domingo, 30 de novembro de 2014

                     = Se tu me quiseres =

             

Se tu queres o meu beijo
Faço o teu desejo.
Se tu queres o meu carinho
Buscarei a ti
Para o nosso ninho.
Se tu queres o meu amor
O meu coração eu lhe dou.

Dar-te ei como um acaso
o arrebol da tarde caída
Seremos luz
Seremos vida.

Pintarei os teus olhos
Com o brilho intenso das estrelas.
Nada mais permanecerá imovel.
Nossa vida
Buscará de arrasto
Toda a beleza dos sonhos.

Serei o palco
Onde desfilaram
Com graça
Todos os teus desejos.

Quando a noite fizer muda
Talvez virgem
Talvez pura
Recitarei para ti
Os meus poemas de amor.
Se os teus lábios
De emoção se orvalhar
Atracaremos num longo beijo.

Se tu
Neste lampejo
Realmente me quiseres
Eterno será o nosso amor.

Tonho Tavares
    = O Brilho do amor =

    O barco partiu.
Sonhos? Eu os guardei.
Ao longe vejo a vela trêmula
ao sabor do vento.

Meus olhos se fazem maré cheia.
No peito, o nó da solidão.
A impiedosa distância
meu olhar cega.

Por que tem que ser assim?
As amarras foram frágeis?
A poita foi leve?
O certo é que barco se foi.

Apenas as gaivotas
enfeitam e gritam
fazendo dueto com as ondas do mar.
Eu me atraco com o vazio.

Só, sigo meu caminho.
Ando pela praia, chuto o mar,
grito palavrões.
Eu, cabisbaixo, eu, péssimo, eu, zumbi.

Deito-me sobre as pedras.
O sono vem em meu socorro,
Espantando a solidão.
Ele me traz de presente
os sonhos.
Sonhos que buscam a vida,
Que fazem renascer as esperanças.

Um anjo diferente,
sem asas nem auréola,
enxuga o meu pranto.
Enche-me de encanto e
convida-me em seu barco eu entrar.


Barco, barqueiro e tripulante
quando se amam
não se afastam, nem transpõem sós,
a linha do horizonte.

Juntos navegamos até o fim do mar,
subimos pelas estrelas
e, lá do alto, bem lá do alto,
brilhamos, brilhamos e como brilhamos!
Para o amor nunca ofuscar. 

Tonho Tavares.
        = AMOR MEU =

O amor em mim fez risco
Traçou caminhos
Instalou-se bem quietinho
Neste coração que é meu.

Esparramei-me em versos
Convidei a ti
para um longo beijo
e as caricias, 
numa história sem final.

Conquistaste-me com seu lindo sorriso.
Amar-te por toda a vida
É como um relampejar
É tão rápido
É tão pouco
Diante do amor que por ti, mulher, tenho guardado.

Se muitas vidas eu as tivesse
Em todas elas eu a amaria.
Só Deus sabe quantas e quantas vidas
Eu já vivi!
Asseguro-te, que em todas elas eu te amei.

Encontrando-te agora
No crepúsculo dos meus dias
Que importância faz o tempo
Se terei a ti 
ainda que seja por um dia.

Vejo-te em meus sonhos
Correndo nos campos floridos
Deitando a beira do lago
Nossos corpos, nossos abrigos.

Sinto o cheiro de tua pele
A fina lâmina penetrante do teu olhar
Despindo-me de corpo e alma
Venha logo amor meu
fazer de mim
O teu cantar.

O vento que parte uivante 
Proclama em rima o nosso bem querer
Tombando docilmente a fina ramagem
Balançando as frondosas arvores
em reverencia ao amor
que é seu e meu.  

Tonho Tavares
   = Quando jundos estamos = 


Não estreite o espaço
aperte-me em teu laço
Serei o teu bem querer.

Se quiser-me a contento
se posso, eu não sei!
sou simples, sem traquejo
do real, nada sei.

Sou um inveterado sonhador
adepto do amor.

Se teus carinhos me deres
todas as noites , em teu ninho estarei
Beijar-te-ei a cada amanhecer
flores com certeza lhe darei
com cores e sabores
das manhãs bem amanhecidas

A cada brisa fresca, pintarei
um novo e belo arco iris
caminharemos sobre o ditoso
até o seu tesouro
o amor em nossas vidas.

