sexta-feira, 30 de maio de 2014

     = BEIJOS =  

 Eu quero um beijo
de tamanho...
bem grandão.
Daqueles que os olhos amortecem
ouvi-se os sinos
acelera o coração.

Se não puderes dar-me o beijo
beijá-la, permita-me
por favor!
Sem tempo 
Sem prazo.

Se acaso acanhada sentires
Deixe que eu a conduza...
Levar-te-ei tal e qual um exímio dançarino.
Sentiras leve como pluma ao vento
Se o beijo não me negar
beijaremos...
porquanto houver amanhecer.

Tonho Tavares
= LIVRETO INACABADO =

Venha...
Desvenda-me...
Sou um livro em aberto
Alguns conteúdos
Poucas páginas escritas.

Desvenda-me 
E serei seu por inteiro.

Em cada parágrafo
Uma incógnita
Em cada página
Uma descoberta
Em cada capitulo
A certeza.

Enumeras são as páginas em branco
A espera dos nossos sonhos
E outros tantos escritos 
A serem vividos.

Estou em aberto!
Após cada frase
Uma lacuna
Venha completá-la!
Seremos linhas e entrelinhas 
Num romance verdadeiro.

Não sou e nem serei um grande livro
Quem sabe um livreto bem discreto?
Acredito que a humildade é o pilar mestre de nossas vidas
Humildade é sabedoria em ação.

Tonhotavares

quinta-feira, 29 de maio de 2014

= VAZIO DA ALMA =

Hoje acordei sem poesia
Coração ausente
Alma vazia.

Senti-me só e carente.
Procurei solver-me
Nada fazia sentido.

A manhã estava linda
Pássaros em revoadas
Céu de um azul intenso
Poetas inspirados teciam os seu versos.

Peguei o carro
Fui até a cachoeira
Sentei-me na sombra da mais frondosa arvore
A brisa fresca soprava o meu corpo.

Estendi os meus olhos a imensidão
Fui em busca dos meus ausentes  sonhos
Cheguei em meu cantinho encantado
Na certeza de novas ilusões.

Uma sessação de alívio pairava sobre minha alma
Andei pelos floridos vales
Ouvi o gaitear das cascatas
Maravilhei-me com aquele encantado lugar.

Voltei a pequena cabana
Aquela,  lá à beira do lago
Adentrei, tudo estava como dantes

A lareira
O tapete
A rústica mesa de madeira
Com apenas duas cadeiras.

Cheguei ao quarto...
O catre com uma colcha de retalho estendida
Dois criadinhos mudos na parede encostado
Dois cabides
no teto um candelabro iluminado a velas
Na janela uma cortina amarelada pelo tempo
Do lado de fora, um jardim de margaridas enluarado.

Que paz!
Estava tudo quase perfeito
O que faltava, não eram os sonhos
Era você,  mulher amada.

Tonhotavares
      = Não demore =

Continuo em sonhos.
A realidade assusta-me
Decepções, desamor
Há sofrimento em cada canto
Ates não explorado.

Deixo tudo de lado
Do amor sou adepto.
Acredito  que algumas estrelas
Daquelas que do céu faz bordado
Farão cadentes
Num risco em brilho
Despertaram os sonhos
A  minha doce amada.

Levar-te-ei ao meu mundo
Onde os sonhos se misturam a realidade
E o resplandecer do amor
Ilumina a carne e na alma faz morada.

Sairemos de mãos dadas pelos jardins da vidas
Sentiremos o arrepiar da pele a cada beijo
A cada abraço o deleite da paixão infinda
Corpos em fusão
Coração num mesmo compasso.


De prazer beberemos em pequenos goles o nosso dia
A noite, o abrigo dos nossos corpos
em deleite.

A tudo será permitido!
Vivenciaremos  em telas panorâmica
Todos os nossos bons momentos
De um amor que de tão simples
Tornou-se puro.

Por favor, não demore!
O tempo se faz pequeno
quando se tem tanto amor a dar. 

Tonho Tavares

terça-feira, 27 de maio de 2014

     = PARA VOCÊ MULHER SONHO =

Não é preciso de um milhão de desejos...
Milhares de beijos...
Para sentir o quanto eu te amo.

Mesmo que...
As nuvens escuras
Oculte o sol em sua exuberância...
Que as estrelas, (por desencanto), desnudem dos seus brilhos...
E as longas madrugadas padecidas em lágrimas marcarem presença...
E as manhãs mal amanhecidas despertarem sem flores...
Ainda assim eu a amaria.

Para você...
Poliria a cada uma das estrelas
Retirando delas os seus mais lindos brilhos.
Pintaria o céu com as cores do arco-íris.
Desenharia o sol em seu poente
Desvairando por detrás do mar.
Faria de todas as madrugadas fagueiras.
Plantaria as mais lindas flores debaixo de sua janela
Dentre todas você seria a mais bela.

