sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

                         = SONHO INVASOR =

Sonhos meus 
que a tua janela invade
espia, admira
a ti, criatura
escultural mulher.

Seu corpo na cama
Pelo sono tomado
Pernas lindas a amostra
Eu, em sonho, maravilhado.

Nossos sonhos se misturaram
seremos , eróticos, românticos
não importa 
na ternura do amor
seremos  prazer.

Aconchegar-me-ei em teu leito
Minhas mãos buscarão o teu corpo
Numa corrida quase louca
De quem tem pressa para amar.

Seus olhos abrirão ao fascínio 
carnes em desejos
partiremos logo para os longos beijos
noite eterna pra sonhar.

Tonho Tavares

Toninhotav@hotmail.com
                       = MEU SONHO COM VOCÊ =

Em meu sonho eu a encontrei.
Você estava linda!
Displicente,
sorria para mim.

Eu, de pés descalços,
sem camisa, barba por fazer, corpo suado.
Meus cabelos grisalhos
desalinhados ao vento.

Tímido, sem saber o que fazer, 
abaixei o meu olhar.
Senti-me, tão pequeno, tão ninguém.
Entristecido, sentei-me a beira do caminho.

Minhas lágrimas não tardaram a rolar.
Você elegantemente se aproximava.
Eu queria, correr, correr,
até a exaustão.

Seus dedos delicadamente tocaram o meu queixo,
erguendo a minha cabeça.
Roçou os teus lábios sobre os meus.
Abraçou o meu corpo suado.
Enxugou minhas lágrimas com beijos.

Um lindo acorde de violino se fez ouvir.
Os pássaros e insetos se silenciaram.
Foi mágico!
O momento era só nosso.


Tonho Tavares 

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

                  = VOCÊ AGORA =

Ah!... Como querida você  no agora!
Nesta presente hora
Onde no meu eu, o vazio impera.

Ah!... como querida você no agora!
Nas idas horas
que o amor florescia.

Ah!... Como queria você no agora!
Na chegada hora
O coração aperta, dói, grita no silêncio
Amo-te, como nunca amei ninguém!

Ah!...  como queria você no agora!
Não importa a hora
Em todas as horas
que só existem pra ti amar.

Amar você, é tão simples, é tão fácil!
É tão doído a sua ausência!
Venha... mesmo que seja por nada
Sem você, sou apenas um sonho (acordado) 
Na solitária madrugada.

Tonhotavares

         = QUERO POESIA =
    
Quero poesias
Que gotejem pelos poros,
Que falem de mim,
De ti,
E de tantos e tantos por aí.

Poesias por todo o corpo!
Que partem dos olhos,
Entranham na carne
Roubando a alma.

Versos que cultivam flores,
Que resgatam as estrelas,
A lua,
Adormecidas, no fundo do lago.

Poesias, 
Que reencontrem a magia
Dos abraços, beijos e carícias,
De quem se foi pra nunca mais voltar.
Surpreendendo
Volta, jurando nunca mais
Partir e para sempre me amar.

Tonhotavares

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

              =  AMOR LIBERTO =   

         
Bendito seja o amor
que risca o corpo
instalando irremediavelmente
no peito
bem no coração.

Os meus sonhos 
irei buscar.
Embarcarei na derradeira nuvem
que no céu vagueia.

Buscarei a plenitude 
do amor e dos desejos.

Se muitas vidas eu tivesse
Nem mesmo assim
seria o bastante
para saciar
meu corpo e minha alma
que clamam por amor. 

Venha comigo, querida!
O tempo não respeita
o acaso.
Ele é um insaciável
devorador de sentimentos
devora tudo
menos a saudade
que tem em si, um gosto amargo do fel.

Iremos num vôo sem escalas
sem precedente
sem tempo e nem prazo.
O amor é um sentimento indomável
galopa a favor e contra o vento
é o senhor absoluto
derrotando até mesmo o tempo
na sublime missão de nos fazer feliz.

Sabe minha querida
ha dois disciplinadores na vida
"o amor e o sofrimento"
foi ele, o sofrimento
que me fez real e humano.
é ele, o amor, que nos norteia a vida
incendiando-nos, libertado-nos
soltando os grilhões que nos limitam.

Vamos amor meu!
É chegado a hora
a derradeira nuvem, esta encilhada
venha, seu embarque será primeiro
solte as amarras do passado
vamos virar amor
livres como os pássaros em revoada.

Tonho Tavares.
=EM BUSCA DO AMOR =

Deite-se em meu colo,
Deixe-me fazê-la criança.
Cantarei, recitarei os mais belos versos.
Perdoe-me se, num cochilo ou descuido,
Os teus lábios eu beijar.

O amor quando é puro
traz consigo um coral e anjos.
Com harpas e banjos,
faz nascer, em tom suave,
a mais bela sinfonia.

Em meu colo,
você,
de olhos fechados,
lábios molhados,
coração em chamas, 
me chama,
às carícias do amor.

Juntos,
o céu e a terra se uniram.
O vento e o tempo,
como grandes anfitriões do amor,
sussurrarão em nossos ouvidos.

