quarta-feira, 13 de junho de 2018

 

  = REFLEXÃO =

Silencia o tempo...
No coração, todos os sentimentos
Frívolos pensamentos.

Segue a trilha
Terra alagada
Mata a sede,
Água de enxurrada.

Envelhecidas e desesperançadas crianças...
Choram!
Somos ou não os culpados?
Pais em desespero...
Deus questionado
A tudo eu assisto!
O coração triste, a inutilidade, a impotência,
tão pouco posso!

Onde esconderam os sorrisos deste povo humilde e pequenino?
Certamente, em palácios e mansões dos corações em ostentação e poder.
Não me omito...
Quem sabe, a parte que a mim cabe!
Vivo minha religião e me esqueço do religioso que em mim habita.

Comemoro com pompa, o nascimento do Menino Jesus.
Ignoro aos milhares de filhos de Deus que nascem em miséria, sem berços, quem sabe, sem manjedoura, nas esquinas da vida.

Tonho Tavares.



      =  VEREDAS DOS SONHOS =

Espalha-te pelo corpo meu!
Pelos poros brotam todos os desejos.
A doce insanidade o meu ser domina.
Eu perdido, eu querido, eu amado!

Serei de ti o pequeno arroio
 Cujas flores
Ali nascidas
O teu coração venha a encantar.

És de mim o bálsamo que faz sarar as dores da razão.
De formas variadas eu a vejo.
Em todas elas, és a linda fonte que minha sede sacia.

Fecho os olhos
Meus sonhos ao teu encontro levam-me.
Entrego-te uma rosa vermelha perfumada
Inevitáveis são os beijos.

Como desejo passear
De mãos dadas,
Em um tempo qualquer
A um lugar, lugar qualquer
Isto não importa!
Quando se ama, tudo e tudo se tornam encantado.

Perdoe-me poesia...
Margeio-me pelo amor que me habita!
Enveredo-me em quimeras
Despertando os sonhos.
Quem sabe um dia... quiçá!

Tonho Tavares.



= CORAÇÃO REBELDE =
Meu coração se mudou
Não sei bem... mudou, fugiu...
Sei lá.!
Um cartaz ele deixou...
“Alugo a vaga
Cansei-me de ficar sozinho”.
Com o peito vazio, fui adiante
A procura de carinho.
Olá lua, minha amiga e companheira
Vistes o meu coração fugitivo, em suas andanças?
Em silêncio, como uma alcoviteira, dona de um sorriso lindo
Sem deixar rastros, calada ela se foi.
Cabisbaixo e confuso, continuei...
Com o amigo vento me deparei...
A pergunta foi a de sempre...
Viste meu coração, amigo vento?
Sussurrando, assobiando fazendo-se indiferente
Rumando para o infinito
Se foi calado.
Nada revelado!
Êita coração danado!
Conquistastes, a lua, as estrelas e o vento
Deixaste-me ao relento.
A madrugada solitária e fuxiqueira
Revelou-me o seu paradeiro
Imaginem...
Meu coração desesperançado, voou sem destino
Sem que eu o permitisse, veio a repousar-se
No colo da mulher amada.
Tonho Tavares

terça-feira, 12 de junho de 2018

      = DESEJOS =

Cala-se o tempo...
Ao vento palavras vazias.
O beijo é do desejo a poesia
 Na boca a doçura indescritível do amor.

Quisera eu os teus beijos
Na avidez de inquietos corpos
Contorcem-se
Ao pulsar das quimeras.
Sou eu a tua espera.  

Tonho Tavares.
   = AMOR EM FUSÃO =

O corpo,
A cama.
Da luz,
A chama.

O amor
Eterniza o tempo.
O beijo,
Dos desejos, o harpejo.

Palavras brotam
No coração desabrocham.
Cândido sentimento do querer
Revela a dois.

Não se resistem
Comportamento inusitado
Arrepia a pele
Avassalador deleite.

Do amor
Tudo se espera.
Na vida, ele a tudo se regenera.
Na rua de mãos dadas
Magia, encantada
Em passarela.

Tonho Tavares.
     = PERPETUAR DOS SONHOS =

  Desinquieta-me os sonhos!
Na avidez, o amor transborda.
Leva-me ao mundo encantado
Lá, onde a beleza se espalha!

Com sorriso à mesa assentada
Cruzam-nos os olhares
Você, bela senhora,
Faz a noite
Eterna ser!

Entre pequenos goles e petiscos
Nossos olhos se buscam
Mão que se tocam
Corações que se enlaçam.

Que importa...
Frases ditas ou não...
Se chove lá fora...
Se há lua
Ou se faz sol...
Somos anjos em volúpia
Caminhamos a luz do luar
Caricias e desejos
Ouve-se apenas murmúrio
Livre é o amor.

Em branco linho
Eu a vejo
Cabelos soltos
Olhos em chamas.
Entregamo-nos à libido
Voamos nas asas loucas da paixão
Perpetuo os meus sonhos.

Tonho Tavares


domingo, 3 de junho de 2018

   

   = DESEJOS =

 Queira-me com brandura...
Beba-me em pequenos goles.
Absorva-me e sentirás o gosto ímpar de meu ser.
O desejo e amor que sinto,
Faz-me ousar em deleite.
 Venha! Não permita-me às sobras do acaso.
Em meu corpo, a chama ardente da paixão.
Nos meus olhos, há luz intensa do bem querer.
Em meus braços, o teu aconchego.
Da minha boca, palavras sussurradas, pedem-te beijos
É fria noite...
Aqueça este corpo que clama por ti!

Tonho Tavares.