segunda-feira, 31 de março de 2014

= AMOR E VIDA =

Mãos que se afagam...
Entrelaçam.
Lábios vencidos pelo desejo...
Beijos.
Corpos que se relutam... 
Permitem-se,
doam ao prazer.

O amor não procura caminho...
Apossa. 

É macio como a seda.
Atravessa o peito,
como o aço afiado.
Tem o frescor de brisa
da madrugada.
Queima, como sol de verão.
Duradouro, como varias vidas.
Como vela, ao vento, se apaga.
Puro como cantar dos anjos.
Safado com uma meretriz.
Arde, amarga, grita, faz silêncio,
Cura, machuca, excita.
É ele que prova a nossa
estada nesta vida.

 Tonho Tavares
=CAFÉ COM AMOR=

Quero despertar-te de manhã cedinho,
Levar-te-ei o café na cama.
Na bandeja, o trivial.
E entre os dentes,
Uma rosa vermelha perfumada.

Quero ver os teus olhinhos
De mansinho se abrindo,
Sorrindo como criança
Ansiada por carinho.

Olhar-te-ei por inteira
Suas vestes transparentes
O perfume envolvente,
Nos teus braços me perderei.

Tonho Tavares
= Toque de amor =

Com seus dedos...
Toque os meus lábios.
Fecharei os meus olhos...
Dos carinhos, a maciez
envolvente.
Sentirei o perfume do seu corpo
Que entorpece,
Enlouquece-me.
Faz de mim o seu homem.
Meu corpo treme ao calor do seu.
Inquietas, as minhas mãos,
por seu copo se assanham.
Fecho a cortina
Na penumbra sussurros
Cama que se desalinha
As loucuras se alternam.
Dedos nos lábios
Incendeiam os corpos
Explosão de desejo.
Quem sabe no amanhã?

Tonho Tavares

domingo, 30 de março de 2014

                  = Quero Você =

Venha amor...
Com os dedos, contorne
os meus lábios.
Minha boca pede
Seus beijos.
Meu corpo clama...
Chama...
Desejo!
Cheiro do cio.

A lua e as estrelas,
Nos espiam.
Corpos despidos.
Revistemo-nos
Com o manto encantado.

Pele aquecida,
Molhada desliza.
Corpos frenéticos,
Perdidos em delírios.
Na cama, no tapete
Na relva, no carro,
Na banheira,
Que importa! 
Olhos em chamas
Suspiros e gozo.

Tonho Tavares
                                       =Sonho Seu=

Esta noite, ouvi o cochicho das estrelas.
As arvores, balançavam seus galhos,
comentavam eufóricas algo, que acontecia.
Até as flores do jardim, se confabulavam,
soltavam gritinhos de felicidade.

O vento tímido, abraçava carinhosamente 
a cada elemento.
Tive medo!
Quis voltar para dentro da casa,
a porta rangendo, interrompeu a minha passagem.
Pensei estar ficando louco.
O vento foi abrindo caminho a minha frente.
Tentei ouvir, do vento, os seus abrolhos,
foi em vão.
As ramagens se abriam gentilmente,
oferecendo-me uma passagem.
E lá fui eu, em busca de respostas.
Cheguei à beira da praia,
O silêncio, se fez novamente.
Apenas, as ondas do mar gemiam,
Uauuuu, uauuuu, uauuu.

Tirei os sapatos e
 caminhei pelas espumas geladas
das águas.
A cada minuto, o mar se fazia belo.
Ao sair do mar pude vê-la,
linda, com olhos cintilantes como as estrela.
Corri ao seu encontro
Foram beijos, abraços e murmúrios de amor.
Descobri, ter entrado em seus sonho.
Par favor, deuses dos sonhos,
Não mais nos acorde.

 Tonho Tavares

=Amor roubado=


Dos lábios teus, empresta-me, 
O sorriso.
E dos olhos teus,
O fio cortante
De um amor infindo.

Empresta-me os teus sentimentos,
Deixa-me invadir
A tua alma,
Como um bom garimpeiro, 
Com a grande bateia,
Ateio o teu amor.

Quem sabe neste momento emprestado
Do teu lado, eu possa estar,
Como um bom ladravaz
De sentimentos,
Teu coração eu roube 
Para que tu possas me amar.

Tonho Tavares

sábado, 29 de março de 2014

= Saudade de...=

Os melhores beijos e abraços
Hão de vir da saudade.
Saudade de um tempo passado
Saudade da namorada,
Saudade sempre saudade!

Saudade de ti, menina,
Dói, machuca, mas fascina.
Saudade de você que ainda nem se foi,
Saudades dos beijos não dados
Dos bailes não dançados,
Das carícias e dos sussurros,
Das noites cálidas
Que o acaso nos impôs,
 Apenas em sonho.
Saudades cheias de saudades.


Tonho Tavares

=Romântico amor =

 O romantismo sobrepõe-se ao tempo.
Ele, o amor, não se vão com o vento.
E o beijo é o gozo da alma.

O amor vem de um sorriso,
Às vezes de um olhar, do falar,
Ou... do nada.
 O coração muda de lado,
Grita calado, retumba no peito,
Ouvi-se uma voz, quase um gemido,
Te amo... te amo...te amo.