Não me perderei em devaneios.
Preciso urgentemente dos seus beijos,
do seu toque, dos seus anseios.
Serei tudo e mais,
quando o seu coração eu ganhar.

Tonho Tavares

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

          = ESPERANÇA E AMOR =   

     
Vou buscá-la menina
Na derradeira lua
Numa canção linda, só sua
Que entre sonho e amor
Escrevi pra você.

Venha...
Fiz para você uma ponte
Donde jorra a linda fonte
Dos amantes apaixonados.

Caminharemos pela estrada do encantado
Nós, eternos namorados
Rumo ao vale dos amores.

Tonhotavares 
                  = DESEJO MEU =

  Quero falar de amor
ser o teu bem querer
buscar frases no mais profundo de minh'alma
recitar versos
com certeza , beijar-te-ei ao amanhecer.

Meus lábios trêmulos e molhados
meu respirar
ofegante de desejo
se seus olho virarem brilhos
será muito mais que prazer.

Desalinharemos os lençóis
travesseiro rolaram pelo quarto
buscaremos as doces quimeras
nosso amor, em doce anelo.

Me perdoe por ser meio louco
Fazer planos, que talvez, nem sejam os seus
em mim existem desejos
declarar-me a você amor meu.

Tonhotavares

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

                    = NOITE =

Mais uma noite se foi
Não foi qualquer noite!
Noite de divagações
de procuras e reencontro.
Insana não é a distância
nem a saudade.
Talvez a vida, quem sabe?

Minhas verdades eu as escrevo a lápis
Estou sempre pronto a reescrevê-las.

Como é grande o amanhã!
Tantos projetos e sonhos
Transportei para ele.

O sonho  partiu com meu coração e minha alma
Foram do céu até  inferno.
No céu,  o calor dos seus beijos
do seu corpo
mulher sonhada.
No inferno, assistiu a sua partida
antes mesmo da chegar.

Tenho medo dos sonhos meus!
Ele, juízo não tem.
Voa muito alto, tão alto
Que se perde da razão.
Quando retorna
devolve minha alma e o meu coração
nunca virgens, doido, com cicatrizes
Não sei bem o por quê
eles sempre existem
com o sonho permanecer.

Tonho
                        = Feliz amanhecer =

Esta manhã despertei-me poesia.
Acordei o sol que ainda dormia
Reverenciei as últimas estrelas 
Que incautas desfilavam 
Pela madrugada
Quase vencida.

O frescor lírico trouxe-me a poesia

Uma minúscula flor
Na beira do muro se escondia
Busquei a lupa
Deslumbrei-me com tamanha maravilha.

Pensei em você...
Com muito carinho
Eu queria colhe-la
E ofertar a ti.

Como eu poderia mutilar
Da vida tal maravilha.

Ali mesmo eu a deixei 
A mercê da sorte
No meu coração, eu a guardei
Até o dia da minha morte.

Tonho Tavares

domingo, 26 de janeiro de 2014

                    = SOLTEI O LAÇO =

Soltei o laço
Abri o compasso
Esparramei-me...
Me tornei sementes...
Busquei o aconchego fértil do amor terreno
Muitas sementes, secaram, pereceram
Algumas, cresceram, abriram em flores
Poucas se frutificaram
Milhares, infinitas , ainda nem  germinaram.
Sou eu, um ser a espera, ainda inacabado.
A vida é um grande poema
cuja a beleza dos versos
Encontra-se na rima do amor e do crescimento.

Tonhotavares 
                = DIVIDIR SONHOS =

Leve-me para o seu cantinho
Juntinhos, realizaremos os sonhos seus 
Alçaremos vôos constantes
Verá que o meu amor é seu.

Previamente lhe aviso 
Não confie nos sonhos meus
Eles são puros, lindos, mas também profanos
Eu te juro...  pelo amor... me farei cavalheiro.

Não sei se você quer
O seu sonho dividir
Se juntarmos os nossos sonhos
Certamente seremos felizes.

 Tonhotavares

sábado, 25 de janeiro de 2014

                  = EU QUERO UM AMOR= 

Hoje eu quero um amor...
Amor a cada dia
Amor só por um dia
Enquanto vida eu tiver.

Hoje eu quero um amor...
que me faça verdadeiro
que me torne amante
amigo e companheiro.

Hoje eu quero um amor...
que não seja passageiro
que amanheça com beijos
atravesse o dia com desejos.

Hoje eu quero um amor...
que não me deixe num canto esquecido
pelos cantos desta vida
em nupcia com a solidão.

Hoje eu quero um amor...
que encha de luz os meus dias
que me permita faze-la feliz
que caminhe juntos
pelas longas estradas da vida.

Hoje eu quer amor...
que contorne as curvas do tempo
que priorize os sentimentos
alimentando de paixão.

Hoje eu quero um amor...
que beije as flores recebidas
que busque as mãos
que feche os olhos lentamente
ao desejar um beijos meus.

Hoje eu quero um amor...
que se atreve fazer amor na madrugada
sem barreiras, sem pudores
sem silêncio, sem la fora
só o agora.

Hoje eu quero um amor...
todos hoje eu quero...
Este e o amor que venero
que arranca do meu eu
o melhor que guardei pra você.