Tonho tavares
Bom dia, amigos(as)!

    = Noite de amor infindo =

Eu a encontrei...
Era noite.
Não era qualquer noite!
Foi quando o meu coração procurava por abrigo.

Meus lamuriosos escritos
Falavam dos desenganos
Ao crepúsculo, meus poemas tristes
Já não mais sentia o perfume das rosas.

Meu coração regressava de um sonho
Cansado, abatido ultrajado.
Coração solitário é como andante
Vive de migalhas
Não descansa, nem avança
Se perde em qualquer lugar.

Sentindo, sede e fome
O frio congelante
Tornava-o lento, dolorido
Quase morrido.

Ah! Aquela noite...
Que noite!
Você veio em poesia
Sorriso gracioso
Beijou-me ardentemente a alma
Curou meu peito que sangrava
Desfez as cicatrizes
Saciou-me de amor
Deu-me você por abrigo
Mostrou-me os caminhos lindos 
A serem percorridos.

Meus versos
Não mais jorraram lágrimas.

Ah! Aquela noite...
Que noite!

O que vai suceder
Nem os versos revelam.
Acredito saber agora para onde caminhar.
Ainda que nada aconteça
De ti, talvez eu nunca mais esqueça
Sei só, ou só sei,
Que nunca mais estarei sozinho.

Ah! aquela noite...
Que noite!
Noite linda de amor infindo.

Tonho Tavares

sábado, 29 de novembro de 2014

= CANTINHO ENCANTADO =

Acordei-me poesia.
Amanhecia...
O vermelho coloria o céu, onde o sol nascia.
Pensei... não vou me levantar
Vou viajar um pouquinho
Irei ao meu cantinho do encantado.

Fui a casa sua, sonho meu!
Bati à sua porta
Você atendeu-me... Usando um vestido
De estampa discreta, contornando com graça as linhas curvas do seu corpo
Um belo decote, onde exibia o inicio da beleza oculta.
Sem nada dizer, suavemente fui aos beijos
Você de olhos fechados correspondeu-me com ardor.
Peguei-a pelas mãos, saímos para o meu paraíso.
Sentamos a beira da fonte
Com os dedos, acariciei os seus lindos cabelos.
Sua pele sedosa, com a palma de minhas mãos, eu a toquei
Você não dizia nada.
Aqueles brilhantes olhos revelando os desejos seu.
Você abraçou-me com sofreguidão
Seus dedos pressionavam as minhas costas, que delícia!
Meu Deus, que loucura, olhei, só, eu estava em minha cama
Não pude resistir, gritei em alta voz... venha amor meu!
Quem sabe este é um capítulo a ser exibido?


                                                                                                                                   Tonho tavares
= MEU CANTINHO ENCANTADO =

Era noite... deitei-me...
A dor física estava companheira
A solidão acariciava a minha alma
A tristeza, não encontrou abrigo
Sou feliz por natureza.

O sono, não me era presente
Pela janela, a lua se fazia bela
Quão maravilhosas são as noites de inverno!

Não me titubeei, agarrei-me a derradeira estrela
Que descuidada, vagueava defronte a minha janela.

Subimos tão alto, lá por onde as dores não alcançam a felicidade!
Descemos ao norte, não por sorte, bem ao meio do meu cantinho encantado.

Meu Deus!... que beleza!... lá era dia!

Sentei-me a beira da cachoeira
Olhei por todos os lados, estava eu só
Ainda faltava-me o encantado.

Ergui os meus olhos, o céu em sua exuberância, senti próximo a Deus.
Ouvi uma locomotiva antiga, a vapor, apitando lá de trás da mata
Seu barulho foi aumentando, fum...fum...fum... uiiiii... uiiiii...
Chegou o trem!
Nele você estava. linda, cabelos solto ao vento, vestido branco.
Corri como um louco ao seu encontro
Um beijo enlouquecido de desejo levou-me ao encanto
Fum...fum...fum... uiiiiii...uiiii. uiiiii... o trenzinho partiu!
Levando-nos para uma viagem mágica
Onde todos os nossos desejos são realizados.

Abri os meus olhos...
Eu estava feliz por inteiro
Aquela dor doída
Na minha alma, não conseguiu abrigo.


                                                                                                                         Tonho Tavares.
Boa noite a todos! 

