segunda-feira, 29 de setembro de 2014

           = MINHAS MÃOS =

Mulher amada...
Toque as minhas mãos
Ousa o que “Elas” dizem...
Não as julgue pela aparência
calejadas, até mesmo maltratadas.
São capazes de revelar minha caminhada através do tempo.

Foram forjadas ou moldadas pelos anos já vividos
Não conheceram a maciez
da fina pele dos homens, pelo dinheiro, enriquecidos.

Quando estão “Elas”, ao comando do corpo
são duras como a rocha
funcional como uma máquina
capazes de transportar, moldar, criar, ou apenas auxiliar.

Não as julguem...

Quando são manuseadas pelo coração
podem ser suaves como a brisa.
habilidosas, carinhosas, levando-te ao delírio.

São “Elas” que escrevem as belas coisas da vida
Adoram enluarar-se, sentir o sopro macio da brisa
ofertar flores
 carregar-te para cama
percorrer todo o teu corpo.
Ficam leves, suaves, tal e qual uma pluma.

Elas também registram os versos,
Que em minha alma repousam.
A cada calo, cicatrizes , que permanecem
muito me orgulho!
São “Elas” as minhas companheiras
tanto na aspereza da pedra
quanto no deleite do teu corpo, mulher
nas nossas noites de amor.


Tonho Tavares.
           = SONHADOR =    
Ola!!!
Permita-me conduzi-la?
Levar-te-ei aos mais lindos lugares que reservei para ti.
É tão lindo, que só é visto a dois.

Dê-me as tuas mãos...
O caminho é longo.
Tão longo quanto à vida.
Verdadeiro como o olhar apaixonado
Sólido como o beijo.

Na partida...
Recitarei a ti
um verso de amor.
Se em tua alma, eu sentir o arrepio
E o meu corpo for apertado contra o teu
Carregar-te-ei em meus braços
Até a verde campina do amor.

Em verde relva, adornada de flores
Na sombra fresca do ipê
Acariciarei o teu corpo
Esparramarei beijos miúdos pelo teu rosto
Contemplarei os olhinhos teus
 se fechando, como o mais lindo por do sol.

Prosseguindo...
 A noite já chegada
Buscaremos o ponto mais alto do mundo
Seremos, eu ,tu e a lua
Falar o quê?
Os nossos corações falaram por nós.

Cantaremos em dueto uma canção seresteira
A lua, com teus lindos raios prateados, abençoará as nossas vidas.

Se ainda permitir-me, adentraremos em minha alcova
Ali, a lua fará a tua despedida.
Será uma noite inesquecível de amor.
Perdoe-me...
Sou em parte, desejos
O todo, quem sabe..?
Um maluco sonhador.


Tonho Tavares.

sábado, 27 de setembro de 2014

                  = A FLOR E O CAMINHEIRO =          

Linda flor a beira do caminho
Por entre pedras, pó da estrada e espinhos
Sem amor e sem carinho.
Donde vem tal beleza?

Quisera eu plantá-la em terra nova
De esterco farto
Fofinho
Tal e qual, do passarinho, o ninho.

Deixar-te ao abandono
É tão triste!
Colhe-te, é tão forte!
Indo em frente...
Quiçá...
Condeno a tua beleza, à morte.

_Diz-me, senhora dos encantos...
Eu, pequeno, para tal dilema...
Ao contemplá-la, já nem sei se é privilegio
Ou se a ti, sinto a dor da sua triste sorte?

_ Olá, amigo caminheiro,
Que em teus olhos desfilo-me por inteira
Cabe a ti o meu destino...
Colher-me ou transporta-me para o teu jardim.

Saiba, meu gentil amigo
Que não sou daqui, um mero acaso
Permanecendo, naturalmente, parecerá a minha beleza
Esparramar-me-ei em sementes
Formando, ao sorriso de Deus, o canteiro.

Sou como tantos de ti, amado caminheiro
 Que por este mundo rude nascestes
Trazendo consigo, em tuas almas, tamanha beleza
Que inspira os povos e a natureza.

Somos da terra o fruto
Após o desabrochar das flores
Não importa o terreno nascido
Somos por excelência
Por Deus, do amor cativo.

Vá em paz meu amigo...
Meu ciclo já se faz vencido
Em breve serei mil flores
Verás que jamais estive esquecida.