Tonho Tavares
toninhotav@hotmail.com.br
                 = BEIJOS MOLHADOS =

Vamos correr na chuva
Beijar molhado
Chegar à casa ensopado
Brincar sério de amar.

Na banheira,
Farei massagem em teus pés
Sentirá, que é das mulheres,
a mais amada.

Que importa agora
O mundo lá fora
Se a minha vida é você.

Branco em espuma o teu corpo
Fazendo-me quase um louco
desejoso de você.

As minha mãos eu as lhe darei
Levantando-a vejo este seu corpo 
que a água contorna.
Não resisto... 
Dar-te-ei 
um abraço espumado,
de beijos e pecado,
Nós dois, eternos namorados.

Tonho Tavares 

toninhotav@hotmail.com

                     = TEU COPO =

   Buscarei o teu corpo
como quem desvenda mistério
chegarei a cada curva
com meu corpo em doce anelo.

Meus olhos fintaram os teus
procurando o melhor caminho
minhas mãos se atrevem e antecedem
ao meus enlouquecidos desejos.

Farei dos teus lábios o regato
que a minha sede sacia
neles esta o mapa
que o teu corpo anuncia.

Venha minha amada
minha amiga
minha amante
vamos viver varias vidas
a cada pequeno instante.

Se o teu descobridor
fizer-me ser
desvenda-te-ei em mim minúcias 
realizando todos os desejos teus.

Roubarei por amor e encanto
o teu corpo e tua alma
que deixaram de ser teus
seras de mim
uma livre prisioneira
cativas do amor meu.

Tonho Tavares

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

               = CANTINHO ENCANTADO 1 =

Acordei-me poesia.
Amanhecia...
O vermelho coloria o céu, onde o sol nascia.
Pensei... não vou me levantar
Vou viajar um pouquinho
Irei no meu cantinho do encantado.

Fui a casa sua, sonho meu!
Bati em sua porta
Você atendeu-me... usando um vestido
De estampa discreta, liso, contornando com graça as linhas curvas do seu corpo
Um belo decote, onde exibia o inicio da beleza oculta.

Sem nada dizer, suavemente fui à sua boca
Você de olhos fechados correspondeu-me o beijo.

Pequei-a pelas mãos, saímos para o meu paraíso.
Sentamos a beira da fonte
Com os dedos, acariciei os seu lindo cabelos.
Sua pele sedosa, com a palmas de minhas mão, eu a toquei
Você não dizia nada.
Aqueles brilhantes olhos revelando os desejos seu.
Você abraçou-me com sofreguidão
Seus dedos pressionavam as minhas costas que tesão, que delícia!
Meu Deus, que loucura, olhei, só, eu estava em minha cama
Não pude resistir, gritei em alta voz... venha amor meu!
Quem sabe este é um capítulo a ser exibido? 

Tonhotavares 
              = CANTINHO ENCANTADO =

Amor meu!
Eu lhe espero...
...No soluço da tarde esquecida
...No silêncio anoitecido
...Nas madrugadas dos sonhos-esperanças
...Na candura do amor.

Venha! 
Sem você...
...o meu mundo não é mais o mesmo.
...o meu coração parece se alimentar de caqui verde
Aperta, amarga, faz no peito a agonia.

Amor!
Construí  um mundo novo para você.
Tão nosso!  tão cândido ...
...tem galanteios
...tem juras
...tem flores
...tem tudo que há de mais belo.

É lá, onde mora a felicidade.
Ouvirei sua voz melodiosa em cântico.
Irei ao seu encontro
Abraçados, rosto colados, em dueto cantaremos
Um hino ao amor. 
As estrelas, a lua e tudo que é de mais belo, farão couro.
Nós, em doce anelo, pediremos aos deuses  do enamorados
Neste lugar todinho encantado
Um cantinho terno e eterno, só pra nós dois. 

Tonhotavares.
                     = MINHAS MÃOS =

Mulher amada...
Toque as minhas mãos
Ouça o que “Elas” dizem...
Não as julgue pela aparência
calejadas, até mesmo maltratadas.
São capazes de revelar minha caminhada através do tempo.

Foram forjadas ou moldadas pelos anos já vividos
Não conheceram a maciez
da fina pele dos homens, pelo dinheiro, enriquecidos.

Quando estão “Elas”, ao comando do corpo
são duras como a rocha
funcional como uma máquina
capazes de transportar, moldar, criar, ou apenas auxiliar.

Não as julguem...

Quando são manuseadas pelo coração
podem ser suaves como a brisa.
habilidosas, carinhosas, levando-te ao delírio.

São “Elas” que escrevem as belas coisas da vida
Adoram enluarar-se, sentir o sopro macio da brisa
ofertar flores
 carregar-te para cama
percorrer todo o teu corpo.
Ficam leves, suaves, tal e qual uma pluma.

Elas também registram os versos,
que em minha alma existem.
A cada calo, cicatrizes , que permanecem
muito me orgulho!
São “Elas” as minhas companheiras
tanto na aspereza da pedra
quanto no deleite do teu corpo, "mulher"
nas nossas noites de amor.