Os pássaros, a lua, o mundo, 
O encantado.
As estrelas d’antes frias, 
Como meras coadjuvantes
Agora brilham tanto, mas tanto,
Que exalam seus perfumes
Das mais diversas fragrâncias.
A noite é acordada
E o amanhecer adormece, no mais profundo
Sonho vivente.

Tonho Tavares

          = Virtude =

Hoje eu me vesti de amor!
Ganhei um beijo do primeiro raio do sol.
Não satisfeito, gritei bem alto...! Bom dia, vida!
Ainda insatisfeito,
Orei ao meu Deus do Universo.
Fiz uma longa prece,
Foi em vão!
Peguei o velho violão, 
Dedilhei algumas canções.
Desapontei-me!

O que fazer diante de uma situação tão estranha?

Beijei e abracei todas as criancinha que encontrei.
Ajudei a todos que passavam pelo caminho.
Trabalho incompleto... piscava em meu visor.
Desiludir-me? Jamais!

Fui ao asilo, abracei todos os velhinhos.
Sorri com eles, contei-lhes histórias.
Curei a patinha do cãozinho abandonado.
Tornei-me cupido para os namorados.

Que dor...! 
Dor do vazio, de uma alma faminta.

Desanimado, assistindo em pranto ao escoar do amor
Em um terreno baldio sentei-me.
Reguei a terra com as minhas lágrimas.
Brotaram em minha volta o verde da esperança.
Com ternura, fui abraçado pelo amigo sol.
Uma brisa leve e fresca trouxera as crianças, que carinhosamente, 
Beijaram-me o rosto,
Velhinhos, entoando cânticos de amor, enxugaram,
Meus inchados olhos que até então, teimavam em não mais parar de chorar.
Ao lado, uma grande árvore,
Que balançava ao vento, pôs-se a acariciar-me os grisalhos cabelos.
Agradecendo a Deus pelos mimos, fechei os meus olhos,
E sonhei acordado.
O cão, com a pata curada, faz-me afago.
 Uma linda jovem, de olhos angelicais,
Aproximou-se, pegando-me pelas mãos, levantou-me, 
Beijou a minha suada fronte, com uma voz suave,
Entoou uma canção e disse-me:
“Receba sua mortalha do amor. 
Sou a Vida, tudo que fazemos está registrado.
Todos no universo são amados,
Mas só recebe amor, aquele que é capaz de amar.
Há mais virtude em saber receber, do que em doar”.

TONHO TAVARES

quinta-feira, 27 de março de 2014

       = EU VI =

Eu vi a fonte
Vi a ponte
Vi as águas correntes 
Vertendo para a várzea
Regando vidas
Alimentado as esperanças.

Eu vi a garça branca
Pousando no alagado.
O arroz em cachos dourados
Tombando ao vento.

Ao lado uma pequena casinha de sapé
Onde Maria e José
O seu sexto filho 
com alegria anunciavam.

Vi a água da fonte
Encontrando com o rio
De braços dados companheiros
Numa viagem constante
numa carreira itinerante
Deleitando em cachoeira
Bramiam de felicidade.


Desaguaram no mar
Ganharam a imensidão do oceano
Abraçaram o sol em seu poente
Aos beijos receberam-no na nascente
Num cenário encantador.

Como espelho receberam a lua e as estrelas
Refletiram em noite de poesia.
Com magia 
Inspirou os enamorados aos beijos
Numa noite linda
Numa noite de deliciosos pecados.

Quebrou na praia as suas ondas
Gritou em altos brados os seus mais secretos segredos
Foram ouvidos pelos enamorados, apaixonados
Que juraram amor eterno.

Eu vi a fonte
Vi a ponte
Vi as águas corrente 
Vertendo para a várzea
Regando vidas
Alimentado as esperanças.


Quisera eu ter esta sorte
Como um arroio 
Também nasci pequenino
Cresci menino
Espalhei-me pela vida.

Busquei o rio... 
Em paralelo
vertemos em lados opostos.

Da solidão, o açoite...
Derramei-me em lágrimas 
Reguei as flores
Tornei-me compadre de Maria e de José
Reguei as sementes ressequidas
Novos cachos foram colhido
Esparramei-me em esperanças.

Cresci, contaminei-me, enfureci
Deixei de lado a criança
Chorei a cada lembrança
Quantos segredos guardados em mim! 

No caminhar absorvi vários sentimentos
Os mais puros, em meu coração os coloquei
Os menores, perversos, são como espinho
Dói, inflama, abre em feridas
E são expulsos por rejeição da pequena bondade
Que no corpo habita.

Coletei todo o amor que encontrei
Engrossei minhas águas
Tornei-me um lago
Parado, não estagnado
Um pouco mais profundo.

Não tenho a exuberância do mar
Em pequenas marolas brinco com os juncos
Não sou o retrato do abandono
Sou um sonho eterno
Que espera que num suspiro forte
Empurrado pelo vento e pela sorte
Transborde o lago e o rio
Abraçaremos numa carreira louca
Lado a lado aos nossos brados na cachoeira
Gritamos “liberdade” “liberdade”!

Na imensidão azul do amor
Faremo-nos mar
Será ali o aconchego da nossa eterna felicidade.

