segunda-feira, 27 de abril de 2015

    A TRILHA.

Sou a trilha que segue.
Desnorteio, aliso, deslizo e tropeço;
Em quedas, com coragem, reergo-me.
Evolvem-me as cores as adversidades dos amores.
Olhares maliciosos, entre frestas,
fascinam-me.
Não me importa donde devo chegar;
Chegada e saída, com certeza, ficam no mesmo lugar.
Fortaleço-me com as agruras e grosserias
do tempo.
É “Dele” que extraio e absorvo o amor verdadeiro.
Olho para trás, vejo o passado, ele tão real quanto as quimeras.
Sigo em frente, traços e rastros, espalho.
O futuro é uma incógnita
que, atrai-me, aguça os meus desejos.
O materialismo é carga pesada;
O que move-me são os sentimentos.
Fico leve, voo a favor do vento.
Milhares de trilhas se cruzam.
Caminhamos acompanhados por um bom tempo;
Alguns se perdem ou completam o seu destino.
Vou adiante; só Deus sabe onde devo chegar. 



TONHO TAVARES