Tonho Tavares.

tonhotav@hotmail.com 
                    = HISTÓRIA DE AMOR AO PRÓXIMO = 

 Meus amigos, vou lhes contar uma história que me foi contada quando eu era ainda criança, pelo meu pai que, por sinal, era um grande jornalista do interior. Espero que sirva como reflexão em suas vidas. 
     Vou contar a vocês uma parte da vida deste verdadeiro missionário que hoje vive do outro lado da vida. 
       “Padre Zico, desde criança, viveu em missão de fé. Cuidava dos necessitados, sempre disposto a ouvir e a aconselhar a todos que o procuravam. Desprovido da avareza, com uma vida ligada simplesmente à espiritualidade, doou todos os bens que recebera de herança aos pobres.
    Por mais que ocupasse seu tempo nas suas tarefas do dia a dia, não conseguia ser feliz. Sentia uma tremenda vontade de morar e viver em uma ilha onde viviam leprosos. Naquele tempo, o hanseniano era retirado da sociedade, vivendo o resto de seus dias ‘a mercê da própria sorte. Por várias vezes, tentou convencer o bispo de que o liberasse para aquela que seria sua verdadeira missão. O religioso amava com toda as suas forças aquele bom pastor e emissário de Deus. Este, por sua vez, argumentava de todas as formas, numa tentativa inútil, de convencê-lo a ficar. Por fim, vencido pelo cansaço, perguntou-lhe o seu superior: 
    _Padre Zico, o senhor tem consciência dos tributos que pagará com essa atitude? O senhor sabe que uma vez nesta ilha, jamais poderá retornar? 
    _Sim, disse o santo homem esperançoso. 
    Não tendo mais argumentos, mesmo sabendo que seria a ultima vez que veria aquele santo padre, deu-lhe a permissão. Despediram-se com um abraço fraterno. Padre Zico beijou a mão de seu bispo e amigo, partindo em busca da sua verdadeira tarefa.     
    Era uma viagem longa de navio mas, para o padre, nada nem ninguém poderia afastá-lo de seu sonho. Por fim, chegaram. Um pequeno bote veio até o navio para apanhar os suprimentos que, periodicamente, lhes eram entregues. Qual foi a surpresa daquela boa e infeliz gente, ao descer um padre, junto aos suprimentos. Foi, para a colônia de leprosos, um grande motivo de festa. Festejaram durante toda a noite. Os dias se passaram e o nosso bom padre a todos atendia, ajudando a cuidar dos enfermos, dando banho nos paralíticos, rezando por todos eles.
    Nosso bom homem, no entanto, não conseguia ter uma alegria plena. Sentia que, embora fosse aquilo que ele queria, ainda lhe restava um pouco de orgulho e de preconceito. 
    Uma certa manhã, quando se preparava para a celebração matinal, observou que havia cortado o seu dedo e não sentiu dor, pois ele havia contraído a lepra. Uma imensa alegria tomou conta de sua alma, e, no início de sua celebração disse:
    _Irmãos, agora sou um de vocês, a barreira foi rompida.
    _E, assim, naquela manhã celebrou a melhor e mais bela missa de sua vida.”
    Este é um belo exemplo para todos nós. Tende a provar que, só através da igualdade, podemos encontrar a plena felicidade

Tonho tavares.
                                =BEIJO ROUBADO=

Quem nunca sentiu em sua vida,
O sabor de um beijo roubado?
Aquele delicioso constrangimento,
De um ato inesperado.

O invasor de lábios fascina!

Daí acontece... Tudo muda
Sonho, sonho e sonhos,
Sucedem em dias a fio.

É como tocha em chamas,
Na mata ressequida,
Ateada.

Quem não viveu este momento,
Do viver pouco lucrou,
Fez da vida um palco
Cujo artista faltou. 

TONHO TAVARES

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

                      = APRENDIZ DA VIDA =

    Tem época na vida que nos fazemos outono
abandonamos as velhas folhas
podamos as ramagem que nos tornam improdutivos
quebramos os secos galhos
chegado até o inverno num estado temporário de dormência.

No calor do verão, sentimos, aquecidos, vivos
rejuvenescido em amor
Tornamo-nos  melhores pelas experiências vividas.

Quem sabe chegarei a primavera?
Pássaros cantores, borboletas multicores
de repente abrirei em flores
os sonhos nunca são pedidos.

      Acho que não estou dizendo coisa com coisa.
A vida nos cobra atitudes
e nem sempre as escolhas são certeiras.
      Os dias que se passam, alguns como música
maravilhosas,  cheirando a harmonia.
Outros, são como um assobio displicente em noite escura
vem logo a vontade de não tê-lo emitido.
Ainda há outros que apagam as cores, vem o frio, desprovido de pudores
açoitando o corpo sem defesa, nu.

          Eu sou como a cigarra que, canta, canta, canta...  
Não me fiz crer que o amanhã é um dia muiiiiito grande!
Banhei-me no lago dos desejos.
     Degustei do fruto amargo, das arvores espinhosas da desilusão.
Bebi do pólen das flores belas que destilavam veneno.
Renasci no arroio  de águas puras onde minh’alma  se embebedou.
Subi bem no alto da colina, lancei-me ao acaso, me feri, arranhei-me  a cada queda
partes ou pequenos pedaços ficaram ao relento. 
Pássaros divinos ensinaram-me a plainar, conduziram-me as estrelas, deram brilho ao meu ser, não desfizeram as cicatrizes, amenizaram as minhas dores.
      Sai pela noite, sem rumo, sem felicidade e sem dor,  tomei um gole da porção do amor.  O mundo ficou encantado, flores, sorrisos e quimeras. Eu ferido, sou feliz,  contamine-me irremediavelmente  pelo vírus do amor primavera.