Tonhotavares
toninhotav@hotmail.com
                =Amor Verdadeiro =

Vamos sair a esmo
de mãos dadas.
Quem sabe um jantar a luz de velas,
teatro, cinema.

Você lindamente vestida.
Seu perfume inconfundível.
Eu, seu admirador,
transpiro felicidade.

Ansiosos, meus olhos 
sobre ti, fascinam.

A noite promete.
Seus olhinhos brilham
buscando os meus.
Voltamos ao ninho.
Noite perfeita.
Roupas ao chão.
Corpos que se misturam,
ardente paixão.

Tonho Tavares
= Noite de intenso amor =

Quero um tempo de mil luas,
Uma história minha e sua
E a beleza que vem de ti.

Um amor, que de tão louco,
Seja criança.
De namoro e beijos na boca,
De correr de mãos dadas,
Contra o vento,
Sentido no rosto, o frescor
Do momento.

Quando o sol desvairado,
Descambar no horizonte,
Nós dois,
Abraçados na orla do mar,
Viveremos, os nossos
mais românticos desejos.

Quando a noite, sombria 
E vagarosa, cobri o mundo
Com seu negro manto,
A lua se mostrar risonha e linda,
Seus olhos, serão duas estrelas,
De intensa luz.
Será noite de intenso amor.

Tonho Tavares
                 = Vidas em versos =

Sua voz penetrou em minha alma
abril antigas portas emperradas
convidou-me ao sonhos de um amor derradeiro.

A majestosa lua
olhado-nos sorria.
O vento suave
as folhas balança
aplaude o momento.

Senti o desejo de beija-la na boca
afagar seus cabelos
aperta-la em meu peito.

Com um livre pássaro
ir até o infinito
roubar frases embebecidas em beijos
olhos que se abraçam
abrasando o momento.

Seremos poema, que paira, que cintila,
derramando versos nas almas ressequidas.
Neste mundo em deslumbramento
nossas histórias escreveremos
no belo livro da vida.

Tonho Tavares

quarta-feira, 26 de março de 2014

                       = Sem Você =

Acordei-me sem beijos,
com desejos,
na mesmice solidão.

Hoje não me visitou, o amigo sonho,
a amiga ilusão, deveriam estar ocupados.
Da festa, a desorganização
vazios, amassados em trapos, esparramados pelo chão.

Embrulhos de esperanças
com laços deslaçados, atirado por toda parte.
Faxinei... restou a solidão.

O coração com ardor
soluçou, não chorou.
Telefonei para a esperança, ela estava ausente
deixei recado na secretária eletrônica
quem sabe retornará amanhã.


Tonho tavares. 
                              = Amo você =

Os meus olhos em raros momentos
são meus
em todos os outros momentos
são seus
A muito meu coração se foi
sem se despedir
sem eu permitir
Em ti, fez morada

Sou muito eu
quando me permito ser seu.

Tonho Tavares
      = SONHOS = 

Mergulhe em meus sonhos
Penetre suave
como o vento leve 
ondulando o trigal.
Faça do pequeno sonho 
o universo
onde os corações
se entrelacem
tornando-nos em único
ser. 

Tonho Tavares.

terça-feira, 25 de março de 2014

             =Amor de verdade=

O amor me faz cantar
As vezes com sorriso
outras vezes, com lágrimas no olhar.

Lirial é o amor
Incandesce a alma
colori o mundo
traz a eternidade
em um único segundo.

Eu lírico,
a mercê do sentimento maior
sofro pela ausência
do realismo de seus beijos.

Você, vivente de minhas quimeras
traça planos
viaja comigo em belas jornadas
passeamos pela praia de mãos dadas
entrelaçamos nossos corpos
nas águas cristalinas da cachoeira
terminamos na cama,
você,
possuindo-me por inteiro.

Serei o senhor do teu amor?

Quero apenas ser amado
beija-la, sentir o seu corpo quente
ardendo no meu peito.

Palavras ditas, atravessam a minha alma
aninhando em meu ser.
Dos meus sonhos, és a mulher
que me faz cantar
com sorriso,
ou lágrimas no olhar.

tonho tavares
               = AMOR SEM FINAL =

Seus lábios são convite ao beijo.
Seu corpo traduz desejo
para um amor
sem tempo, sem final.

Lhe darei uma rosa purpura
que colhi em minha alma
bem na hora
Que o amor
em mim alvorecia.

Nossas peles faram músicas
nossos olhos em dueto cantaram
As estrelas enternecidas em gozo
em xadrez riscaram o céu.

Nossos corações pulsaram
em pura poesia
Buscaremos a canção que um dia
será preludio de amor.

Tonho Tavares

        AMOR NO PEITO =

Abriga-me em teu coração
seremos canção e razão
de um conto de amor

Não é carencia o que eu sinto
É amor

Amor que busca morada
ultrapassando a madrugada
Numa carreira sem final

Teu rosto, encosta ao meu
Sem palavras 
Sem sussurros
Com respiração ofegante
De que anseia aquele intante
Este eu para amar.

Quero um amor forte
de versos
de universo
amor de quem preparou por toda a vida
amor que passou por bons e maus momentos
Agora aqui esta no peito retido 
todinho guardado
Só para te amar.