Quem sabe um dia
Numa breve momento
Eu, de amor sedento
Declamarei para você estes versos.
Venha meu amor sonhado
Farei de te a minha mulher amada.

Tonhotavares
          = QUANDO ESTOU POETA =

Quando estou poeta
Sinto uma brisa mansa conduzindo-me ao paraíso...
Abraço e beijo os corações que se permite desvairar.
Penetro no mais profundo de minha alma
Buscando o colo que acaricia-me sedento de amor.
Enxugo lagrimas,
sorrio gostoso,
penetro em tantos mundos!
Visito alcova adornada com os mais finos tecidos
 tapetes persa,
Ouço Gardel,
 danço Strauss.
 Vejo-te de branco vestida. 
Em traje a rigor
eu me adorno.
Sem limites, nos mais profanos sentimentos, perdemo-nos.  
Com a mesma sede
sacio-me na mais singela casinha branca
bem ao longe,
Pertinho do lago
Onde as estrelas e luar em prata, repousam suas imagens
Eu, poeta, os meus mais lindos sonhos adorno.
Que importa! O que conta e o amor.
Bebo o mais fino cálice dos devaneios
Retorno-me ao mundo por inteiro 
Do mais fino vinho 
eu sinto o gosto,
degusto...
Sabor de vida!   

Tonhotavares

domingo, 11 de maio de 2014

= Heroína, Santa, ou simplesmente, Maria, Mãe, Mulher =

                Venha Maria...
Vamos ver como é feito o seu dia...
           Maria sem preconceito, não se agarra aos defeitos, a tudo Ela se ajeita, na magnitude do amor.
          Dia de Maria nascida, tão pequena, frágil e pura, de encantos meiguice e carinho, traz consigo os sonhos.
            Maria já crescida...
De menina a mulher, seus filhos, com amor Ela cria.
São tantos e de nomes diversos. São: Sabrinas, Joanas, Paulas, Joãos, Josés Pedros, Lucas, e mais tantos, que nem por magia seus nomes eu me lembraria.
             Grandes Marias, de sobrenomes que se equivalem...
Maria das Preocupações... Que a tudo enfrenta com sua fé e orações.
Maria da Consolação... que acolhe em seu colo,  de seu seio o acalanto.
Maria das Dores, que dos filhos divide as dores, ocultando em seu coração.
             Maria que assistiu a sua filha perecendo pela falta do pão, lia em seus tristes olhinhos, como se não compreendesse o desamor dos homens, cujo coração fora tomado pelo egoísmo e ganância, guardando para si tudo que lhe era por direito. Em seu tempo final, disse a sofrida Mãezinha: - Mamãe, será que lá no céu tem pão?  _ Acabou de falar e para Deus partiu”.  Como poderei dar sobrenome a esta mãe?
                Maria que incentiva o filho a partir em busca de suas realizações e sonhos, sofrendo mas, mostra em seus olhos um sorriso, empurra-o com as  mãos e segura-o com o seu coração.
                  Maria órfã, que assistiu os seus filhos partirem, por inúmeros motivos ou por desamor, nunca mais voltaram.
                    Maria Amor e Fera, aquela que pelos filhos lutam até a sua própria morte.
Maria Amada...
Maria Realizada...
Maria Mãe de Deus e dos homens...
Maria, sempre Maria!
Parabéns a vocês Mães, que serão por Deus, sempre Maria.
Que neste seu dia, você pare, pense, agradeça e peça, faça tudo que lhe é por direito.
Ser mãe é semear pelo universo, esperança, amor e fé.
O mundo se enfeita por você Mãe... Maria... Mulher.
Sejam muito felizes!

Tonho Tavares.

“Eu vi minha Mãe rezando
Aos pés da Virgem Maria
Era uma santa que falava

E outra santa que ouvia.” 

terça-feira, 6 de maio de 2014

                            =Adolescer do Amor=

Acordei-me em flores.
A saudade eu beijei.
Na porta, a felicidade.

Da solidão me despedi,
Da tristeza fiz canção,
Do amor me revesti.

Nos campos semeei sorriso,
Colhi, com os olhos, as flores.
 Eram elas, exóticas, coloridas, 
Até mesmo aquelas menos expressivas.
Cantei com os pássaros.
Tudo era encanto, tudo era graça.

Atravessei o bosque,
Saltei como atleta sobre trocos caídos.
Corria pelas pastagens.
Senti-me invencível.
O adolescer eu vivia.

A cachoeira eu cheguei.
Borboletas multicores 
A minha volta bailavam, 
Numa coreografia impar.
Por sobre as pedras
Que doce e linda miragem!
Não... Era a imagem!
Bela,
Miragem, imagem,
Você!
Com as mãos delicadas
Ao vento, 
Acenavam para mim.