Contemple, ame, regue...
Busque na vida, toda beleza que há.
Terás sempre um lugar mais bonito
Se a vida, você aprender cultivar.

Que nasci em terreno bruto
É um fato que não escolhi
Perguntaste-me pela minha beleza
Tudo isto encontrei daqui.


Tonho Tavares.

=VOZ DO VENTO=


Oh! Vento que sopra
Sussurrante.
Palavras que se amontoam
 Confusas se fundem.
Faz-me ouvir
Seus abrolhos.

Das longínquas paragens,
Experiências me trazes. 
Nos galhos que tombam,
O mar que agita.
 Trás consigo
O gaitear
Contagiante.
Torna-se singular,
  A cada instante.

Não pede
Nem despede.
E o senhorio
Arquiteto da natureza,
Silencia e se acalma,
Rumando ao infinito.



Tonho Tavares
          = Para Você =

Empresta-me...
...o teu sorriso
...os teus carinhos
...os teus braços, abraços
...o teu corpo e coração
Por um tempo sem final?

Dar-te-ei por troca...
Milhares de beijos molhados
Levarei o teu café da manha
Na cama
Com flores e beijos
E muitos desejos.

Iremos juntos ao chuveiro
Revestindo-nos em louco desejo
Num ritual santo e profano
Numa  total entrega.

Juntos, viajaremos nas asas insaciáveis da paixão
Repousaremos no ninho do amor
Onde tudo se permite
E a alma fica cativa.

Empresta-me?
E eu me doarei por inteiro.


Tonho tavares  
                 = SONHO A DOIS =

Hei...
Espere-me!
Deixe que em seus sonhos eu venha navegar.
Sonhar é percorrer um longo caminho...
Não devemos embarcar sozinho
Podemos, num vacilo, nos atracar no porto das desilusões.

Sonhar é...
A arte de buscar, em mansos caminhos, a felicidade
É desafiar o impossível, amar, amar e tornar amar.
É transpor barreiras, encurtar distancia, desbravar todas as fronteiras
Mesmo em dúvida, acreditar.

Quando se ama, sonha em dueto
Colhe uma rosa todos os dias
Mesmo que se machuque em seus espinhos
Para o seu amor enfeitar.

Hei...
Quem sabe nossos sonhos sejam o mesmo?
Eles não devem se ocultar em desejos
Sonhos de amor nunca podem silenciar.


Tonho Tavares.


                =  A CAMINHADA =

Na simplicidade da vida
perco-me em minha complexidade.
Nasce o dia, vem a noite,
Coragem, dúvidas, certezas e medos
Sou eu orquestrando o meu enredo.

Do amor, risco uma longa trilha
Vou em frente
Contorno, adorno, contemplo, atento enfrento.
Sou eu compreendendo o sofrimento.

O amor segue em trilha...
Nos intempéries do tempo, me agüento,
Às vezes apressado, outras, a passos lentos
Sou eu buscando entendimento.

No pó da estrada
Lacrimejam os meus olhos
No coração, o silêncio e a mansidão
Sou eu, cultivando o amor no coração.

Sem dúvidas, continuo na mesma estrada
Paro e acolho aqueles que se perderam em sua caminhada
Alivio as suas feridas, e juntos, convido-os a ir adiante
Sou o eu humano, irmanado a toda gente.

Tenho sede e fome, sacia-me a humanidade
Busco em ti a compreensão, e quem sabe, a caridade!
Eu, a contento, entrego-me por inteiro
Sou eu, buscando a humildade, está pedra rara, tal e qual um garimpeiro.

Sou apenas um dos milhares de viandantes
 Que nesta trilha segue constante
Caminhando lado a lado com amor
Somos nós, guiados pelo Nosso Salvador.


Tonho Tavares.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

        =  SEREI SEMPRE APAIXONADO =

     Ah! 
Estes meus lábios insaciáveis
que enxistem em roubar-te
todos os beijos.
Este meu corpo que se consome
na ardencia
possuido pelo desejo
busca a ti
minha mulher amada.

Tu bem sabés
minha fêmea adorada
o "eu"
seu macho homem
que vive a espreita
de ti
minha fêmea mulher
senhora de meus pecados.

Quero a ti
sem reservas
sem pudores
numa sofreguidão constante
no entrelaçar de nossos corpos
por onde as mãos mapeiam.

