segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

                    = NOITE =

Mais uma noite se foi
Não foi qualquer noite!
Noite de divagações
de procuras e reencontro.
Insana não é a distância
nem a saudade.
Talvez a vida, quem sabe?

Minhas verdades eu as escrevo a lápis
Estou sempre pronto a reescrevê-las.

Como é grande o amanhã!
Tantos projetos e sonhos
Transportei para ele.

O sonho  partiu com meu coração e minha alma
Foram do céu até  inferno.
No céu,  o calor dos seus beijos
do seu corpo
mulher sonhada.
No inferno, assistiu a sua partida
antes mesmo da chegar.

Tenho medo dos sonhos meus!
Ele, juízo não tem.
Voa muito alto, tão alto
Que se perde da razão.
Quando retorna
devolve minha alma e o meu coração
nunca virgens, doido, com cicatrizes
Não sei bem o por quê
eles sempre existem
com o sonho permanecer.

Tonho