Tonho Tavares 
Boa tarde, vida, amigos, boa tarde, meu Deus! Beijos em cada lindo coração.

Não pare de buscar/em algum lugar a sua felicidade está/ por ti, ninguém é capaz de encontrá-la/ quem sabe nas esquinas da vida/no bar lá do centro/no campo por entre as flores/ até mesmo na mulher amada// procure forte, e cada vez mais/ o mundo não para,  pra que você dê longa espiadas/Deus, o céu, e, tudo que nele de bom existe, estão lá/ mas a sua felicidade terrena, ainda contigo não está/// vá para o espelho, dê uma espiada/ veja que linda criatura de Deus é você/sorria para si mesmo/ encante com estes seus lindos olhos que podem contemplar no mundo, tão belas imagens/solte sua voz/ ousa o seu cantar/examine este seu bendito corpo que se locomove sabendo, quase sempre, onde chegar/veja as suas mão, que se bem usadas, afaga, acaricia, trabalha/ mergulhe dentro de você/ sinta quantos sentimentos que hão de ajudá-lo/ ouse, pegue tudo que Deus lhe deu/amigos, lugares, família/ volte novamente para o espelho/ não se sinta acanhado /descubra quão simples e grande a sua felicidade/. Todavia, pode sentir um pouquinho de vergonha/ na vida, muitas vezes, sofremos por nada////  

Tonho Tavares.

domingo, 4 de maio de 2014

                         = AMADA RAINHA =


Hoje me levantei rei.
Tomei banho no velho chuveiro.
(Nada muito da realeza)
 Um cafezinho (puro) tomado lentamente 
Deliciou-me.
A janela fui eu a espiar.
Abasteci-me de sol.
Meu queixo, eu acariciava,
Massageando os pensamentos.
Encantei-me com o dia.
Fiz um buquê de problemas,
Em vários vasos eu os distribuí,
Colocando-os na prateleira do “não hoje”
 Carregá-los, pra quê?
Meus olhos foram invadidos por você.
A procura de ti,
Fui eu.
Descobri que
Não era eu um rei!
 É você,
A minha Majestade.

Tonho Tavares

sábado, 3 de maio de 2014

                  =NOITE SÓ SUA=

Quero uma noite escura,
quase virgem.
Combinarei com as estrelas;
farei um pacto com a lua.

Esta noite não será minha,
vai ser toda sua.

A mesa no jardim posta.
Luzes...
Apenas dois castiçais.

Uma música suave convida às carícias.
Por sobre a mesa,
Mãos estendidas se entrelaçam.

Dançaremos coladinhos.
Entre beijos e desejos 
buscaremos o nosso ninho. 

O grande lençol negro será desatado
 Milhares de estrelas ornamentaram
Todo o universo,
Repousando por sobre a árvore,
Em sua exuberância, a lua suspira.
Naquela noite...
Nós dois...
Uma só vida. 

Tonho Tavares

                  =Quero Ser o Seu Menino=


Faz de mim o seu menino,
o seu poeta,
o seu homem cavalheiro.
Deixe que eu lhe corteje,
com a pompa de príncipe
num grande baile,
que a convide a dançar.


Quero ser o seu menino...
Em seus seios,
me aconchegarei.
A cada beijo, 
todos os nossos
grandes ou pequenos sonhos
serão realizados.
O cio do corpo, do fogo
que arde, que queima,
que pulsa, que resseca a garganta causando arrepios.
Prazeres da alma e do corpo,
na chama do amor.
Seu menino, 
se permitir-me eu serei.

Tonho Tavares

toninhotav@hotmail.com
                               = Vida e sonho =

Cubra-me com o teu amor.
Vista-me com a seda leve dos teus sonhos.
Minhas vestias não são pesadas
Mas, careço da suavidade de novos tecidos.

Vale a vida, aquilo que sinto-me valer.
Com o teu sorriso, ela se faz encantada
Um presente de Deus, com linda lua e de estrelas ornamentada.
É como o sopro fresco da brisa mansa
Tocando o meu corpo nu e suado
Indescritível sentimento!

Contigo irei aos campos floridos
Que por mim, ainda são desconhecidos
De mãos dadas sentiremos nossos corpos em delírio
Passeando por entre nuvens
Bem onde os enamorados fazem as suas moradas.

Quando se ama ou toma consciência deste amor
A vida se torna em um belo poema
Onde podemos caminhar pelos mais lindos versos
Passeando pelas estrelas, beijarmos a luz do luar
Numa estrofe sem final. 

O amor é forte e solido
 indestrutível quando se é cultivado
Pode ser frágil, quebradiço quando não se faz nada para hidratá-lo.    
Amor para ser forte, tem que vir do sul e do norte
Só de um lado, não sobrevive a sua sorte.