Serei smpre um sonhador inveterado
bicho homem
eterno apaixonado.
Não me importa muito o que sou...
serei sempre 
o Tonho que deseja ser amado.

Tonho Tavares.
 = Mulher sonhada =

Não é preciso de um milhão de desejos...
Milhares de beijos...
Para sentir o quanto eu te amo.

Mesmo que...
As nuvens escuras
Oculte o sol em sua exuberância...
Que as estrelas, (por desencanto), desnudem dos seus brilhos...
E as longas madrugadas padecidas em lágrimas marcarem presença...
E as manhãs mal amanhecidas despertarem sem flores...
Ainda assim eu a amaria.

Para você...
Poliria a cada uma das estrelas
Retirando delas os seus mais lindos brilhos.
Pintaria o céu com as cores do arco-íris.
Desenharia o sol em seu poente
Desvairando por detrás do mar.
Faria de todas as madrugadas fagueiras.
Plantaria as mais lindas flores debaixo de sua janela
Dentre todas você seria a mais bela.

Quem sabe um dia
Numa breve momento
Eu, de amor sedento
Declamarei para você estes versos.
Venha meu amor sonhado
Farei de te a minha mulher amada.

Tonhotavares
Bom dia a todos!  
Estou selecionandao 100 poesias para o livro, espero que vocês venham a gostar. Beijos em cada coração. 

.                            = Amor meu =

O amor
traçou caminhos
Instalou-se bem quietinho
Neste coração meu.

Esparramei-me em versos
Convidei a ti
para um longo beijo
Para as caricias, certamente junto aos desejos
Numa história sem final.

Conquistaste-me com teu lindo sorriso.
Amar-te por toda a vida
É como um relâmpagar
É tão rápido
É tão pouco
Diante do amor que por ti, mulher, tenho guardado.

Se muitas vidas eu tivesse
Em todas elas amar-te-ia.
Só Deus sabe quantas e quantas vidas
Eu já vivi
Asseguro-te, que em todas elas eu te amei.

Encontrando-te agora
No crepúsculo dos meus dias
Que importância faz o tempo que passou
Se tenho-te por este dia.

Vejo-te em meus sonhos
Correndo nos campos floridos
Deitando a beira do lago
Nossos corpos, nossos abrigos.

Sinto o cheiro da tua pele
A fina lâmina penetrante do teu olhar
Despindo-me de corpo e alma
Venha logo amor meu
Fazer de mim
O teu cantar.

O vento que parte uivante 
Proclama em rima o nosso bem querer
Tombando docilmente a fina ramagem
Balançando as frondosas arvores
Em reverencia ao nosso amor.  

Tonho Tavares

terça-feira, 23 de setembro de 2014

        = EM BUCA DO AMOR =

Deite-se em meu colo,
Deixe-me fazê-la criança.
Cantarei, recitarei os mais belos versos.
Perdoe-me se, num cochilo ou descuido,
Os teus lábios eu beijar.

O amor quando é puro
traz consigo um coral e anjos.
Com harpas e banjos,
faz nascer, em tom suave,
a mais bela sinfonia.

Em meu colo,
você,
de olhos fechados,
lábios molhados,
coração em chamas,
me chama,
às carícias do amor.

Juntos,
o céu e a terra se uniram.
O vento e o tempo,
como grandes anfitriões do amor,
sussurrarão em nossos ouvidos.

Não me perderei em devaneios.
Preciso urgentemente dos seus beijos,
do seu toque, dos seus anseios.
Serei tudo e mais,
quando o seu coração eu ganhar.


Tonho Tavares
                  = ENTREGUEI-ME A VOCÊ =

Meus soluços calaram-se...
Calaram porque...
Descobri que quando fui feliz
Existiam estrelas de belezas raras
Lua que encantavam as noites dos enamorados.
Raios de sol dourado, que aqueciam-me o corpo
dando um belo colorido as matas.
Que as manhãs ainda eram raiadas.
Que o por do sol, não traduzia tristeza
Mas, a esperança de um novo amanhecer.
Reencontrei-me com a beleza da vida.
Descobri que em meus lábios
ainda existiam sorrisos.
Que os meus sonhos jamais poderiam ser esquecidos.
Que os beijos, ainda eram
uma enorme fonte dos desejos.
Que a cama continuava aquecida, ardente.
 O meu corpo, não era apenas um porta retrato de minh’alma mas, com certeza, um convite ao prazer.
Mediante a tal metamorfose
Não me fiz de rogado
Dei-me por vencido
Entreguei-me de corpo e alma a você
Meu sonho, minha musa, meu bem querer.