      = CORAÇÃO FERIDO =

Voa coração ferido.
Agarre-se aquela nuvem derradeira
Cruze os céus
Procure o seu ninho,
O seu abrigo.

Nem a maravilhosa lua
Que aos poetas inspiram,
Que arranca suspiros nos enamorado,
Até mesmo ela, em total esplendor,
Viaja hoje fria e orgulhosa,
ignorando a minha dor.
 
Disseram-me, que pouco além
Do sol poente,
Vivem os mágicos poetas
Que enlouquecidos de amor
plantam ali, os seus mais lindos versos
Os seus desejos.
Certamente farão
Amenizar a minha dor.

Seus poemas 
Forjado a ferro e fogo,
descreve os seus romances,
seus momentos,
suas paixões viventes e vividas.

Alguns encontraram
Seus amores.
Outros absorveram a suas dores.

Quiçá em seus poemas,
 que ali, não por acaso ficaram,
Eu encontre o balsamo refrescante
 Para minh’alma.

Meu Senhor... Acho que estou “deveras!”
Louco
Cada dia é tão pouco,
A se desacreditar no amor.

Quem sabe no amanhã vindouro
Venha uma chuva de estrelas
Colorindo a vida
Ao repicar no solo
Em aquarela,
Deixe no chão escrito...
“O nome dela”
E a vida sorrindo e a te me revela.


Tonho Tavares

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

     = QUANDO JUNTOS ESTAMOS =

Não estreite o espaço
aperte-me em teu laço
Serei o teu bem querer.

Se quiser-me a contento
se posso, eu não sei!
sou simples, sem traquejo
do real, nada sei.

Sou um inveterado sonhador
adepto do amor.

Se teus carinhos me deres
todas as noites , em teu ninho estarei
Beijar-te-ei a cada amanhecer
flores com certeza lhe darei
com cores e sabores
das manhãs bem amanhecidas

A cada brisa fresca, pintarei
um novo e belo arco Iris
caminharemos sobre o ditoso
até o seu tesouro
o amor em nossas vidas.


Tonho tavares    
             = NOITE DE AMOR INFINDO =

Eu a encontrei...
Era noite.
Não era qualquer noite!
Foi quando o meu coração procurava por abrigo.

Meus lamuriosos escritos
Falavam dos desenganos
Ao crepúsculo, meus poemas tristes
Já não mais sentia o perfume das rosas.

Meu coração regressava de um sonho
Cansado, abatido ultrajado.
Coração solitário é como andante
Vive de migalhas
Não descansa, nem avança
Se perde em qualquer lugar.

Sentindo, sede e fome
O frio congelante
Tornava-o lento, dolorido
Quase morrido.

Ah! Aquela noite...
Que noite!
Você veio em poesia
Sorriso gracioso
Beijou-me ardentemente a alma
Curou meu peito que sangrava
Desfez as cicatrizes
Saciou-me de amor
Deu-me você por abrigo
Mostrou-me os caminhos lindos 
A serem percorridos.

Meus versos
Não mais jorraram lágrimas.

Ah! Aquela noite...
Que noite!

O que vai suceder
Nem os versos revelam.
Acredito saber agora para onde caminhar.
Ainda que nada aconteça
De ti, talvez eu nunca mais esqueça
Sei só, ou só sei,
Que nunca mais estarei sozinho.

Ah! aquela noite...
Que noite!
Noite linda de amor infindo.

Tonho Tavares

Boa tarde a todos!


      = CARTA DE ALFORRIA =

Liberta-me...
Solte os grilhões
que a meu ser
escraviza.
Ouça o meu grito
que a barreira do som
o fez vencido.

Liberdade, liberdade, liberdade...

Sou eu o pequeno servo da vida
Que bebe a beleza das flores silvestres
daquelas que pouco forram vistas ou vendidas.
Sou eu que roubo
O bálsamo aromático
da lua e das estrelas
Banhando-me, deixo que escorra
Pelo meu corpo cansado
Entranha pela pele
perfumando minha alma
trazendo-me um pouco de alento

Liberta-me...
Faz do teu amor
a marreta e a bigorna
Quebre a grossa corrente
Aquela, que o meu coração, há tempos, arrasta.