Tonhotavares.
      = ANTES QUE SEJA TARDE =

Quero um amor 
que não seja de vento.
Que não peça um tempo 
para pensar.
Amor que não respeita o acaso
Que não durma ao lado
das emoções que vier.
Amor de verdade
não busca tempo nem idade
é sempre pronto à amar.

Venha amor...
Não demore!
Quem sabe no amanhã
tenha ido a minha hora
Restarei eu, no longínquo  
tempo passado
Meu coração
Talvez invisível
Talvez  alado
Embotado, derramado
Do grande amor
Que para ti 
por toda a vida guardei.

Tonho Tavares.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

               = EXEMPLO DE AMOR =

Eu vi um anjo
Não tocava harpa
Mas tocava banjo
Mesmo assim,  ele era um anjo.

Em nuvens brancas
Ele não sentava
Numa banquetinha escurecida
É onde ele ficava.

Numa esquina movimentada
Suas habilidades ele mostrava
Alguns descuidados não o via
Outros o elogiavam. 

Os amigos, lhe davam dinheiro
Outros, roupas e outras coisas lhe doavam
Seu sorriso era menino
Lindas mensagens ele nos passava.

Seu corpo era perfeito
Suas pernas dobradas e atrofiadas
Com as mãos ele locomovia
Na cadeira de rodas ele caminhava.

Asas... Pra quê!

Levava consigo seus sonhos
Rosto risonho ao sabor do vento
Nas asas do amor ele voava
Sua presença era um doce alento.

Sofreu como todos os santos
Foi arrancado do seu canto
Violentado,  estuprado, espancado
Por monstros jovens, sem compaixão.

Em coma para o hospital fora encaminhado
Sua vida por um fio estava
Mas ele era anjo-santo
Sua missão ainda não estava acabada.

Voltou com um débil sorriso
Seres algozes  ele perdoou
Tocava outra vez seu banjo
Agradecido a Deus ele ficou.

Seu rosto angelical sorridente
Ainda me lembro bem
Tinha tudo que o rico queria
E o amor que poucos religiosos o tem.

Pra resumir este conto
Ainda não conto bem
Como podemos descrever
O amor que existe na alma deste alguém.

Tonho Tavares
    = Sonhos reais =

Quero da vida, o caminho
Levar-te para o meu ninho
No doce desejo do amor.

Seja-me, a amante
Carinhos serão constantes
Num desejo sem final.

Vamos viver as quimeras
Que no tempo ficaram as esperas
Até este dia chegar.

Será dos meus sonhos, a mais bela
A tua imagem me revela
Todo o amor que guardei para ti.

Juntaremos as nossas vidas e os nossos sonhos
serão flores, luar, estrelas, beijos em noites de amor
neste desejo infindo.

Às vezes me olho
Daí, eu me vejo
Sou um amontoado de desejos.


Tonho Tavares.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

            = AMOR ENTOAÇÃO  =

Vamos entoar uma canção...
Talvez de um amor
Quem sabe de uma enorme paixão?

Amor é com água mansas
Suave, tem em seu curso a certeza do estar ali.
Acariciando os juncos
Faz a vitória-régia florir.

Venha entoar esta canção...
Serás a vitória-régia que rege
na exuberância do cenário
Serei a natureza que admira, e, ainda que distante, sorri feliz por ti.

Desconheço o luxo, as vezes sou apenas o junco
Riqueza... esta eu a persigo, nos detalhes do amor sem preço.
Não há maior nobreza que o sentimento que sinto por ti.

Vamos entoar uma canção...
O tema é escolha tua
O meu, eu já o tenho guardado no palácio dos meus sentimentos.

Tonho tavares
                  = CORAÇÃO, CORPO E ALMA =

...faz silêncio a alma.
Não estará ela adormecida?
Quem sabe cansada dos desamores?
Talvez brigada, triste, sozinha.
Coração não está ferido!
Ela calada...

A alma só grita
Quando o coração flagela.
Por que então se calou?
Quem sabe está a espera?
Apatia, indiferença, preguiça...
Vai saber...

O corpo responde...
Enquanto o coração trabalha,
o amor,
A alma repousa.
Sabedora que ela é, apenas se prepara.
Terá ela, com certeza,
A felicidade da criança num carrossel,
Ou a tortura do pássaro cativo???

Felicidade é quando se alinha,
O corpo, a alma e o coração.
Coração nunca pode esta a deriva
É ele sem juízo e procura as encrencas.
Traz sofrimentos, temporários,
podendo também, quem sabe, encontrar
o amor de sua vida?

Para o seu próprio bem, 
Deixe o sem juízo trabalhar!

Tonho Tavares

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

                       = LUZES DO AMOR =

Tu és a luz
De intenso brilho
Ilumina, invade, atrevidamente
Ocupou todo o meu vazio.