Tonho Tavares.

                     = Mulher sonhada =

Não é preciso de um milhão de desejos...
Milhares de beijos...
Para sentir o quanto eu te amo.

Mesmo que...
As nuvens escuras
Oculte o sol em sua exuberância...
Que as estrelas, (por desencanto), desnudem dos seus brilhos...
E as longas madrugadas padecidas em lágrimas marcarem presença...
E as manhãs mal amanhecidas despertarem sem flores...
Ainda assim eu a amaria.

Para você...
Poliria a cada uma das estrelas
Retirando delas os seus mais lindos brilhos.
Pintaria o céu com as cores do arco-íris.
Desenharia o sol em seu poente
Desvairando por detrás do mar.
Faria de todas as madrugadas fagueiras.
Plantaria as mais lindas flores debaixo de sua janela
Dentre todas você seria a mais bela.

Quem sabe um dia
Numa breve momento
Eu, de amor sedento
Declamarei para você estes versos.
Venha meu amor sonhado
Farei de te a minha mulher amada.

Tonhotavares

sábado, 20 de setembro de 2014

                = Louco sonhador =

  Serei eu um louco?
Talvez... 
Quem sabe!
Quando te amo...
Pensando em ti
sou fácil, frágil
envio-te flores
buscando, pelo menos, um único sorriso teu.

Adentro-me nas matas
Estendo os olhos
colho as mais lindas paisagens
Sensibilidade aguçada e a flor da pele...
Choro!

Imagino teu corpo sensual
Sem igual
Surgindo das águas sonoras da cachoeira.
Tu, vestida em branco
molhada,  na transparência
atrevida, o teu corpo denúncia.
Curvas sinuosas que o meu corpo excita.
Rosto, braços e pernas
revestida pela nua pele
salpicadas de gotas, muitas gotas d'água
ornamentando-te,  que ao sol cintila.
Teus olhos umedecidos
brilhando de desejos...
Teus lábios sensualmente entreabertos...
Sonho, sonhos, são meus sonhos e desejos.

Serei eu um louco?
Talvez um pouco!
Estaria eu muito mais louco
Se dos sonhos
não me restassem
nem mesmo um pouco.

Tonho Tavares 
         = CAMINHOS PERCORRIDOS =

   Tanto andei...
Meus pés calejados pediam arrego
Meu corpo trazem as marcas do tempo.
Meus cabelos traduzem a cor da bandeira da paz.
Sou um misto dos deuses
Com uma pitada acentuada do diabo.
Sobrevivi!
De pé, andei boa parte da vida
Muito me arrastei para ir adiante.
Sou um pouco de cada momento
Aprendi o bem
O mal, eu fiz calar com o tempo.
Cresci, sonhei, vi as sementes virarem arvores
As arvores se enfeitarem em flores
As flores em frutos
Tornando novas sementes.
Deste ciclo sou parte.
Meu destino é desconhecido
Muitas frutas deliciosas saboreei
Outras amargas, o mundo empurrou
Goela a baixo
Em sonhos viajando
Fiz-me o homem talvez amado.
Em meu quarto das lembranças
Expus os meus mais lindos quadros
Os menos aplausíveis
Na sala, bem na entrada
O que tenho para andar
Talvez seja pouco
Ou quase nada.
Tudo eu mereci, vale a pena viver!


Tonho Tavares

Toninhotav@hotmail.com
           = FORÇA DO AMOR =

 Vidas que por amor
vagueiam.
Nem sempre em flores
sementes semeiam.

O amor é mais forte que o vento
atravessa a pele
a carne
toma de assalto o corpo
e a alma incendeia.

Quisera eu ser feliz
sem o padecer do amor.
Privilegio...
Presunção...
Coração doído
já machucado.

Vida boa sem amor...
É como um cofre sem dinheiro.
É um jardim sem flores.
É  um arco-iris de uma só cor.

Sem amor eu me perco...
Sou eu uma encruzilhada sem seguimento.
Um sorriso com lágrimas.
O suspiro do mar
no abandono da madrugada.


Tonhotavares

       = VAMOS AMOR =

Vamos sair por aí...
Ouvir músicas
Dançar
Ir ao cinema
Quem sabe...
Sairmos a esmo.