Tonho Tavares

segunda-feira, 24 de março de 2014

   = NOITE SOLITÁRIA =

Quero você nesta noite
nesta e em tantas
que me vejo sozinho.

O cheiro do vazio
minha alma invade
sufocando meus versos
sinto-me uma triste poesia.

Pedir que venha para os meus braços
que ajude-me a conter este desejo
que o tempo se torne em beijos
numa noite de caricias, 
será muito?

Perdoa-me se tudo eu lhe peço.
Só, sou tão pouco!

solto o meu faminto amor
no pasto dos amantes sonhadores
deixando que se alimente
de fragmentos de vazios
bebendo solidão
Até... vai saber.

Tonho tavares 
           = QUERO VOCÊ =

Vou penetrar em seu mundo
não clandestino
Pois do amor, nada se explica.

Serei a sua saudade
Sem tempo, nem idade.
Nas eternas noites de amor
com suaviloquência
levar-te-ei ao fascínio.

Se me queres de verdade
liberte-me de meus sonhos
O amor não sobrevive apenas em devaneios
necessita de calor, de beijos,
de afagos, de tesão e desejos

Libertarei a tua alma
dos grilhões do seu querer
Como anjo serei o seu guarda
ou quem sabe
meio que profano
que a conduzirá 
as mais lindas fantasias.

Tonho Tavares
       = A NOITE É DOS POETAS =

A noite se enfeitou de estrelas
vestiu-se lindamente com seu vestido longo preto.
De um quarto de lua fez um lindo tiara
Desceu do céu
Queria inspirar os namorados.

Decepcionou-se...
Alguns estavam com seus corações distantes
Outros se remoíam de ciumes
Ninguém a percebeu.
Ela, faceira e dengosa
desfilava, queria ser notada
mas foi em vão
Continuou linda
E na solidão.

Ouviu alguém que lhe chamava
Surpresa ficou
ao encontrar, um, dez, milhares de poetas
Que a reverenciavam
Com uma atriz
posou, vez brilhar as suas estrelas
Trouxe a lua em seus braços
Presenteando aos poetas,

Delicadamente disse um até logo
E se retirou
Indo em busca de outros poetas
em longínquas paragens.

Tonho Tavares 

domingo, 23 de março de 2014

      = DESEJO MEU =

Quero falar de amor
ser o teu bem querer
buscar frases no mais profundo da alma
recitar versos
quem sabe, beijar-te-ei ao amanhecer.

Meus lábios trêmulos e molhados
meu respirar
ofegante de desejo
se seus olho virarem brilhos
será muito mais que um beijo.

Desalinharemos os lençóis
travesseiro rolaram pelo quarto
buscaremos as doces quimeras
nosso amor, mais que abraços.

Me perdoe por ser meio louco
fazer planos, quem sabe, nem serão os teus
em mim 
existem desejos
fazer de você, o amor
que encantaram os sonhos meus.

Tonho Tavares

tonhotav@hotmail.com
              = NÃO IMPORTA =

Acordei...
Na boca um gosto de beijo
no corpo o suor do desejo.
O quarto lembra, do amor a festa
cheiro do profano.

Eu dormia...
você apareceu como por encanto
enfiou na cama em meu canto
aconchegando-se ligeirinho
apertou meu corpo nu ao seu
roçou maliciosamente o seus lábios aos meus
o meu corpo se fez levitar.

Deslizei os meus dedos em seu rosto
delicadamente, alisei com tesão o seus seios
escorri pelo teu corpo
numa decida alucinada
nossos corpos frenéticos
gritaram em orgasmo.

Aconteceu, sonhei, delirei
não importa
juro que não sei
o que vale é que gostei.

Tonho Tavares
tonhotav@hotmail.com

sábado, 22 de março de 2014

         = EM BUSCA DA DIGNIDADE =

   Como eu já disse em outros textos, há mais de vinte e cinco anos trabalho voluntário com alcoólatra e adictos, ou seja, dependentes químicos.
    São pessoas bonitas, mas  indesejadas, que vem em busca de paz, dignidade e silêncio para suas almas que grita por socorro. 
        A tempos atrás, veio a nós, um jovem senhor que implorava ajuda. Todos nós ficamos felizes, pois, nem sempre é assim, raramente nos chega alguém por iniciativa própria. Este senhor veio todo debilitado, fisico e espiritualmente. Sua feição não era muito animadora. Estava muito sujo, a meses sem banho, seu rosto todo crescido, parecia que tocava trombone. Após um bom banho, barba feita, roupas, não novas, mas limpas e alimentado, podia ver-se ali, um ser humano que procurava melhorar a sua triste vida. Sua antigas roupas fora jogadas ao lixo, seus chinelos sujos, sendo que um deles protegia apenas a metade de seus pés.
  Com suas vestias limpas aquele senhor sentia, depois de anos, um pouco mais de amor próprio. Os dias foram passando, a cada dia via-se o seu olhar de esperança. Em nós uma felicidade atroz, de quê estava valendo a pena o nosso pequeno trabalho. O fato a que eu quero chegar, aconteceu a alguns meses de sua caminhada... Certo dia, ele chegou para mim e disse: _Sr Antônio, estou muito feliz, pois já estou colhendo os frutos de minha recuperação, veja estes tênis, eu os comprei por cinco reais, a prazo, isto é o sinal que alguém já confia em mim, tá certo que um tem listras azuis e o outro listras vermelhas, mas isto não importa, eles estão agasalhando os meus pés e ainda são zero km.
     Eu como sou uma manteiga derretida, comecei a chorar, choro de felicidade, aqueles tênis, que nem par faziam, mas ali estava um homem que começava a descobrir a sua dignidade. 
  Nos dias de hoje, ele não se tornou rico, mas é um respeitável profissional. 