Sou a tua lua
Tu és a minha noite do eterno amar
Sou o teu sol
És a minha manhã raiada
Sou o teu pássaro cantor
És a minha flor que desabrocha
Na brisa da madrugada.

Sou o tempero dos teus beijos
Quando nossos lábios se casam.

Somos poucos
Somos tudo
Somos nós.

Somos a voz que no infinito retine.
Eia...eia...eia!
E as estrelas pastoreiam.

Amor, amar, amada...
É mais que sonho
É mais que magia
É a arte mais pura em escultura
Esculpida na planura d’alma.
Quando de verdade amamos
Estamos um pouco Deus
Um pouco anjo
Um pouco louco
Somos a luzes do amor.

Tonho Tavares
                   = SEUS OLHOS =

Venha querida...!
Quero olhar em teus olhos e
descobrir do que é feito este amor.
Quando se ama de verdade
os olhos cantam o amor.

O silêncio do olhar...
...inspira a dança
no bailar das luzes das estrelas!
...tal e qual um lindo sonho
deslizaremos macio
por sobre as nuvem...
Eternizando este momento!

Olha em meus olhos, amor...!
...eja neles todas as belezas, 
que da vida colhi
como quem colhe flores
com o mesmo carinho que o poeta
risca seus mais sensíveis e belos versos!
Busquei todos eles... e mais,
ao longo do meu caminhar.

Os olhos tão frágeis...
...trazem consigo a força dos deuses!
que até o coração dominam.
Serão eles, que nos conduzirão aos beijos
que desvendarão os segredos
do teu corpo nu,
ainda cheios de mistérios
a me fazer fascinar!

Eles, com certeza, me elevarão aos céus...
...se deles, eu puder ouvir uma canção de amor!

 Tonho Tavares

Toninhotav@hotmail.com
                    = CARICIAS =

Fecho os meus olhos
Sinto-me leve, flutuando ao vento
Percorro as estrelas
Viajo por todo o firmamento.

 Procuro lugares lindos
Verdes campinas
Onde vejo você menina
com seu vestido esvoaçante
sorrido com rosto erguido
olhos para o infinito.
Cabelos soltos
Levados pela fresca brisa.

Vou à cachoeira
Vejo-te
corpo nu
Águas claras
que pelo seu corpo escorre.
De tão bela cena
calam-se as águas
que numa dança
de idas e vindas
Forma um imenso remanso.

Meus lábios são tocados
Abro os olhos
você ao meu lado
trazendo-me, a liberta-felicidade
de quem corri
pelas verdes campinas.

Corpo lindo, nu, molhado
envolvente
suave, mas ardente
despindo-me
descendo pelo meu corpo
tal e qual as águas da cachoeira.

Tonho Tavares 
 

domingo, 19 de janeiro de 2014

                = SEREI SEMPRE APAIXONADO =  

    Ah! 
Estes meus lábios insaciáveis
que encistem em roubar-te
todos os beijos.
Este meu corpo que se consome
na ardência
possuído pelo desejo
busca a ti
minha mulher amada.

Tu bem sabes
minha fêmea adorada
o "eu"
seu macho homem
que vive a espreita
de ti
minha fêmea mulher
senhora de meus pecados.

Quero a ti
sem reservas
sem pudores
numa sofreguidão constante
no entrelaçar de nossos corpos
por onde as mãos mapeiam.

Serei sempre um sonhador inveterado
bicho homem
eterno apaixonado.
Não me importa muito o que sou...
serei sempre 
o Tonho que deseja ser amado.

Tonho Tavares.
                = PARA VOCÊ MULHER SONHO =

Não é preciso de um milhão de desejos...
Milhares de beijos...
Para sentir o quanto eu te amo.

Mesmo que...
As nuvens escuras
Oculte o sol em sua exuberância...
Que as estrelas, (por desencanto), desnudem dos seus brilhos...
E as longas madrugadas padecidas em lágrimas marcarem presença...
E as manhãs mal amanhecidas despertarem sem flores...
Ainda assim eu a amaria.

Para você...
Poliria a cada uma das estrelas
Retirando delas os seus mais lindos brilhos.
Pintaria o céu com as cores do arco-íris.
Desenharia o sol em seu poente
Desvairando por detrás do mar.
Faria de todas as madrugadas fagueiras.
Plantaria as mais lindas flores debaixo de sua janela
Dentre todas você seria a mais bela.

Quem sabe um dia
Numa breve momento
Eu, de amor sedento
Declamarei para você estes versos.
Venha meu amor sonhado
Farei de te a minha mulher amada.

Tonhotavares

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

                  = EU E A VIDA =

 A vida me fez companheiro
Em partes ou por inteiro
Bebo do dia, o mel
Às vezes o amargo do fel
Adoço-me em amor.

Sou o sorriso...
...da criança 
...do contador de história da praça
...do velho que alguém abraçou
...da flor que nasceu a beira do muro
...do dia que amanheceu sombrio
...do bêbado que alguém ajudou
...De Deus, em cada um que padece por amor.