Venha amor!
Procrastinando assistiremos
o envelhecer dos sonhos.
O tempo se alimenta dos nossos dias
faminto, ele rapidamente nos consome.
Tire-me desta masmorra fria
Dê-me, do teu calor, a alegria
O teu coração
Com certeza
Será ele
a minha carta de alforria.


Tonhotavares
Boa tarde amigos!

           = MULHER SONHO =       
     
O sono dá lugar aos devaneios...
Vejo o teto e as paredes pintadas
nas cores da solidão.
O silêncio convida-me a vida.

Penso...
Que bom seria chegar louco de saudade
Meu corpo pedindo você
invadir o seu quarto
Hei-la deitada, meio que jogada
pernas parcialmente despidas
Uma bela visão!

Vou ao chuveiro
livro-me do duro dia trabalhado
Água escorre pelo meu corpo
Sonho enquanto as minhas mãos deslizam pelo meu corpo em espumas
Toda tensão, angrurias do dia
Se esvai pelo ralo.
Mente quase vigem
no pensamento só você
Fecho o chuveiro,
embrulho-me em toalha
uso o seu perfume favorito
Beijo suavemente as suas pernas, seus braço se seu rosto,
é tudo que está exposto.
Seus olhos se abrem com um sorriso
Em silêncio, suas mãos passeiam pelo meu rosto
Pelos meus cabelos molhados e desalinhados
seus dedos penetram
Seus lábios me convidam ao beijo
Eu louco de desejo
entrelaço em seus braços
Você me afaga me agarra, como uma fera acuada
me ataca apaixonada
Mais uma noite que se foi.
Amar-te-ei minha mulher sonho
Até que se materializar.


Tonho Tavares

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

  = SONHO E NADA MAIS =

E a luz penetrou em meu quarto.
Acariciou meu corpo
A lua, por sutileza, por entre as nuvens
Escondeu-se.

Fiz-me vento.
Varri nuvens, poli as estrelas
Brinquei de esconde, esconde, com a lua
Gaiteei com os anjos.
Viajei pelas mais lindas paisagens.
Com as sereias explorei
As profundezas do oceano.

Bebi água, da mais límpida,
Das fontes.
Colhi com os meus olhos,
Das mais raras, as mais singelas
das flores.
Visitei o lago, cujas águas
Exibiam as estrelas e a majestosa lua,
Tal e qual uma bela tela pintada.
Subi a colina,
Bem no topo do mundo
Gritei o seu nome.
Viestes em meu socorro
Como brisa fria da madrugada,
No meu peito atracou-se
Afastando-me da solidão.
Abri os meus olhos
Beijei a sua foto que ao meu lado sorria.
Tu és a luz, que me envolve,
Que me aquece,
Que me arranca sorrisos,
Quando me sinto na solidão.
Meus olhos se alagam
Tudo é saudade.
Sou real, todo seu,
Você é sonho, todo meu.


Tonho Tavares
= NOITE =

Mais uma noite se foi
Não foi qualquer noite!
Noite de divagações
de procuras e reencontro.
Insana não é à distância
nem a saudade.
Talvez a vida, quem sabe?

Minhas verdades eu as escrevo a lápis
Estou sempre pronto a reescrevê-las.

Como é grande o amanhã!
Tantos projetos e sonhos
Transportei para ele.

O sonho  partiu com meu coração e minha alma
Foram do céu até  inferno.
No céu,  o calor dos seus beijos
do seu corpo, mulher sonhada.
No inferno, assistiu a sua partida
antes mesmo da chegar.

Tenho medo dos sonhos meus!
Ele, juízo não tem.
Voa muito alto, tão alto
Que se perde da razão.
Quando retorna
devolve minha alma e o meu coração
nunca virgens, doido, com cicatrizes
Não sei bem o por quê
eles sempre existem
com o sonho permanecer.


Tonho
  = BEIJOS MOLHADOS =

Vamos correr na chuva
Beijar molhado
Chegar à casa ensopado
Brincar sério de amar.

Na banheira,
Farei massagem em teus pés
Sentirá que é das mulheres,
a mais amada.

Que importa agora
O mundo lá fora
Se a minha vida é você.

Branco em espuma o teu corpo
Fazendo-me quase um louco
desejoso de você.

As minhas mãos eu as lhe darei
Levantando-a vejo este seu corpo
que a água contorna.
Não resisto...
Dar-te-ei
um abraço espumado,
de beijos e pecado,
Nós dois, eternos namorados.