Tonho Tavares
tonhotav@hotmail.com  
        = OLHOS QUE CANTAM =

Venha querida...
quero olhar em teus olhos
descobrir do que é feito este amor.

Quando se ama de verdade
os olhos cantam o amor.
O silêncio do olhar
inspira a dança
num bailar a luzes de estrelas
tal e qual um lindo sonho
deslizamos macio
por sobre as nuvem.
Eternos momentos!

Olha em meus olhos, amor...
veja neles todas as belezas, que da vida colhi
como quem colhe flores
com o mesmo carinho que o poeta
riscam seus mais sentidos versos.
Busquei tudo isso 
e mais
ao longo do meu caminhar.

Os olhos tão frágeis
trazem consigo a força dos deuses
que até o coração dominam.
Serão eles, que nos conduziram
aos beijos
que desvendam os segredos
do teu corpo nu
ainda cheios de mistérios
me fazem fascinar.

Eles, com certeza, elevar-me-ao aos céus
se deles, puder eu ouvir uma canção de amor.

 Tonho Tavares
tonhotav@hotmail.com

sexta-feira, 21 de março de 2014


            = Você a  minha lua, eu o teu mar =

 Meu mundo, meu mar...
...Nas profundezas, traz segredos a ser quebrado.
...Na superfície, o belo e o menos aplausível se inteiram.

Quisera eu desvendar-me por inteiro.
No coração, ondas pulsantes
que do amor se inteira.

Ousa-me!
Se ao acaso, a minha voz não se fizer ouvida
ouça-me em cada concha
que displicentemente espalharam pela vida.
Quiçá poderei fazer ouvir, da solidão os meus gemidos, no abandona das madrugadas frias?
...No quebrar das ondas no limite das praias de brancas areias?
...Em meu cantar nas noites enluaradas?
Se me amares, de coração, corpo e alma, ouvir-me-á, até mesmo, em meu silêncio.

  Venha amor meu!
Venha como a lua
Reflita tua imagem, doa-me por inteiro.
Repouse em minhas águas mansas.
Vamos desvendar, todos e qualquer, de nossos desejos.
Aproxime-se... dê-me  um clássico e gostoso beijo
Mergulhe em mim...
Não temas, o amor é desprovido de receio...
...Arrisca, expõe, busca e se entrega a paixão.
Serei o mar, ainda que muito pequeno
 neste nosso imenso oceano do amor.

Se tu fores a minha lua...
Eu serei o teu mar...
A luz resplandecente do amor em águas límpidas e puras
enfeitará o nosso mundo
com a beleza que é só tua.


Tonho Tavares. 
  = Romance de amor =

Venha amor!
Venha sentar-se em meu colo
Encoste o seu rosto em meu peito
que por ti, anseia.

Ouça o cantar dos pássaros
O barulho das ondas do mares
quebrando na praia, como que implora
e grita, venhaaaa... venhaaaa...

A natureza é o belo cenário
nós dois, meros coadjuvantes
por horas, os astros
de um lindo romance de amor.

Tonho Tavares

toninhotav@hotmail.com  
Esta história, acontecida comigo, foi postada no "Recando da letras" no ano de 2010. 

                              = Lagrimas de amor=

     A tempos atras encontrei em meu quarto, uma surpreendente visita. Estava escuro, vi quando algo se movimentava com dificuldade pelo chão.  Acendi a luz e pude observar que era bombo correio, talvez tivesse entrado pela janela. A sua aparência não era nada animadora, suas penas estavam molhadas de sangue, o peito todo machucado, as pernas quebradas com fraturas expostas. Fiquei com pena daquela linda criaturinha, pessoas me diziam que eu deveria sacrifica-la, mas, como eu poderia ceifar aquela vida, que apavorada pedia por socorro. Mesmo só resolvi ajuda-la. Sei saber ao certo o que eu fazia, mas com muito amor, eu a deitei por sobre a mesa, passei remédio roxo, uso veterinário em seus doloridos machucados. Peguei as perninhas do dito cujo, coloquei talinhas de madeira, enrolando uma fita adesiva em tornos delas. Foi difícil, ela não ficava parada enquanto eu fazia o curativo. 
Todas as noites, eu a enrolava em toalha , as noites estavam frias ela pareceu-me agradecer o mimo. Gradativamente eu a vi melhorar. Quando percebi que ela se debatia ao pega-la, retirei a bandagem, percebi que os ferimentos já haviam cicatrizados. Não ficou muito elegante, suas pernas encanaram muito tortas, mas o melhor e que ele andava. Seu andar parecia , muito mais, com o andar de um papagaio, mesmo assim, me dei por satisfeito. Ontem de manha, como fazia a todos os dias, desembrulhei o bichinho, coloque-o ao chão, joguei o milho para ele, coloquei água e, fiquei a assistir orgulhoso , aquela lindo amigo, fazer o sua primeira refeição do dia.
Ao termino, ele voou ate a janela, andou em minha direção, como se viesse a agradecer-me pela acolhida. Depois de segundos, alçou um lindo voo, pelo céus de meu Deus. Meus olhos choraram, não compreendi a razão das lagrimas. Fiquei a observar aquele lindo voo em busca da felicidade. Eu o vi, como um lindo cometa, deixando seu rastro de amor meu coração. Hoje compreendi , meu choro era de felicidade, eu não a curara só para mim. Amar ‘e fazer livre o ser amado, no amor, não cabe egoísmo, posse, ou castração. Quem ama empurra com as mãos e segura com o coração. 

