorrem caminhos,
Que buscam o ninho,
Que concedem o corpo
E se amortecem de prazer
ao gozo do amor.

Olhos que recitam versos
Que trazem do universo
Uma estrela só pra mim.

Eu quero...
E como quero! 

Se me deres estes olhos...
Dar-te-ei...
...o meu corpo, 
...minha alma,
...meu sorriso. 
Se tudo isso for pouco,
eu darei de troco
o meu coração, só pra ti.

Tonho Tavares.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

        

   =O Poeta Nunca Morre=

A escrivaninha empoeirada
No canto adormecido
A caneta, o caderno,
 E um bilhete esquecido.

Ao lado da porta,
Um homem, já grisalho,
Com seu olhar perdido 
Amarga a dor da saudade. 

 As gotas de chuva
Salpicando a vidraça 
São como um coração pulsante
Num corpo sem vida.

O homem resmunga e chora...

_Porque não esperastes 
O crepúsculo de sua existência?
Fostes assim tão de repente,
De presente deste-me a solidão.


É poeta,
Que triste fim tivestes!
Brincastes com palavras e versos, 
Falsos e belos amores,
Dominaste o universo,
Mas não fostes o senhor da vida.

Perdoe-me poeta, vou ler seu bilhete,
Aqui esquecido,
Quem sabe estarão aqui suas últimas lamúrias,
De um homem mortificado
Implorando pela vida.

****
“Meu amigo,
Sei que um dia virá visitar-me.
Aqui, talvez, não mais estarei,
Vou vadear pelos caminhos
Que na vida eu trilhei.

O poeta nunca morre,
Espalha-se pelas estrelas.

Estarei nos versos e universos
No sorriso que conquistei
Nas lágrimas emocionadas
Que tantas vezes compartilhei.

 Conquistarei a liberdade
Dos sonhos que são meus
Buscarei em outras paragens
Lugares lindos que desejei.

Serei sério, bandido e romântico!
Estarei no apogeu da carne,
Mais presente que o humano.
E levo daqui a saudade.

Partir-me-ei, oh morte!
Vou sem lhe dizer adeus,
Deixo pra ti, minha inútil carcaça,
E este sombrio lugar
Que de agora, é todo seu.”


TONHO TAVARES
= Amo você =

Os meus olhos em raros momentos
são meus
em todos os outros momentos
são seus
A muito meu coração se foi
sem se despedir
sem eu permitir
Em ti, fez morada

Sou muito eu
quando me permito ser seu.


Tonho Tavares

=Mulher Sonho =

O sono dá lugar ao devaneio...
Vejo o teto e as paredes pintadas
nas cores da solidão.
O silêncio convida-me a vida.

Penso...
Que bom seria chegar louco de saudade
Meu corpo pedindo você
invadir o seu quarto
Hei-la deitada, meio que jogada
pernas parcialmente despidas
Uma bela visão!

vou ao chuveiro
livro-me do duro dia trabalhado
Água escorre pelo meu corpo
Sonho dentro de sonho
enquanto as minhas mãos deslizam pelo meu corpo em espumas
Toda tensão, agruras do dia
Se esvai pelo ralo.
Mente quase vigem
no pensamento só você
Fecho o chuveiro,
embrulho-me em toalha
uso o seu perfume favorito
Beijo suavemente as suas pernas, seus braço se seu rosto,
é tudo que está exposto.
Seus olhos se abrem com um sorriso
Em silêncio, suas mãos passeiam pelo meu rosto
Pelos meus cabelos molhados e desalinhados
seus dedos penetram
Seus lábios convidam-me ao beijo
Eu louco de desejo
entrelaço em seus braços
Você me afaga, me agarra, como uma fera acuada
me ataca apaixonada
Mais uma noite que se foi.
Amar-te-ei minha mulher sonho
Até que se materializar.


Tonho Tavares