Iremos de carro pelas estradas
Chegaremos ao ponto mais alto da serra
Contemplaremos, em sua exuberância, a lua cheia
Surgindo por de trás das frondosas arvores.
Sob a luz do luar beijaremos de olhos aberto.
Faremos amor ali mesmo, se assim você desejar
Ou simplesmente, quem sabe, você em meu colo sentada
Braços contornando o meu pescoço
Eu, em sua cintura abraçado
Sussurrarei em seu ouvido
Uma canção de amor.

Se dos mesmos sonhos você compartilhar
Dividirei com você o meu cantinho encantado.


Tonho Tavares.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

                 = HOJE EM PENSAMENTOS =

Por favor, não queira moldar-me!
Nem mesmo mudar-me.
Sou o que sou
Pedra dura polindo ao tempo.

Nasci livre
Imperfeito e com alguns acertos
Sou imutável, como imutável é o amor.

Do amor, eu não trouxe a sua beleza
Desfruto das suas inesgotáveis riquezas
Tenho sede de amar.

Amo a vida
As pessoas
A natureza
Os animais

Sou virtude
sou defeito
sou feito e desfeito
Sou um ser humano perfeito.

Na felicidade, sou livre, como livre é o condor
Canto, solfejo, assobio, grito
Sou suave como o silêncio.

Nas tristezas...
Tristeza... Acho que não a conheço
Talvez, momentos diferentes
Onde eu choro, oro,
Em Deus e nos amigos me consolo.

Viver em você...
É viver dupla alegria
São as minhas e as suas
é viver em harmonia.

Seus problemas, sua cruz, seu calvário
Dividimos o peso na caminhada
Tornando-se suportável a escalada.

Felicidade é como flores em meio as pedras
Só as contemplam, aqueles que sabem procurá-las.

Amo vocês mulheres
Fêmeas adoradas, que devem sempre ser amadas...
A cada amanhecer
Ao anoitecer
Ao contemplar das estrelas, da lua...
Nas noites frias de inverno
Amar a cada momento
É tão forte, é tão mágico.

Você que sabe amar com os olhos
Encanta-me
Encontro neles, a chamada do amor.

Amo você...
Que segura as minhas mão
Que desliza os lábios pelo meu rosto
Que abraça-me com sabor de mil desejos
E trás no beijo todo encanto dos sonhos.

Amar você a cada momento
Nas noites cálidas de amor infindo
Ou simplesmente, amar, amar e amar.


Cultive-me com carinho
E colherá as mais lindas flores.
Mas por favor...
Não me molde
Nem mesmo me mude
Se isto acontecer, com certeza
Terei o meu “Eu” em pedaços. 

Tonhotavares
                 = VAMOS DANÇAR =

Irei buscá-la à noite
Estarei leve como um sonho
Nas mãos, uma rosa em botão
No rosto, um sorriso das manhãs de primavera.

Não lhe direi o quanto a amo.
O amor exalante da minha pele
E o brilho do meu olhar
Irão de encontro aos mais profundos dos teus desejos.

 Sem palavras, dar-te-ei um longo beijo.
Pelas mãos, eu a tomarei
Até o grande salão iluminado pela lua
Adornado por lindas estrelas
Algumas cadentes riscam o cenário
Numa beleza sem igual.
Um violino tímido
Entoará uma valsa de Strauss
Uma grande orquestra
Surgirá como por encanto
Tomando parte do encantado
Momento.
Dançaremos como lordes
Final da noite
De volta a casa
Tudo na maior perfeição.
Na alcova
Sem requinte, sem glamour
Sem orquestra, sem lua e estrelas
Na penumbra do quarto
Roupas ao chão
Cama em desalinho
Nossos corpos suados
De excitação, enlouquecidos.
Momentos de pura paixão.


Tonho tavares.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

         = Quero você =

Quero você, 
minha flor viçosa,
que um dia, faceira e prosa,
cresceu em meu jardim.

No lirismo do anelo,
será sempre a mais bela
e, em mim, impera
seu perfume de jasmim.

Serei o seu paraíso.
Meu amor é sem juízo,
cresce e brota sem perguntas
maltratado-me o coração.

Se um dia me quiseres,
por favor, não se revele,
sentirei na própria pele,
o amor que vem de ti.

Buscarei para o meu leito,
Terá do amor
o mais perfeito
que guardei pra ti.