Tonho Tavares
Tonhotav@hotmail.com  

quinta-feira, 20 de março de 2014

      = SOU EU =

Sou feito do sentimento maior
Magoas, só do momento
lagrimas, as significativas, que vem das alegrias
sorrisos, a cada instante.

Amor amizade
Amor igualdade
Amor amor
Amor amar.

serei a ti
depositário fiel
dos teus melhores sentimentos.
viverei contigo feliz, aos grandes e pequenos momentos
serei um humilde ser de amor.

Se em tua vida me permitires
elaborarei versos
rabiscos ou não
As vezes em papel
A maioria das vezes direto em teu coração.

Pouco me importa os valores fúteis dos homens
não é este o valor que proponho
Preciso de tao pouco, 'e claro!
Quero abrigo para este coração sonhador.

Sugaremos toda a essência dos desejos
A cada lampejo
despertar-te-ei os seu mais profundo das tuas emoções 
Terás um amor ido e vindo
na ternura de cada amanha
E os carinhos calientes das noites
eternizados pela paixão.

Tonho Tavares
tonhotav@hotmail.com 
       = AMOR E DOR =

Me eternizo ...
...a cada dor
...a cada sorriso
...a cada lágrimas
...a cada amor.
Sou um eclético vivente
Sempre perdendo-me em devaneios
Mas me reencontro as duras realidades do dia.

Olho nos olhos
busco respostas.
Meu espelho
não mais me deforma
criei forma.
Sou real
fantasia sem igual.

Tornei-me fã do amor
teria mesmo que o ser
Pois é ele o elo que liga-me a você.

Eu pronto?
certamente que nunca
Serei eu poeta?
Talvez.
Quando a dor e o amor
me aprontam
com ardor em versos respondo.

Tonho Tavares
tonhotav@hotmail 
             = CAMINHOS DO AMOR =

Não me entrego a sorte
Pra quê esperar a morte
Se há, a cada dia, um lindo amanhecer...

Irei pelos caminhos das flores
Não me importo com os tais espinhos
Com o amor, eu tudo suporto
O balsamo virão dos carinhos 
que buscarei em ti.

O bom cheiro proveio do teu amor
Fez-se rastro na estrada
Por onde devo seguir
Perfumou todo o meu corpo
Que será entregue a ti.

Em teus olhos fagulhas brilhantes
Tua boca, minha fonte dos prazeres
Se eu peco em amor
Absolve-me com teus cálidos beijos.

Seu corpo em chamas
Aquece todo o meu ser
Na rua, no quarto, na praia ou na grama
É um doce padecer.

Desejo-te..
Com todas as loucuras que cabem no amor
Buscarei em teu corpo, todos os encantos
Do erótico ao êxtase. 

Faz-me o teu homem
Que tua carne excita
E a alma da prazer.

Tonho Tavares
tonhotav@hotmail.com

    = SUA VOZ =

Sua voz
Penetrou em minha alma
Abril portas emperradas
Convidou-me ao amor.

A lua majestosa
Olhando-nos sorria.
O vento suave
As folhas balançavam
Aplaudindo o momento.

Senti o desejo de beijar a sua boca
Afagar os teus cabelos 
Aperta-la em meu peito.

Como pássaros livres,
Voar ate o infinito,
Buscar frases embebidas em amor,
Olhares que se abração
Abrasando o momento.

Seremos o poema
Que paira, cintila, 
Derramando versos nas almas ressequidas.
Deslumbrando inspiração
Escrevendo nossa historia
No mais belo livro da vida.

Tonho Tavares 
tonhotav@hotmail.com  

quarta-feira, 19 de março de 2014

       = AMOR ESPERADO =

Irei busca-la
onde você estiver.
Farei de ti, a minha mulher...
Mulher, sonho
Mulher, fantasia
Mulher, menina
Mulher, amada.
Mulher, mulher.

Serei adolescente em tua chegada
como um colegial 
que espera a sua primeira namorada
Mãos frias
coração pulsante
batendo forte
Na insegurança, de quem tanto esperou, pela tua chegada.

Chegue bem de mansinho
Toque-me com carinho
Pegue as minhas mãos frias
levemente suadas.
Venha ser, deste tímido homem, a tua amada.

Tonho tavares
tonhotav@hotmail.com
            = NOITE PERFEITA =

O dia é passado
A noite promete
Corpo em festa
Por você anseia.