Venha, acorde, vista-me com a seda leve dos teus sonhos
Meu corpo e minha alma carecem da leveza dos teus sonhos
Pegue-me ou deixe que eu a pegue pelas mãos
E no perfume suave do amor 
Seguiremos felizes pela imensidão da vida

Tonho Tavares. 

sexta-feira, 2 de maio de 2014

                       = EM BUSCA DO AMOR =

Deite-se em meu colo,
Deixe-me fazê-la criança.
Cantarei, recitarei os mais belos versos.
Perdoe-me se, num cochilo ou descuido,
Os teus lábios eu beijar.

O amor quando é puro
traz consigo um coral e anjos.
Com harpas e banjos,
faz nascer, em tom suave,
a mais bela sinfonia.

Em meu colo,
você,
de olhos fechados,
lábios molhados,
coração em chamas, 
me chama,
às carícias do amor.

Juntos,
o céu e a terra se uniram.
O vento e o tempo,
como grandes anfitriões do amor,
sussurrarão em nossos ouvidos.

Não me perderei em devaneios.
Preciso urgentemente dos seus beijos,
do seu toque, dos seus anseios.
Serei tudo e mais,
quando o seu coração eu ganhar.

Tonho Tavares
                 =INSANA SAUDADE= 

            A insana verdade aos berros faz-me calar.
              Meus olhos aflitos no tempo se perdem.
                Eu e Eu, no grande lençol repouso.
                   Eu artista artesão,
                      vou esculpindo no peito,
                         o íncone da saudade.

                                Tonho Tavares

quinta-feira, 1 de maio de 2014

                     = Noite de paixão =

Apaixonados olhares se cruzam.
Noite inebriante...
Do cio, a cútis exala
cheiros de amor.

Na boca, o doce irracional da paixão.
Na garganta, o coração dispara.
Corpos que gritam e se agitam,
quero-te sem tempo e sem prazo
saciando minha sede de cálidos carinhos,
 numa doce tortura.

Nus, cobertos pelo
ato do encantamento,
a alma é liberta.
O suor invade os poros, escorre como mina,
o branco lençol é molhado. 
 O insano prazer da carne,
ignora o mundo.
Corpo aberto, sedento,
A noite de prazer é acordada.

Tonho Tavares
                   = Dia de procura =

À noite, senti o vazio de um negrume ímpar.
Nem meu cavalo alado
viera ao meu encontro.
Dos sonhos, a quimera.

Hoje, eu queria asas.
Voar feito os pássaros.
Sentir o vento sobre a pele desnuda,
Ouvir meu próprio cantar.
Lá, em algum canto, despir-me-ei da solidão.

_Vamos!  -gritou a vida - o dia promete!
Mesmo sem asas, subiremos bem alto,
Bem mais alto que o vazio da descrença.
Quero encontrar o meu bando de poetas
Que, como eu, numa viagem torta ou reta,
buscam sensivelmente o caminho dos corações.

Beberei do teu regato,
Comerei no prato da eterna beleza de seus versos.
Saciarei o corpo, mergulharei nas profundezas dos poemas.
Encontrarei, com certeza, minhas doces ilusões.

Tonho Tavares
    = Janta dos meus sonhos =

Vem jantar comigo?
Este jantar eu mesmo prepararei.
A mesa, apenas o trivial
é tudo que sei fazer.

Com requinte porei a mesa.
Toalha branca
Dois pratos e talheres
Um castiçal
Duas cadeiras
Duas taças
uma com vinho de boa safra
a minha taça, com refrigerante
abstenho-me da bebida alcoólica.
Ao fundo, música suave...
Após o jantar, iremos para a sala
Conversaremos, ouviremos músicas
Cantarei para você ao dedilhar do meu violão
as poucas músicas que, mais ao menos, aprendi a cantar.
Ao final buscarei seus lábios num longo beijo.
Será uma mistura de sonhos e desejos
De olhos de intenso brilho.
A meia luz, ao som de uma música em baixo volume
Lábios que se traduzam, frenéticos, estalaram em som molhado
Corpos inquietos contorcendo em prazer
Do sofá ao chão.
Palavras palavrinhas e palavrões
Numa mistura de insana delícia.
Que seria do amor, sem os olhos nos olhos
palavras nascidas e jorrada lá do fundo de nossas almas?

Depois desta insana e deliciosa paixão
De volta à razão
Amor, escrito e descrito, na sala, quarto, cama e corpos.
Suavemente sentirei o seu deitar em meu peito
Lábios e dedos deslizando pelo corpo suado
Com certeza ouvirá, do meu corpo e do coração, a chamada do amor.
Pense... Terá coragem de correr este risco?


Tonho Tavares.