Deixe-me ser o teu amante,
será sempre uma constante...
noites lindas de paixão!

Tonho Tavares
                      = AMOR ATREVIDO =    

            
Veio pedir o meu amor?
Por favor... Pense bem!
Dele, não tenho nada a me orgulhar.
É muito atrevido, ele agarrara, afaga
e faz coisas que até Deus duvida.

Adora dar flores, dizendo-as “compradas”
Vai saber...
Invade o céu com um grande cesto,
colhe estrelas,
apanha sem permissão os raios da lua
e lhe entrega fazendo-se poeta.
É passageiro clandestino
que viaja às escondidas nas asas do sonho.
É ele, o exímio penetra
Rouba a alma
E como sem-teto
Apossa-se do seu coração.

Se o levar, vai se arrepender!
Sossego não mais terá.
Roubará a suas roupas
Derramará o teu suor,
Fará você gemer de prazer.

E para terminar, pense mais uma vez, 
Ainda é tempo de desistir!
Ele adora atacar de madrugada...
Anestesia a sua alma,
enquanto você dorme
E rouba o seu corpo.

Se mesmo assim, depois de tantos defeitos
eu ter-lhe contado,
Ainda assim o quiser, lamento, 
mas o que posso lhe dizer?

Vocês se merecem!
   
  Tonho Tavares
             = EU A SUA ESPERA =

Estou calado,
Quase mudo,
Não mudado.

Meu coração a espreita
Silencioso, quase imperceptível.
Ele teme assustar os sonhos.

Vieram-me as estrelas, a lua
Revelaram-me, como boas fofoqueiras,
Que alguém, em algum lugar,
Pensa em mim.

Pedi aos sonhos,
Viajor dos desejos,
Que trouxesse...
...Quem sabe hoje,
...Ou quem sabe agora,
Ela, inteirinha para mim!

Venha amor meu!
Por você até as flores clamam 
Meu corpo permanece em chamas
A espera de você!

Quero-te... 
Ainda que seja em meu sono,
Trazida pelas mãos dos sonhos,
Fazendo de mim... 
o seu amor verdadeiro!

Tonhotavares
        = EMBARCANDO EM SONHOS =

O sol bateu à minha janela.
O vento, como bom anfitrião,
A cortina abriu.
Seus raios esparramaram-se pelo chão,
Subiram em minha cama,
Convidando-me à vida.

Recostei-me na cabeceira do catre.
O linho branco envolvia meu corpo nu.
Senti-me só...!
Meus olhos embarcaram
Na locomotiva dos sonhos.
Coração e alma desprenderam-se
Do meu corpo numa viagem encantada.

Boa noite! 
Posso me sentar?
Obrigado. Está só?
Viestes neste trem ou já estava a me esperar?
O que quer tomar?
Não me diga que servem aqui...
Taças de 'amor à primeira vista'?

Pedirei ao garçom um buquê de copos-de-leite,
Quero enfeitar o nosso dia.

Permita-me esta dança?
Maestro, por favor, um bolero.
Gosta de poesias?
Quem sou eu? 
Sou o tudo em pedaços,
Sem corpo, sou alma, olhos e coração
Sou o sonho que o sol enviou...
Quer um beijo?
Terá todos até a triste partida.
Quando voltarei?
Todas as vezes
que a saudade for sonhada.

Tonho Tavares

    = AMOR SEM FINAL =

Não espero que você venha em brilhos de estelas
Nem tão pouco em raios de luar
Seu brilho é mais que todos os brilhos
Pois consegue a minh’alma iluminar.

Com magia ocupastes os meus sonhos
Acalmando este inquieto coração
Trás em mim, do amor, toda a esperança
De um hoje terno e sem final.

Guardei para você todas as flores
Não colhi, estão todas em meu jardim
Se cultivarmos e regamos com ardor
Certamente a florada não terá fim.

Em meu coração plantarei uma roseira
Serás dela a cultivadora
Se com zelo, com amor e esperança, adubá-la
Colherás todas as noites lindas flores 


Seu nome... bem...
Prefiro chamá-la de amada quimera 
Materializada em meus mais lindos devaneios
Venha logo, sem nenhuma demora 
E será com certeza
O amor concreto, saciado de sonhos. 