Seremos beijos, carinhos 
e desejos
corpos suados
No leito esparramado
cheiro do cio.

Como versos em papel
teu corpo eu leio
Noite perfeita
um soneto de amor.

Tonho Tavares
tonhotav@hotmail.com

terça-feira, 18 de março de 2014

      = NOITE DE AMOR INFINDO =

Eu a encontrei...
Era noite.
Não era qualquer noite!
Foi quando o meu coração procurava por abrigo.

Meus lamuriosos escritos
Falavam dos desenganos
Ao crepúsculo, meus poemas tristes
Já não mais sentia o perfume das rosas.

Meu coração regressava de um sonho
Cansado, abatido ultrajado.
Coração solitário é como andante
Vive de migalhas
Não descansa, nem avança
Se perde em qualquer lugar.

Sentia, sede e fome
O frio congelante
Tornava-o lento, dolorido
Quase morrido.

Ah! Aquela noite...
Que noite!
Você veio em poesia
Sorriso gracioso
Beijou-me ardentemente a alma
Curou meu peito que sangrava
Desfez as cicatrizes
Saciou-me de amor
Deu-me você por abrigo
Mostrou-me os caminhos lindos 
A serem percorridos.

Meus versos
Não mais jorraram lágrimas.

Ah! Aquela noite...
Que noite!

O que vai suceder
Nem os versos revelam.
Acredito saber agora para onde caminhar.
Ainda que nada aconteça
De ti, talvez eu nunca mais esqueça
Sei só, ou só sei,
Que nunca mais estarei sozinho.

Ah! aquela noite...
Que noite!
Noite linda de amor infindo.

Tonho Tavares
          = VIAJANDO EM SONHOS =

Estou a bordo do meu sonho.
Aqui eu sou a tripulação.
São meus passageiros...
A lua, as estrelas, as flores e tudo que há de mais belo.
Faço do sonho uma quimera.
No comando meu coração em anelo.
Por horas,
Como um zepelim amarrado,
eu, a sua espera.
Nele, tem jantar a luz de velas
Tem dedos que se entrelaçam
que contornam o seu rosto
Beijos enamorados
regados a olhares insinuantes.
Tem sala de estar
com grandes almofadas que nos convidam
aos carinhos a luz do luar.
Tem banheira, que as estrelas no teto,
Fazem ornamentar.
Ali, sou eu massagista,
Eu sinto-me seu artista
Eu de abraços molhados
De beijos desejados
De colo que lhe carrega
você toda molhada
Regando o tapete
molhando os lençóis.

Vou soltar as amarras
Já lancei a escada
Vamos viajar?

Tonho Tavares
= Flores Esperança =

Ah! Se estas flores pudessem
dizer-te aos ouvidos...
A ternura que as enviei em silêncio
Dos meus lábios que padecem sem seus beijos
Do meu peito que a sua alma pede. 

Buquê... Uma linda missiva...
Sem palavras
Sem letras
Sem traços
Sem bilhetes
Que seu coração
poderá ler em perfume
nas entrelinhas das cores.

Se acaso deslumbrar a rosa vermelha
Se houver gostas de orvalho
Inspirando a poesia,
saiba menina,
São lágrimas de esperança
de quem se fez criança
e sonha tê-la
por toda a minha vida.

Tonho Tavares

sábado, 15 de março de 2014

        = ASSIM É O AMOR =

Venha...
Estou a tua espera!
No coração, o grito incessante do amor.
No corpo, a chamada ardente da paixão.

Venha...
Serei doravante o teu cultor
Regarei, com carinho, o teu sorriso
Adornarei em luz o teu ser.

Venha...
Por quanto tempo ainda terei que esperar?
Não é o vir por vir
É o vir, do amar.

Sou um inveterado sonhador
não atenho-me a limites
mergulho no mais profundo dos meus sentimentos
em busca das mais lindas noites de amor.

Longas asas têm o amor.
Voa livre, sem preconceitos, sem nomes
Quando pousa em nossas vidas
resgata, liberta
reprime de vez a solidão.


Tonho Tavares.
      = CASAMENTO POR ACASO =

Vou lhes contar um caso,
Que não muito por acaso,
Resultou no causo
Que veio se casar
O Zé Mane com Nazaré

Numa noite feia e chuvosa,
Nosso personagem Zé
Foi dormi naquela noite
Na casa do “corone”.
Que por acaso é muito bravo
E já havia matado
pra muiii...ito mais de dez.

Cansado da lida do dia,
O Zé lavou seus pés,
Pediu a benção ao padrinho
Entrou no quarto escuro
Deitando numa cama larga
A única coisa que ele queria,
Era dormir sossegado.

Zé entrou no quarto enganado,
Visto que o quarto pra ele reservado,
Era o quarto ao lado,
Da horrível Nazaré,
Que também sem nenhum acaso
Era a enteada do temido “Corone”.

Nazaré enfeitou-se, como de costume,
Com sua camisola roxa, com bolinhas vermelhas.
Disputava com a desgraça,
Qual das duas era mais feia

Foi se deita, sem mais remelexo.
O quarto estava escuro como breu.
Encontrou em sua cama, um corpo quente,
Que ela desconhecia, mais e daí?
Pensou ela...
_Tá quente é gente.