Tonho Tavares

= MENESTREL =

Quando a noite em tormento
Atroz doído sentimento
Faço-me menestrel.

Canto
Recito versos
Arranco sorriso
Busco amor.
Dos meus sonhos-sentimentos
sou eu, o cultor.


Tonhotavares    
= VELHO SONHADOR =

Em meus braços, quero tê-la.
Aos seus ouvidos, sussurrarei versos .
  Em seu rosto, os meus lábios farão rastros,
Buscarei o caminho da sua boca.
Trêmulos sedentos,
Os seus lábios
Eu beijarei.

Venha a mim, felicidade!
A minha alma
Entorpecida de amor
Busca a poesia.

Vejo-te em cada estrofe
Seu sorriso está nos verso,
Adormeço contigo em “Fascinação”
“Os sonhos mais lindos, sonhei...”
Procuro na rosa, mas...
“As rosas não falam, simplesmente exalam,
O perfume que roubam de ti...”
Encontro-te em “Detalhes”
“Detalhes tão pequenos entre nós dois,
São coisas muito grande para esquecer...”
Acordo-me em sonhos,
Numa “Viagem”
“Oh, tristeza me desculpe, estou de malas prontas,
Hoje a poesia, veio ao meu encontro,
Já raiou o dia, vamos viajar”
O preço da felicidade é a busca.
Perdoe-me...
Sou apenas um velho sonhador.


  Tonho Tavares

= UM POUQUINHO DE VOCÊ =

Quisera eu, dos seus sonhos, ser o senhor.
Ter a tua rede, da tua cama
Ter ainda que a metade.

Quero-te!
Mesmo que não me sejas por inteiro.
Dê-me, o seu sorriso, o seu olhar,
O seu anoitecer,
O despertar.

Dê-me um pouco dos seus carinhos,
Leve-me à metade do seu ninho,
Nas asas do amor, entrelaçaremos.
Você a metade, eu por inteiro.

Do jardim, cultivaremos juntos,
As duas metades,
Colheremos duas flores
São elas  para ti.

Dois pratos, dois copos,
Intenções diversas.

No momento da paixão,
Serei todo seu.
Eu,
Carente, ardente, frágil,
Confesso a ti.
Esqueceremos as metades
Seremos muitos
Em uma só identidade.


Tonho Tavares
    = VELHO-MENINO =

Sou a mistura de velho e menino.
Na fraqueza, tornei-me forte.
Busco a seriedade
Do palhaço.
Sou
Vagabundo e cavalheiro.

Navego em diferentes mundos,
Brinco com os sonhos.

Serei muitos,
Na imensa honestidade do ser.

Brinco de amor, amando.
Sinto-me grande, na pequenez
Da minha existência.

Estudo? Apenas o da alma
Tornei-me pescador
Das emoções.

Perdoe-me se me faço iludir
Como escritor-poeta,
Sou como a criança que brinca,
De astronauta, motorista, policial,
  Peão...etc.  

É brincando de escrever
Que minha alma se alegra,
Com a ilusão de velho-criança,
Minha vida se faz completa.


 Tonho Tavares.
= PARAISO DOS SONHOS =

Quero uma casa, bem longe!
Perto do lago e do riacho
Onde é virgem a natureza
Um encanto de paisagem.

Não é preciso uma grande casa
Pode ser bem pequenina
Basta que nela caiba
Você e eu, linda menina.

Acordaremos nas manhas em festa
Cantorias de pássaros em revoada
Lindas flores silvestres
No sereno das manhas raiadas.

De manhazinha de mãos dadas
Visitaremos  aquele belo jardim
Que por Deus fora construído
Presenteado a você por mim.

Tomaremos café do bule
Se possível, esmaltado
Passado em coador de pano
Para você mulher amada.

Quando chegar à tardinha
No derradeiro vôo das garças
Sentaremos em um troco juntinho
Vendo o sol se por lá na mata.

Penetrarei no mais profundo de seu ser
Poemas para você estarei a escrever
Não tem nada mais sublime
Que o amor que tenho por você.

A cama a nossa espera
Tão simples tão singela
Alvos lençóis que nos revelam
A pureza do nosso amor.

Na cama você já deitada
Na ternura que é toda sua
Convidando-me aos longos beijos
E a minha alma será só sua.