Tonhotavares  
                  = DIÁLOGO EM PROSA E VERSOS = 

         I

Sentei-me, na areia,
A beira das águas claras!
Borboletas em bandos
O chão coloria.

          II

Flores multicores margeavam o rio.
Orvalhada, ao sol brilhava, tão linda,
Uma pequena teia de aranha tão linda
Qual uma renda portuguesa.

          III

Como é bela a vida no olhar da poesia!

          IV

Uma grande e linda borboleta
Pousou no meu colo.
Eu, em meus devaneios,
Disponho-me a dialogar com ela.
- O quê?
- Quer saber quem sou eu?
- Sou apenas um homem,
perdido no horizonte dos sonhos,
buscando realizar-me no amor!
- Como é mesmo?
- Quer saber se estou sempre aqui?
- Sim, sempre que a solidão faz-me companheira.
- E você, minha linda princesas de asas vibrantes...
- ...És feliz?

          V

Ela voou, subiu no azul do céu,
Desceu, deu voltas por sobre as águas,
E, depois, suavemente, pousou em minhas mãos.
- Boa resposta minha amiga!
É isto mesmo...
- Felicidade é ser livre para voar!
- É ter a certeza de onde pousar!

          VI

Diga-me, minha amiga borboleta:
- Você sabe o que é o amor?
Outra vez, ela alçou voou, pousou junto ao seu bando
Beijando uma por uma de suas, companheiras!

          VII

Depois, voou mais alto beijando as flores perfumadas da natureza,
E plainando ao sabor do vento,
Pousou em meu ombro sussurrando ao meu ouvido:
...Amo a tudo e a todos e tenho o mundo por abrigo.
...Falar a ti dos meus sentimentos não é preciso!
...Serias tu, tão tolo, incapaz de enxergar a ‘felicidade’?
...Responda-me, ‘seu curioso’...!
...O que procuras?
...Tu tens uma boa prosa ou vives dos teus próprios lamentos?
- Boa pergunta, amiguinha!
- Acho que em parte, sou apenas uma boa prosa!
- De resto sobram, apenas, meus lamentos!
...O que esperas sentado na areia?
- Espero um amor que quiçá virá na terceira ou quarta lua,
Numa carruagem adornada pelas estrelas,
Trazendo-me um coração disposto a me amar, também!

          VIII

...Rá... Rá... Rá... Rá... Rá!
...Que pena meu amiguinho!
...Quando paramos no tempo nos tornamos presas fáceis...
...E pelo visto tornastes presa dos teus sonhos,
Das tuas lamurias e da tua espera, por vezes, quase eternas!
...Nós, as borboletas, não nos escondemos por detrás da espera.
...O segredo da vida é ‘o esperar, indo em frente!’
...Contemple, sem muita espera, mas sempre buscando.

           IX

- Ei! Amiguinha, por favor, não me deixe só. Não vá embora!
- Ainda careço dos teus ensinamentos.
...Tenho que ir, meu amigo, o tempo não para.
...Tu queres aprender?
...Então,
...Atravesse o campo das ilusões,
...Contemple-o!
...Percorra as searas de sonhos!
...Se encante!
...Analise os quatro cantos do mundo!
...E assim descobrirás que o amor verdadeiro não mora no impossível!
...Ele, de tão próximo, mora dentro de ti!
...Queres ser amado? Ame! Ame com fé...!
...O amor ultrapassa as barreiras da ilusão.
...Ele é o realismo dos sonhos!
...O amor é o mais belo e liberto voou de nossas vidas!
Adeuuuuus... Amiguinho...!
Ame! Ame muito! Ame com ardor!
E, sem cessar, leve o amor SEMPRE adiante e DENTRO DE TI!

Tonho Tavares

quarta-feira, 17 de setembro de 2014


        = Eu e a vida =

A vida me fez companheiro
Em partes ou por inteiro
Bebo do dia, o mel
Às vezes o amargo do fel
Adoço-me em amor.

Sou o sorriso...
...da criança
...do contador de história da praça
...do velho que alguém abraçou
...da flor que nasceu a beira do muro
...do dia que amanheceu sombrio
...do bêbado que alguém ajudou
...De Deus, em cada um que padece por amor.

Não sou eu o luxo
Nem o lixo
Sou vestígio de luz
Sou eu em fragmentos garimpados em sonhos
Quiçá, o brilho do pequeno diamante
Apago-me na erosão do tempo.