Beata, invicta, com mais de cinqüenta
Não se assustou, muito pelo contrário,
Alegrou-se com o que poderia ser um caso,
Que talvez por um acaso
Realizaria um sonho frustrado,
De seu longínquo passado.

Aconchegou-se devagarzinho.
Foi chegando de mansinho
Pra não assustar a presa.

Zé Mane pobre-coitado
Sentindo-se agarrado,
Não desperdiçou o momento...
Ele nunca tinha ficado
Com um bicho tão quente e encapetado.
Não imaginava
Que aquele caso, lhe renderia
Um pesadelo excomungado.



Depois do ato, já consumado.
Curioso e saciado,
Nosso Zé acendeu uma candeia
Queria por reparo
Em sua princesa encantada,
Que o havia transformado
Em um homem consumado

De repente...  Misericórdia!
Grita o Zé;
Que susto! que tristeza!
Aquilo e que era a sua prenda:
Dois dentão cariados,
Um de cada lado.
O cabelo espetado,
Parecia um feche de graveto,
Mal-amarrado.

Esta tal de Nazaré.
De tanto fumar cachimbo
Tinha um bafo condenado,
Cheirava e até parecia
Um assombração defumado

Tal foi o susto do Zé,
Que tremia da cabeça aos pés
Ele não conseguia,
Nem mesmo ficar de pé.

Tentou gritar,
Mas não saiu nem um ruído,
Suas pernas mais pareciam,
Com um macarrão cozinhado.


Aproveitando a paralisia
Do inativo Zé,
A feia Nazaré não cedia
Queria, e muito mais queria
Ser amada da cabeça ao pé

Aprumo pra riba dele
Gritava, agarrava o infeliz,
Feito um peão derrotado.
Queria, mais como queria!
Que ele pedisse bis.


E foi aí que o bicho pegou.
Ao ouvir o grito indefinido,
Será de prazer ou de castigo
O padrasto e padrinho “Corone”,
Pegou a sua espingarda,
Foi andando devagarzinho
Até chega à cova,
Ou melhor, ao quarto
Daquele infeliz anjinho
.
Com a arma apontada,
Com o olho arregalado
Risca o fósforo o coronel
Acendendo o lampião.
Ficou espantado,
Com tal e absurda situação.

_Meu Deus do Céu!
– Grita o coronel –Virgem Maria,
Me ajude!
Que pouca vergonha danada!
Vim salvar a pobrezinha de minha afilhada Nazaré
Mais, quem está mesmo apurado,
É o meu afilhado Zé!

O coitado, na cama deitado,
Com a boca escancarada
Olho arregalado, paralisado,
Num estado lastimável.

-“Arriégua” – esbraveja o “Corone”
– Cruz-credo, que coisa mais feia!
Já não sei o que é mais feio
Se é ver Nazaré pelada,
Ou meu afilhado neste estado,
Todo cagado,
Com a língua pra fora
E olhos arregalados!



_Quando tudo se passou,
O “Corone”, malvado,
Repousando na rede deitado.
O casamento do Zé com a Nazaré,
Com a velha cartucheira, fora apadrinhado,
O maquiavélico “Corone”
Deu uma longa gargalhada
E disse a sua velha amada:
_Meu feito,
Foi mostra ao meu afilhado,
O quarto errado.
Deu certo minha velha
Cumpri o meu prometido
O caso e o acaso, casualmente planejado
Eu caso ou não caso,
Ainda que não foi muito por acaso,
Eu consegui casar
A encalhada da sua filha!!!

-Tonho Tavares-

sexta-feira, 14 de março de 2014

    = SONHOS, REAL DESEJOS =

Quem sou eu...
...que me reescrevo a cada dia
...a cada anoitecer
...a cada novo sentimento
...a cada sucumbir das verdades
...a cada mentira que se fez oculta e se revela ao holofote do tempo.

Quem sou eu que...
...acredito na força do amor, mesmo aos olhos da maldade.
...que estendo as mãos, mesmo que os meus pés, ainda não estejam em terreno sólido.
...que sorri sempre, até mesmo com vontade de chorar.
Sou sempre eu, reescrevendo a minha pouca história.

Sonhos, eu os tenho em pecas!
No amanhecer, com o alforje “da real vida” em minhas costas
Adentro-me pelo dia, hora fora, hora dentro!

Fora, o peso da vida
Dentro, os desejos e devaneios.
Sou um misto de sentimentos
O exterior, pés no chão
o interior, sonhos sem fim.
Sou sempre eu, desfilando dentro de mim.

Quando só, medito, faço versos
visito os mais lindos lugares
sem barreiras, vou até onde a minha imaginação transportar-me.

Busco você...
Penetramos num mundo de beleza e cores
Passeamos de mãos dadas, tomamos água fresca da fonte.
Beijamos, abraçamos, rimos, brincamos como duas crianças.
Ao requinte da noite dos enamorados
acontece, doamo-nos como amantes apaixonados.
Na cama, no tapete, rolamos pelo chão, enlouquecidos de desejos.
Este sou eu!
Venha, permita-se adentrar em sonhos meus.


Tonho Tavares.