Tonhotavares

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

          = O BRILHO DO AMOR =

Você é luz
que norteia, clareia
me faz suspirar.

Coração apaixonado
no peito se inspira.

Quero ser de você amor
o fino cristal
o cálice do vinho mais caro
que brinda os sonho
embriaga de desejo.
Em todo o  teu corpo
as delicias do beijo.

Os percalços que por acaso surgirem
caíram como folhas de outono.
O amor só termina
quando pequeno ele for.

Se o Ele não ilumina
com certeza, não é amor.


Tonho Tavares          

       = CORAÇÃO A DERIVA =

Retirei o meu coração do peito
Em uma caixa linda, toda enfeitada
eu o coloquei.
com um belo papel de presente
o embrulhei.
Com fita colorida
dei um laço
de tão belo o presente
se tornou encantado.

Em um pequeno barco eu o prendi
a deriva no rio soltei.
Com o passar de alguns anos
o papel amarelou
molhou, rasgou
A pobre caixinha
muito feia ficou.

Parou em varias praias e portos
muitos viram ninguém a tocou
em meu peito ficou um vazio
nada no mundo mais me alegrou.

A caixa se desfez com o tempo
o barco se afundou
Sorte que uma sereia
o meu coração salvou.

Ela lhe deu carinho
no calor de seu corpo
ela o aconchegou
Por mais que eu o desejasse
de volta
para mim, ele nunca mais retornou.


Tonho Tavare
      = O BRILHO DO AMOR =

Você é luz
que norteia, clareia
me faz suspirar.

Coração apaixonado
no peito se inspira.

Quero ser de você amor
o fino cristal
o cálice do vinho mais caro
que brinda os sonho
embriaga de desejo.
Em todo o  teu corpo
as delicias do beijo.

Os percalços que por acaso surgirem
caíram como folhas de outono.
O amor só termina
quando pequeno ele for.

Se o Ele não ilumina
com certeza, não é amor. 

Tonho Tavares

     = MEU SONHO COM VOCÊ =

Em meu sonho eu a encontrei.
Você estava linda!
Displicente,
sorria para mim.

Eu, de pés descalços,
sem camisa, barba por fazer, corpo suado.
Meus cabelos grisalhos
desalinhados ao vento.

Tímido, sem saber o que fazer,
abaixei o meu olhar.
Senti-me, tão pequeno, tão ninguém.
Entristecido, sentei-me a beira do caminho.

Minhas lágrimas não tardaram a rolar.
Você elegantemente se aproximava.
Eu queria, correr, correr,
até a exaustão.

Seus dedos delicadamente tocaram o meu queixo,
erguendo a minha cabeça.
Roçou os teus lábios sobre os meus.
Abraçou o meu corpo suado.
Enxugou minhas lágrimas com beijos.

Um lindo acorde de violino se fez ouvir.
Os pássaros e insetos se silenciaram.
Foi mágico!
O momento era só nosso.

Tonho Tavares
BOM DIA A TODOS!

      = AMOR SONHADOR =

Coração, por favor
Faça silêncio!
Não vê que estou a sonhar!
Sei que guardaste tanto amor
Quero que os meus sonhos os levem
Para outro lugar.

Sabe, coração meu
que de amor também se morre!
Deixe que os meus sonhos o leve
Quem sabe terei lá melhor sorte.

Disseram-me que em algum lugar
Alguém padece por amor
Vá meus sonhos, seja sutil e cavalheiro
Que sabe que eu seja teu amor verdadeiro.


Tonhotavares

terça-feira, 25 de novembro de 2014

= TEU CORPO =

Buscarei o teu corpo
como quem desvenda mistério
chegarei a cada curva
com meu corpo em doce anelo.

Meus olhos fitam os teus
procurando o melhor caminho
minhas mãos se atrevem e antecedem
ao meu corpo enlouquecido.

Farei dos teus lábios o regato
que a minha sede sacia
neles esta o mapa
que teu corpo anuncia.

Venha minha amada
minha amiga
minha amante
vamos viver varias vidas
a cada pequeno instante.

Se o teu descobridor
fizer-me ser
desvendar-te-ei em minúcias
realizando todos os desejos teus.

Roubarei por amor e encanto
o teu corpo e tua alma
que deixarão de ser teus
serás a prisioneira
cativa do amor meu.

Tonho Tavar