Quando amo, tenho em mim o brilho das estrelas
Sou autêntico na minha complexidade.


Tonhotavares

             = A lua dos sonhos =

Eu vi a lua...
Quem sabe minha...
Quiçá tua...

Com tua voz suave
Tal como a brisa da cachoeira
Convidaste-me, amada lua!
A viajar em devaneios.

Eu vi a lua...
Quem sabe minha...
Quiçá tua...

Vestiste-me com a singeleza do encanto
Vieste em acalanto
Pintaste em meus olhos um sorriso
Enxugaste o meu pranto.

Eu vi a lua...
Quem sabe minha...
Quiçá tua...

Vieram as estrelas
Esparramando em passarela
Iniciei a caminhada
Em uma doce quimera.

Eu vi a lua...
Quem sabe minha...
Quiçá tua...

Passadas leves por entre as estrelas
Na leveza de um sonho maior
Deslumbrei-me com tal beleza
Na ternura do teu olhar.

Eu vi a lua...
Quem sabe minha...
Quiçá tua...

Os meus olhos em teus olhos
Misturaram os nossos momentos
Buscamos a lua companheira
Que iluminava aquele momento.

Eu vi a lua...
Quem sabe minha...
Quiçá tua...

Trêmulos de desejos
Os meus lábios encontram os teus
Entregamo-nos aos beijos
Nas delícias do amor.

Eu vi a lua...
quem sabe minha...
Quiçá tua...

Foste tu
Linda mulher
Senhora da lua e do luar
Enviaste a tua lua
Tão longe vieste me buscar.

Eu vi a lua
Não era minha
Era tua
Quiçá um dia nossa?


Tonhotavares.
   
          = EU VI =

Eu vi a fonte
Vi a ponte
Vi as águas correntes
Vertendo para a várzea
Regando vidas
Alimentado as esperanças.

Eu vi a garça branca
Pousando no alagado.
O arroz em cachos dourados
Tombando ao vento.

Ao lado uma pequena casinha de sapé
Onde Maria e José
O seu sexto filho
com alegria anunciavam.

Vi a água da fonte
Encontrando com o rio
De braços dados companheiros
Numa viagem constante
numa carreira itinerante
Deleitando em cachoeira
Bramiam de felicidade.


Desaguaram no mar
Ganharam a imensidão do oceano
Abraçaram o sol em seu poente
Aos beijos receberam-no na nascente
Num cenário encantador.

Como espelho receberam a lua e as estrelas
Refletiram em noite de poesia.
Com magia
Inspirou os enamorados aos beijos
Numa noite linda
Numa noite de deliciosos pecados.

Quebrou na praia as suas ondas
Gritou em altos brados os seus mais secretos segredos
Foram ouvidos pelos enamorados, apaixonados
Que juraram amor eterno.

Eu vi a fonte
Vi a ponte
Vi as águas corrente
Vertendo para a várzea
Regando vidas
Alimentado as esperanças.


Quisera eu ter esta sorte
Como um arroio
Também nasci pequenino
Cresci menino
Espalhei-me pela vida.

Busquei o rio...
Em paralelo
vertemos em lados opostos.

Da solidão, o açoite...
Derramei-me em lágrimas
Reguei as flores
Tornei-me compadre de Maria e de José
Reguei as sementes ressequidas
Novos cachos foram colhido
Esparramei-me em esperanças.

Cresci, contaminei-me, enfureci
Deixei de lado a criança
Chorei a cada lembrança
Quantos segredos guardados em mim!

No caminhar absorvi vários sentimentos
Os mais puros, em meu coração os coloquei
Os menores, perversos, são como espinho
Dói, inflama, abre em feridas
E são expulsos por rejeição da pequena bondade
Que no corpo habita.

Coletei todo o amor que encontrei
Engrossei minhas águas
Tornei-me um lago
Parado, não estagnado
Um pouco mais profundo.

Não tenho a exuberância do mar
Em pequenas marolas brinco com os juncos
Não sou o retrato do abandono
Sou um sonho eterno
Que espera que num suspiro forte
Empurrado pelo vento e pela sorte
Transborde o lago e o rio
Abraçaremos numa carreira louca
Lado a lado aos nossos brados na cachoeira
Gritamos “liberdade” “liberdade”!

Na imensidão azul do amor
Faremo-nos mar
Será ali o aconchego da nossa eterna felicidade.


Tonhotavares