segunda-feira, 28 de abril de 2014

               =Sonhos=

Sonhei que a vida sorria...
Eu, débio, menino crescido
brincava de amar.
Relampejos de dor e amor
rondavam mina alma,
me calei.

Calar, afastar, fazer silêncio,
alma eternecida.

Da cova funda buscava
 o paraiso.
Vi meus sonhos se esvairem
com poeira.
Fiquei triste.

Meu Deus, se os sonhos voam,
voarei com eles.
Buscarei entre nuvem,
sedento de carinho, os beijos os desejos.

Da infantil ausencia, me farei estrela.
Pulirei meu próprio brilho.
Isano é o sofrimento.

Te encontrarei um dia, quem sabe?
Em flores, num versos lindo do poeta louco,
no bar da esquina, lugar, que importa!
Viver sem sonhos é loucura.
Sonho sem esperança
é solidão.

Tonho Tavares