Não sou eu o luxo
Nem o lixo
Sou vestígio de luz
Sou eu em fragmentos garimpados em sonhos
Quiçá, o brilho do pequeno diamante
Apago-me na erosão do tempo.

Quando amo, tenho em mim o brilho das estrelas
Sou autêntico na minha complexidade.

Tonhotavares
                     = QUANDO O SOL BRILHAR =

Quando o sol brilhar...
... Terei sido a sua real quimera,
... Teremos feito valer a espera,
... deste amor que nasceu escrito!

Quando o sol brilhar...
... Beijando-nos pela primeira vez   
... Nossos corpos entrelaçados
... Os grilhões do pudor já quebrados
... Perder-nos-emos por entre linhos e travesseiros.

Quando o sol brilhar...
... O gozo do corpo,
Cúmplice com o prazer da alma,
Elevar-nos-á ao paraíso,
Não mais teremos que dizer adeus!

Quando o sol...
... Há muito nascido, brilhar...
... Testemunhará o amor pungente,
a invadir os nossos corpos,
Mudando o tom de nossas vidas!
  

Quando o sol brilhar...
Mesmo que se faça noite,
... Este intenso e eterno brilho,
Veremos, advindas das nossas almas,
Desposados por um amor infinito!

Antônio Tavares.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

              = CORAÇÃO INVETERADO =

Nas ruas, num vai e vem
Sua história procurava.
Amores
Desamores
Em preto e branco Ele via
e as cores Ele buscava.

Aos tantos enganos e desenganos
Apenas sorria.

Não era Ele tão velho
Mas quantas histórias trazia!

Chiquinha na esquina mora
Amou-a...
Nem ela mesma sabia!

Na casa amarela morava Maria
Quantas cartinhas trocadas
Olhares tímidos
Aflito, o coração fazia pulsar
Alem disso...  
nada mais acontecia.

 Na janela a Conceição...
Que susto, que decepção...
O tempo fora péssimo artista
Esculpiu-a sem piedade.
Nela, aumentou varias partes
Outras foram afinadas.

Na casa azul, Cássia...
Quanta saudade
Esta ali não mais estava.
Casou-se com marinheiro
Foi-se embora sem dizer nada.

Na casa antiga
Morava Isabel
Talvez tenha indo para o céu
Quantas serenatas em sua janela
Músicas românticas, ao som do velho violão.
Da garganta a voz tremida saia.
Quantos beijos pelas madrugadas
Ali mesmo, naquela velha janela
São lembranças de um coração envelhecido
Que fez trilha
Sofreu
Alegrou
Chegou bem perto da morte
Mas teve sorte
nunca deixou de amar. 

Tonho Tavares
                       = QUISERA EU =

   Quisera eu ser um poeta...
...Esparramar-me em versos por todo o universo!
Faria do meu tolo coração o abrigo,
Acolheria aqueles que se alimentam de quimeras,
Que bebem da alma do poeta
E a sua essência absorve.

   Quisera eu ser um poeta...
...Narrar à beleza da vida
Que nem sempre é reta ou certa
Para invadir o mundo dos sonhos
Das estrelas, da lua, do universo!
Da criança que sorri e algumas vezes choram.
Conhecer o mundo das flores, dos pássaros
Das cascatas, cujas águas caem em prata!

   Quisera eu ser um poeta...
...Poetar em um mundo onde tudo é permitido!
Que eu colha o brilho das estrelas,
Que eu faça grinalda tecidos de raios de luar
Adornando-a de estrelas,
Como o brilho do amor que existe em meu peito
Só para lhe ofertar!

   Quisera eu ser um poeta...
...Para lhe dar tudo que existe de belo!
Poetizar os mais lindos versos,
Recitar as frases mais marcantes,
Adestrar as estrelas,
Fazer dos seus dias uma linda canção,
E nas suas noites, seu eterno enamorado!

Vê o quanto preciso para poetar?
         
   Quisera eu ser poeta...
...Mas, na verdade o que eu mais quero
É sair com você ao acaso, 
Passear de mãos dadas,
Beijá-la na boca 
Poetar apenas quatro palavras
“Eu... quero... amar... você”!

Antônio Tavares
Poeta Tonho
                       =VAZIO DO ALMA =

Hoje acordei sem poesia
Coração ausente
Alma vazia.

Senti-me só e carente.
Procurei solver-me
Nada fazia sentido.

A manhã estava linda
Pássaros em revoadas
Céu de um azul intenso
Poetas inspirados teciam os seu versos.

Peguei o carro
Fui até a cachoeira
Sentei-me na sombra da mais frondosa arvore
A brisa fresca soprava o meu corpo.

Estendi os meus olhos a imensidão
Fui em busca dos meus ausentes  sonhos
Cheguei em meu cantinho encantado
Na certeza de novas ilusões.

Uma sessação de alívio pairava sobre minha alma
Andei pelos floridos vales
Ouvi o gaitear das cascatas
Maravilhei-me com aquele encantado lugar.

Voltei a pequena cabana
Aquela,  lá à beira do lago
Adentrei, tudo estava como dantes

A lareira
O tapete
A rústica mesa de madeira
Com apenas duas cadeiras.

