sexta-feira, 22 de agosto de 2014

                  = Mudanças =

Quero mudar meu traço.
Vi o nó soltar do laço.
Escorreguei-me em lágrimas.
A dança perdeu compasso.

O cálice, a mesa, o garçom, a fantasia,
Evaporaram-se como magia.
Eu só, girei pelo salão vazio, numa valsa
sem chão, coração sem ritmo.
Eu, em monologo, me ouvia,
Não era murmúrio, nem poesia,
era o soluçar da alma.

Quero mudar meu traço.
Não quero nó, nem laço.
Vou me valer do amor.
Soltarei meu querer ao acaso,
em curto ou longo prazo,
quem sabe, eu encontre ali, o meu ninho,
com beijos, desejos e carinhos,
juntos, a dona felicidade.


Tonho Tavares