Cheguei ao quarto...
O catre com uma colcha de retalho estendida
Dois criadinhos mudos na parede encostado
Dois cabides
no teto um candelabro iluminado a velas
Na janela uma cortina amarelada pelo tempo
Do lado de fora, um jardim de margaridas enluarado.

Que paz!
Estava tudo quase perfeito
O que faltava, não eram os sonhos
Era você,  mulher amada.

Tonhotavares
                = SOU EU =

Não me defino...
Sou o sumo
Fujo, assumo.
Fraqueza, estilhaço de vidro.
Do sopro sussurrante
destroços...
Muro divisor.

Águas, ainda que turvas
escorrem
correm
ladeira decente da vida.
Talvez, sonho e realismo.
Espaço inconsciente
labirinto ou nada.

Em lama não nascido
na cama
no mojo descente
da mulher parideira.

Ninhos desconstruídos
Do nada
casa barreada.
Da esperança
telhas molhadas gotejam soluços.

Castelo apreciado
criticado.
Visitantes, se atrevem
admiram
comovem.

Da corte o bobo
risadas arrancam
em geral-mistura
Eu, lágrimas e sorrisos.


Tonho Tavares
        = INVASOR DOS TEUS SONHOS =

Inclua-me em teus sonhos
Arrasta-me pelos caminhos secretos dos teus desejos
Cativa-me em teu leito.
Absorva a virilidade do meu corpo
Fortaleça minha alma
Que por te se faz carente.

Quando em sono profundo estiveres
Chegarei na brisa fresca da madrugada
Tomarei de assalto o teu corpo
A tua boca ainda adormecida eu beijarei

Olhos nos olhos
Lábios nos lábios
Encanto-me com o brilho do teu olhar.

Eu em traje intimo
Tu com um penhoar vermelho transparente
Teu corpo atrevidamente 
Revelado pela luz do luar
Seduz-me
Enlouquece-me 
Perco-me na insanidade da paixão.

Carrego-te em meus braços
Conduzindo-a para interior do quarto
Suavemente desço-te ao solo
Abraçados, de rostos colados 
Ao som de um imaginário violino 
Dançaremos.

Desejos transbordantes
que exalam
Em nossa pele o cheiro do cio.

A razão é entorpecida
Levo-te para cama
Lençóis e travesseiro espalham pelo chão
Gemidos, gritos prazerosos
Ferem o silêncio.

No frenesi do amor
Me desperto, estou só!
Procuro-te, você já se foi
Percebo que não fui eu o invasor dos teus sonhos
Forte tu, que invadiste o sonho meu. 

Antônio (Tonho)
                      = LOUCO LOUCO SONHADOR =

 Serei eu um louco?
Talvez... 
Quem sabe!
Quando te amo...
Pensando em ti
sou fácil, frágil
envio-te flores
buscando, pelo menos, um único sorriso teu.

Adentro-me nas matas
Estendo os olhos
colho as mais lindas paisagens
Sensibilidade aguçada e a flor da pele...
Choro!

Imagino teu corpo sensual
Sem igual
Surgindo das águas sonoras da cachoeira.
Tu, vestida em branco
molhada,  na transparência
atrevidamente teu corpo denúncia.
Curvas sinuosas que o meu corpo excita.
Rosto, braços e pernas
revestida pela nua pele
salpicadas de gotas, muitas gotas d'águas
ornamentando-te, ao sol cintila.
Teus olhos umedecidos
brilhando de desejos...
Teus lábios sensualmente entreabertos...
Sonho, sonhos, são meus sonhos e desejos.

Serei eu um louco?
Talvez um pouco!
Estaria eu muito mais louco
Se dos sonhos
não me restassem
nem mesmo um pouco.

Tonho Tavares  

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

                     = EU QUERIA =

Hoje eu queria um anoitecer
Não como tantos outros.
Anoitecer com esperanças de juras eternas
Com sabor de paixão.
Sentir na pele, o frescor da felicidade.
Viver cada minuto de espera
Com a sensação de um século ter passado.
Entrar e sair mil vezes, enquanto lhe espero.
Mãos frias e suada, voz tremula, insegura
Com medo que, como tantas outras noites, você não venha.
Eu com minha melhor mortalha
Perfumado, bem barbeado
E receoso de  não lhe agradar.
Escolher com gosto, o sapato, até mesmo a cueca
Cabelos grisalhos, não muito alinhado
Tudo isso para lhe impressiona.
Um botão de rosa vermelha, sobre a mesa
Com se o acaso tivesse esquecida.
Uma lindo forro de mesa, bordado com as cores do seu sonho
Um vinho da melhor safra, duas taças.
No canto da sala, um piano e um violino
Dois músicos, trazendo em suas partituras
Boleros de Ravel.
Você chega com graça
Vestida como uma princesa, ou rainha.
Linda! Usando perfume tão suave, com a brisa da manhã.
Vou ao seu encontro
Damos as mãos, ao som da pequena orquestra, dançamos de rosto colado.
Ao final da música, paramos, olhos nos olhos, lábios trêmulos e sedentos
Segue-se um longo e interminável beijo. 
O resto da noite não posso lhes contar
Será para nós um segredo
Só quem sonha pode avaliar. 

Tonho Tavares  
toninhotav@hotmail.com